Origens misteriosas do vírus do PCC

A fonte original do vírus ainda pode estar circulando, levando consigo outro potencial distúrbio global

Por Petr Svab

Quatro meses após o surto mundial do novo coronavírus, sua origem ainda permanece desconhecida, alimentando especulações e complicando os esforços para combatê-lo e impedir sua recorrência.

De fato, ele é melhor comprendido como o vírus do PCC, já que o encobrimento do Partido Comunista Chinês e a falta de transparência em relação ao surto causaram ou exacerbaram grande parte da dor e incerteza em seu caminho.

A falta de evidências sobre a origem do vírus é especialmente preocupante. Vários vírus animais conhecidos anteriormente foram considerados geneticamente similares, mas não suficientemente similares. Os virologistas parecem concordar que ainda há um elo perdido – a fonte original do vírus que ainda pode estar circulando, levando consigo outro potencial distúrbio global.

Especialistas concordam que são necessários mais dados, mas os dados mais cruciais – testes de animais do epicentro do surto na cidade de Wuhan, no centro da China – não estão disponíveis. Até a presente data, o PCC não mostrou nenhuma indicação de que pretende fornecer os dados ou mesmo coletá-los.

Laboratório versus origem natural

Quando os pesquisadores chineses examinaram o genoma do vírus, eles encontraram semelhanças com dois coronavírus encontrados em morcegos que foram relatados há vários anos por cientistas militares chineses – não em Wuhan, mas em Zhoushan, a quase 800 quilômetros de distância.

O vírus do PCC correspondeu a 88% dos dois de Zhoushan.

Em particular, duas partes do vírus de Wuhan – a proteína nsp7 que ajuda na replicação e a proteína do envelope (E) que ajuda a superar o sistema imunológico – eram 100% correspondentes a um dos vírus de morcego de Zhoushan.

Isso é extraordinário, porque pesquisas anteriores mostraram que cada cepa de coronavírus parece ter sua própria versão da proteína E.

A combinação de 100% “é realmente incomum”, disse Xiaoxu Sean Lin, ex-microbiologista do Exército dos EUA, ao Epoch Times.

“É uma proteína muito pequena, mas envolve a montagem de partículas virais e interações com fatores hospedeiros; portanto, quando um coronavírus salta espécies hospedeiras (transmissão zoonótica), ele não mantém a mesma sequência”, disse ele por e-mail.

Alguns especialistas expressaram ceticismo de origem laboratorial.

Uma equipe da Universidade de Columbia, Universidade de Edimburgo, Universidade de Sydney, Universidade de Tulane e Instituto de Pesquisa Scripps comparou o vírus do PCC a vários outros coronavírus, incluindo um vírus de morcego recentemente divulgado (chamado RaTG13), bem como vários coronavírus encontrados no lagarto pangolim. O RaTG13 correspondia a 96% do vírus do PCC, enquanto os vírus do pangolim correspondiam a cerca de 90%.

“É improvável que o SARS-CoV-2 tenha surgido através da manipulação laboratorial de um coronavírus semelhante ao SARS-CoV”, concluiu a equipe no artigo de 17 de março publicado na revista Nature Medicine.

Proteínas do pangolin 

Como o artigo da Nature observou, grande parte do genoma do vírus do PCC corresponde ao vírus RaTG13, mas uma parte crucial não é a “proteína de pico”.

Essa proteína compõe os “pequenos cogumelos” presos à superfície do vírus, tornando-a a ferramenta mais importante para o vírus invadir as células humanas. As células dos pulmões humanos e outros órgãos são cobertos com membranas chamadas ACE2. A proteína de pico tem a capacidade de se interligar com as membranas, permitir que a concha do vírus se funda com a superfície da célula e permitir que o corpo do vírus invada a célula e a destrua.

Embora os vírus do pangolim não sejam tão parecidos com o vírus do PCC, suas proteínas de pico são praticamente as mesmas, incluindo aminoácidos em todas as seis posições mais cruciais da sequência do gene, afirmou o artigo.

Os autores argumentaram que, como esse tipo de proteína de pico se desenvolveu naturalmente nos pangolins, isso é evidência de que o vírus do PCC também se desenvolveu naturalmente. Além disso, observou o artigo, os picos no vírus do PCC não se ligam às células humanas tão efetivamente quanto os do vírus SARS. Se o vírus do PCC fosse produzido artificialmente, por que ele usaria uma proteína de pico que funciona pior que outra já conhecida?

Esta questão não é realmente tão difícil de responder.

A criação de vírus artificiais com recursos novos ou aprimorados – pesquisa de “ganho de função” – foi realizada para vários propósitos e não necessariamente para criar o vírus mais eficiente. Ele pode ser usado para investigar quais novos vírus podem surgir potencialmente e qual seria seu potencial pandêmico.

“Realmente depende de como o experimento foi projetado. Qual é o objetivo deles nesse tipo de estudo de ganho de função? ” disse Lin em um telefonema.

Além disso, apesar de ter chegado à conclusão oposta, “os argumentos deste documento [da Nature] sugeriram um caminho potencial de engenharia de laboratório”, disse Lin ao Epoch Times por e-mail.

No cenário de laboratório, uma proteína de pico com potencial para trabalhar em humanos seria retirada de um vírus de pangolim ou morcego e enxertada em um coronavírus animal diferente. O vírus poderia então infectar células em ambiente de laboratório “para selecionar mais clones infecciosos” e depois injetado em animais de laboratório e sofrer mutações adicionais “para selecionar cepas que são de maior transmissibilidade”, disse Lin.

O artigo da Nature descreve um processo de como isso poderia ser feito teoricamente, mas acrescenta que esses experimentos específicos não foram divulgados antes. Além disso, o corpo do vírus do PCC, ou “espinha dorsal”, não corresponde exatamente a “qualquer espinha dorsal do vírus usado anteriormente” – são necessárias mais evidências para apoiar uma origem natural, disseram os autores.

Essa visão, no entanto, se baseia em suposições de transparência, algo que falta muito por parte de Pequim, observou Lin.

Sem testes em animais

Nenhum dos vírus animais até agora relatados é suficientemente próximo para ser um progenitor direto do vírus do PCC, de acordo com a revista Nature.

“A semelhança genética deve ser maior do que a relatada nesses estudos antes que o hospedeiro possa ser identificado”, relatou a revista, referindo-se a comentários de Arinjay Banerjee, pesquisador de coronavírus da Universidade McMaster em Hamilton, Canadá. “Ele observa que o vírus da SARS compartilhava 99,8% de seu genoma com um coronavírus de civeta, razão pela qual as civetas eram consideradas a fonte. Se os pangolins são a origem do surto atual, diz Banerjee, os pangolins não estão nesses estudos”.

A história original divulgada pelo PCC foi a de que o vírus se originou no Huanan Seafood Market em Wuhan. No final de dezembro, o mercado estava fechado, mas não há indicação de que algum animal do mercado tenha sido testado. Também não há indicação de que algum animal da área de Wuhan tenha sido levado para testes.

Os documentos de comparação genética divulgados até agora combinaram o vírus do PCC contra os coronavírus descobertos no passado.

Os cientistas enfatizaram repetidamente a importância dos testes em animais para entender melhor a origem do vírus. Os autores do artigo da Nature também reconheceram isso.

“Mais dados científicos podem elucidar o balanço de evidências para favorecer uma hipótese em detrimento de outra”, disseram eles. “Obter seqüências virais relacionadas de fontes animais seria a maneira mais definitiva de revelar as origens virais”.

Dificilmente poderia haver uma falta de recursos impedindo a China de testes robustos com animais. De fato, um laboratório que fez experiências com morcegos no passado fica a apenas 121 metros do mercado de Wuhan. Outro laboratório, no Instituto Wuhan de Virologia (WIV), fica duas horas de carro.

Além disso, a virologista chinesa Shi Zhengli, baseada no WIV, é uma das autoridades mais importantes do mundo em coronavírus de morcego e relatou a correspondência de 96% com o vírus de morcego RaTG13 (pdf).

O WIV também é o único laboratório na China certificado para lidar com os vírus mais perigosos, como Ebola ou SARS.

O PCC geralmente é ansioso por melhorar sua imagem, retratando os funcionários do governo como heróis em uma crise. Desta vez, no entanto, o WIV permaneceu estranhamente silencioso durante toda a epidemia. Uma diretiva interna vazada online declarou que os trabalhadores do WIV foram proibidos de falar sobre o vírus do PCC, mesmo para a mídia estatal chinesa.

É possível que a China esteja realizando testes em animais, mas, se estiver, está mantendo os resultados em segredo, disse Lin.

WIV é acusado

Na ausência de evidências sólidas, os internautas chineses apresentaram suas próprias explicações sobre as origens do vírus, que geralmente são pouco lisonjeiras para o regime.

Alguns alegaram que uma mulher formada no WIV, Huang Yanling, era a paciente zero e havia morrido. O WIV negou, dizendo que ela vive e trabalha em outras províncias desde que se formou em 2015. Mas a foto, a biografia e a tese de Huang foram removidas do site do Instituto, deixando apenas o nome dela. Ela também nunca surgiu para contestar os rumores.

Um perfil on-line usando o nome e as fotos do pesquisador da WIV, Chen Quanjiao, acusou o diretor-geral do instituto, Wang Yanyi, de “frequentemente” revender animais de laboratório no mercado de Huanan e, portanto, possivelmente vazar o vírus do laboratório.

O manuseio incorreto de animais de laboratório não é novidade na China. Em janeiro, o biólogo Li Ning, da China Engineering Academy, foi condenado a 12 anos de prisão por vender porcos, vacas e leite experimentais de seu laboratório para mercados locais.

Wang negou que isso acontecesse na WIV e Chen divulgou uma declaração dizendo que sua identidade foi roubada e negando a responsabilidade pelas postagens on-line.

Shi negou qualquer conexão do vírus PCC ao laboratório em um comunicado à mídia chinesa.

“Prometo com a minha vida que o novo coronavírus de 2019 não tem nada a ver com o nosso laboratório”, disse ela. “Este vírus é uma punição imposta à humanidade pela natureza, para condenar o modo de vida não civilizado da humanidade. Aqueles de vocês que acreditam em boatos ou na chamada análise científica de pesquisadores não qualificados, aconselho que calem a boca [palavrões]!”

Mas em um país acostumado a ver confissões forçadas na televisão, a negação não conseguiu suprimir as perguntas.

“Por uma calamidade tão grande que pode levar inúmeras vidas, nos dê fatos e evidências, e não declarações pretensiosas, como se comprometer com a sua vida”, comentou um internauta.

Nem morcegos, nem pangolins

Uma razão pela qual muitos chineses ficaram céticos em relação à explicação oficial – que a infecção foi transferida para humanos de morcegos no mercado de Huanan – é a aparente falta de morcegos no local. Não só não foram encontrados morcegos no mercado, mas todos os morcegos que vivem na área estariam em hibernação naquela época do ano.

Também não foram encontrados pangolins no mercado. Os lagartos escamosos são uma espécie protegida, portanto, é possível que os vendedores os descartem antes que as autoridades fechem o mercado; até o momento, não há indicação de pangolins sendo encontrados em nenhum lugar de Wuhan.

Além disso, os vírus com a proteína de pico correspondentes foram encontrados em pangolins contrabandeados da Malásia para a província de Guangdong, a 800 quilômetros ao sul de Wuhan. O vírus do morcego RaTG13 foi encontrado na província de Yunnan, a 900 milhas de Wuhan.

Experimentos perigosos

Shi tem um histórico de experiências com coronavírus mutados, incluindo a combinação de vários vírus para alterar a capacidade do vírus resultante de infectar uma espécie diferente.

Em um artigo de 2010, ela explorou a manipulação dos ACE2 de um morcego para tornar o animal suscetível à SARS. Em um artigo de 2015, ela e outros pesquisadores usaram uma proteína de pico de vírus de morcego que não funcionava em humanos, a enxertou na SARS e descobriu que ela era capaz de infectar seres humanos e também ser resistente ao tratamento.

Shi não é a única a fazer esses experimentos. Mas é um negócio perigoso.

“Se o novo vírus escapar, ninguém poderá prever a trajetória”, disse Simon Wain-Hobson, do Instituto Pasteur, na França, comentando o artigo de Shi em 2015.

Em 2014, o presidente dos EUA, Barack Obama, interrompeu o financiamento para pesquisas de ganho de função, cauteloso com o perigo à biossegurança.

A controvérsia forneceu um incentivo para Shi ou outros pesquisadores seguirem seus passos para manter qualquer pesquisa adicional sobre ganho de função sob sigilo. Nesse caso, um provável cliente para essa pesquisa teria sido o exército chinês, segundo Lin.

Uma publicação na mídia social chinesa Douban disse que Chen Wei, o “principal especialista em armas bioquímicas do Exército de Libertação Popular”, recentemente assumiu o laboratório da WIV. O relatório permanece não confirmado.

Shi e WIV não responderam às perguntas do Epoch Times enviadas por e-mail.

No entanto, o laboratório teve uma conexão militar desde o início.

O laboratório foi desenvolvido com a ajuda do governo francês após o surto de SARS em 2003. Originalmente, um arquiteto francês deveria projetá-lo, mas as autoridades chinesas mudaram o trabalho para um arquiteto local de Wuhan. A inteligência francesa descobriu que a empresa de arquitetura chinesa, IPPR Engineering International, tinha laços estreitos com uma subsidiária militar chinesa que estava na lista negra da CIA, segundo a Challenges, uma revista de negócios francesa. O laboratório ficou operacional em 2017.

Qualquer que seja a origem do vírus, ainda não há evidências suficientes para afirmar com certeza, segundo Lin. O que está claro, no entanto, é que a falta de evidências pode ser amplamente atribuída ao PCC, enquanto o mundo inteiro suporta as consequências.

Siga Petr no Twitter: @petrsvab

 
Matérias Relacionadas