Oposição venezuelana registra quase três vezes mais mortes por COVID-19 do que o regime

Por Agência EFE

Pelo menos 116 pessoas morreram pelo vírus do PCC, comumente conhecido como o novo coronavírus, na Venezuela, conforme denunciado pelo deputado da oposição José Manuel Olivares na segunda-feira, quase o triplo das 44 mortes relatadas pelo regime de Nicolás Maduro.

“Nos últimos dez dias, seis médicos e uma enfermeira em Zulia morreram de COVID-19. Somente no HUM (Hospital Universitário de Maracaibo) 28 venezuelanos morreram de COVID-19 e não foram incluídos nos relatórios pelo regime”, disse Olivares em sua conta no Twitter.

O deputado, que vive na Colômbia, explicou que, graças aos sistemas de monitoramento que a oposição possui, eles puderam saber que, além disso, “44 outras pessoas em todo o país morreram do COVID-19, que também não foram incluídas nas figuras oficiais ”.

“Isso daria um total de 116 mortes em todo o país, passando de 0,8% a 2,18% da mortalidade total na Venezuela”, enfatizou.

O regime venezuelano registrou até domingo 5.297 casos de pessoas infectadas com COVID-19, das quais 44 morreram.

O surto com a maioria dos casos detectados até agora na Venezuela começou no popular mercado de pulgas em Maracaibo, capital do estado de Zulia (na fronteira com a Colômbia), segundo dados do regime venezuelano.

Olivares também informou que nesta semana foram perdidos 500 “testes de PCR” para detectar o vírus do PCC quando foram transferidos de Zulia para Caracas.

Além disso, um oficial das Forças Especiais de Polícia (FAES) morreu e mais três foram hospitalizados com COVID-19, um dos quais está sendo tratado com um respirador mecânico.

“Nada disso foi relatado pelos porta-vozes do regime, eles continuam escondendo informações”, enfatizou Olivares, referindo-se a dados oficiais.

Em resposta a esses dados, o presidente encarregado Juan Guaidó escreveu na mesma rede social e também em referência ao regime Maduro que “a arrogância da ditadura a levou apenas a perseguir”.

“Hoje eles são responsáveis ​​pelos riscos de nosso pessoal”, afirmou.

Na sua opinião, o Poder Executivo de Maduro destruiu o sistema de saúde, bloqueou a ajuda humanitária, “três meses perdidos em quarentena e a capacidade de atendimento em hospitais não foi aprimorada”.

“Nicolás Maduro é responsável pela tragédia e pelas condições que foram agravadas pela pandemia e causaram a morte dos venezuelanos. Hoje, a única coisa que eles têm a oferecer é pedir ao nosso pessoal que fique em casa sem água ou eletricidade”, concluiu.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.]

Veja também:

EUA exigem que regime chinês tenha transparência diande da pandemia

 
Matérias Relacionadas