Oficial da Força Espacial, punido após denunciar o marxismo, está deixando o exército

Por Zachary Stieber, Jan Jekielek

O oficial da Força Espacial que foi afastado de seu posto de comando por condenar o marxismo e a teoria crítica da raça está deixando o exército.

O tenente-coronel Matthew Lohmeier disse aos “American Thought Leaders” do Epoch Times que seu último dia no serviço será 1º de setembro.

“Escrevi uma carta ao então Secretário em exercício da Força Aérea explicando certas circunstâncias, que não pretendo tornar públicas, mas também solicitando uma aposentadoria precoce e uma separação honrosa da Força Aérea”, disse ele. “E eles negaram-me uma reforma antecipada, mas concordaram que me separariam. E então minha família e eu decidimos que esse é o melhor curso de ação para nós agora, dadas as circunstâncias. ”

“Acredito que posso continuar servindo meu país fora do serviço militar e sem uniforme, talvez de uma maneira melhor do que era capaz de uniforme, dadas as circunstâncias,  no momento.”

Lohmeier planeja aceitar palestras em público e oferecer serviços de consultoria.

Ele recebeu uma série de convites para vários eventos e conferências nos últimos meses.

O tenente-general Stephen Whiting, comandante do Comando de Operações Espaciais, dispensou Lohmeier do comando de um esquadrão em maio “devido à perda de confiança em sua capacidade de liderar”, disse a Força Espacial na época.

Whiting fez a mudança por causa de comentários que Lohmeier fez em um podcast. Ele também ordenou uma investigação sobre se os comentários constituíam atividade política partidária proibida.

Lohmeier publicou um livro alertando sobre a disseminação do marxismo e da teoria crítica da raça nas forças armadas e estava no podcast promovendo o livro.

O tenente-coronel Matthew Lohmeier é visto em uma fotografia sem data (Cortesia de Matthew Lohmeier)

Durante a aparição, Lohmeier afirmou que o secretário de Defesa Lloyd Austin estava promovendo “diversidade, inclusão e equidade”, que ele e outros disseram estar “enraizados na teoria racial crítica, que está enraizada no marxismo”.

Posteriormente, o Gabinete do Inspetor-Geral da Força Aérea assumiu a investigação.

Vários membros do Congresso se manifestaram contra o que aconteceu, incluindo o senador Jim Inhofe (R-Okla.), o principal republicano no Comitê de Serviços Armados do Senado.

“Com base nas informações que o comitê recebeu até agora e no que foi divulgado na imprensa, estou preocupado”, disse Inhofe na época. “Os membros das nossas forças armadas não devem apenas ser capazes de falar contra o marxismo, mas devem ser encorajados a fazê-lo – desde que sigam as regras e leis já em vigor. O marxismo é uma ideologia que vai contra tudo o que este país representa e pertence, como Ronald Reagan disse, ‘no monte de cinzas da história’ ”.

Lohmeier disse ao Epoch Times que nem seu livro nem os comentários eram politicamente partidários.

“Não é politicamente partidário expor a ideologia marxista onde ela existe e falar sobre a teoria racial crítica, que deveria ser algo contra o qual estamos unidos”, disse ele.

Ele também disse que tentou, antes de escrever o livro, utilizar mecanismos internos que permitiam aos membros do serviço apresentar queixas, mas sem sucesso.

A Força Espacial e a Força Aérea não responderam aos pedidos de comentários.

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

 
Matérias Relacionadas