Ocidente responde ao aumento das construções chinesas para governos africanos

Por Alex Wu

Em meados de maio, a China investiu US$ 35 milhões no Quênia para construir um novo prédio para o Ministério das Relações Exteriores. A medida é a mais recente de uma série de investimentos e concessões do Partido Comunista Chinês (PCC) aos países africanos, permitindo ao regime expandir sua influência política e econômica no continente.

As ofertas de investimento da China, principalmente por meio de sua Belt and Road Initiative (BRI) (Iniciativa um Cinturão Uma Rota), têm sido fortemente criticadas por criar armadilhas de dívidas para os países anfitriões e por executar processos de espionagem e infiltração nos bastidores. No entanto, o Ocidente agora começou a tomar contramedidas.

O Southern China Morning Post notou em 23 de maio que o PCC se concentrou em financiar e construir prédios governamentais para os países africanos, levantando suspeitas da comunidade internacional.

Atualmente, a nova sede de $ 80 milhões para os Centros Africanos para Controle e Prevenção de Doenças (CDC), financiado pela China, está em construção no sul de Adis Abeba, na Etiópia . A construção começou em dezembro de 2020, apesar do aviso do governo dos Estados Unidos, em fevereiro de 2020 , de que o CDC, financiado e construído pela China, seria usado pelo regime para roubar “dados genéticos africanos”.

De acordo com a Heritage Foundation , a China participou da construção de mais de 186 edifícios governamentais em 40 dos 54 países africanos. Até a sede da União Africana (UA), localizada na Etiópia, foi totalmente financiada e construída pela China.

Em 2018, o jornal francês Le Monde revelou pela primeira vez que técnicos da UA descobriram que entre 2012 e 2017, a sede da União Africana construída na China tinha transmitido dados confidenciais da UA para Xangai , diariamente, através da rede informática do edifício usando servidores fornecidos pela empresa chinesa Huawei .

Apesar disso, em 2019, a UA firmou acordos com a Huawei para ampliar o uso de sua tecnologia e equipamentos na construção de redes 5G , inteligência artificial, computação em nuvem e outros.

A China desenvolveu 70 por cento das redes 4G da África e até construiu redes de comunicações intragovernamentais sensíveis para 14 países africanos.

Nos últimos anos, o regime comunista da China emprestou bilhões de dólares a estados africanos ao construir estradas, ferrovias, portos, usinas de energia, redes de Internet e prédios governamentais na tentativa de colocar o continente sob sua influência, de acordo com relatos da mídia do Reino Unido . O regime também vem construindo bases militares na África, como em Djibouti .

Esta foto tirada em 1º de agosto de 2017 mostra o pessoal do Exército de Libertação do Povo Chinês que participou da cerimônia de inauguração da nova base militar da China em Djibouti (STR / AFP via imagens Getty)

Os empréstimos chineses são oferecidos principalmente por meio da BRI, que é o grande projeto de política externa do líder chinês Xi Jinping que ele lançou em 2013. Seu objetivo é estender a influência econômica e política do PCC a países na Ásia , Europa e África, recriando a antiga rota da seda da China, uma estrada para o comércio no século 21. O BRI investe capital chinês na construção de vários projetos de infraestrutura de alto custo em mais de 60 países participantes.

Pelo menos 28 países africanos assinaram um acordo da BRI com a China, de acordo com a mídia estatal chinesa Xinhua.

Recentemente, os Estados Unidos e seus aliados começaram a tomar medidas para conter a expansão da China na África. Em uma reunião de chanceleres do G7 no início de maio, os países ocidentais falaram sobre as ambições do PCC e as ameaças à segurança nas nações da África e da América Latina, e sugeriram que o Ocidente estendesse parcerias aos países, com “ ofertas concretas de cooperação”.

Em 22 de maio, um grupo de empresas de telecomunicações financiado por uma agência de ajuda estrangeira dos EUA e liderado pelo Grupo Vodafone do Reino Unido ganhou o contrato para construir uma rede 5G para a Etiópia , derrotando a Huawei Technologies Co. e a ZTE Corp, ambas empresas estatais chinesas .

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas