O que está por trás do acúmulo de tropas na fronteira Ucrânia-Rússia?

Putin demanda garantias de que a OTAN não se moverá para o leste – isto é, não recrutará a Ucrânia

Por Lee Smith 

Comentário

O estabelecimento da política externa de Washington afirma que as centenas de milhares de tropas russas na Ucrânia ameaçam a segurança da OTAN e da Europa. Talvez sim, mas também é possível que as forças russas mobilizadas logo após a posse de Joe Biden representem a postura defensiva de Moscou.

Apesar de todas as teorias que a mídia e os especialistas redundantes apresentaram para explicar o talvez iminente conflito no Leste Europeu, eles esconderam uma grande peça do quebra-cabeça – a facção política liderada por Biden percebe a Ucrânia como um instrumento para promover seus interesses partidários estreitos, estrangeiros e doméstico.

Em 2013, o governo de Barack Obama viu um movimento de protesto ucraniano como uma oportunidade para derrubar um governo de Kiev alinhado com Moscou. Poucos anos depois, a campanha presidencial de Hillary Clinton utilizou autoridades e ativistas ucranianos para impulsionar uma operação de inteligência visando seu rival, Donald Trump. E, em 2019, formuladores de políticas pró-ucranianos dos EUA conspiraram para destituir Trump para dar cobertura a Biden após ele se gabar publicamente de interferir no sistema político e judicial da Ucrânia por suposto ganho pessoal.

Este é um contexto essencial para entender as demandas do presidente russo, Vladimir Putin, por garantias de segurança de que a OTAN não se moverá para o leste – isto é, não recrutará a Ucrânia. Do ponto de vista de Moscou, não importa o quão fraco Biden pareça, ele é o chefe de um bloco político imprudente e perigoso. Os democratas usaram a Ucrânia para desestabilizar o governo americano, e é possível que tentem novamente usá-la para desestabilizar a Rússia.

Como discuti no último episódio de “Over the Target”, as ações perigosas dos democratas em relação à Ucrânia datam de quase uma década. Após Putin obrigar o então presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovych, a rejeitar um acordo comercial de 2013 com a União Europeia que enfraqueceria a economia russa, ativistas ucranianos foram às ruas de Kiev em protesto.

Quando a violência irrompeu na capital ucraniana, altos funcionários do governo Obama aproveitaram a oportunidade para remodelar o governo ao seu próprio gosto. A secretária de Estado adjunta, Victoria Nuland, e o embaixador dos EUA na Ucrânia, Geoffrey Pyatt, foram flagrados no vídeo discutindo sobre o primeiro-ministro que planejavam instalar. A fita foi supostamente vazada pelos russos para mostrar como os Estados Unidos estavam interferindo na dinâmica política interna de um país estrangeiro.

Em fevereiro de 2014, Yanukovych fugiu de Kiev para Moscou, e um punhado de altos funcionários do governo Obama visitou a Ucrânia, o que pareceu a muitos observadores uma volta da vitória. A visita do diretor da CIA, John Brennan, em abril, alimentou a especulação de que o serviço clandestino dos Estados Unidos havia planejado o golpe.

Uma semana depois, o vice-presidente Joe Biden chegou, aconselhando o novo governo a erradicar a corrupção. E, no entanto, apenas um mês após a visita de Biden, uma empresa de energia ucraniana, a Burisma, sob investigação de autoridades internacionais e, mais tarde, ucranianas, nomeou seu filho Hunter para um cargo no conselho que pagava mais de US$ 50.000 por mês. Parece que a Burisma estava comprando proteção do funcionário dos EUA encarregado da política da Ucrânia – o pai de Hunter Biden.

Com a eleição presidencial de 2016 próxima, os democratas instaram seus novos amigos na Ucrânia a contribuir com os esforços eleitorais de Hillary Clinton, apoiando as alegações de sua campanha de que Trump havia sido comprometido por Moscou. Um artigo de agosto de 2016 do Financial Times documentou os muitos ex-funcionários ucranianos em exercício que alegaram que o candidato do Partido Republicano era “pró-Putin”.

Em Washington, a empreiteira do Comitê Nacional Democrata, a ativista ucraniana-americana Alexandra Chalupa, procurou ajuda para difamar Trump como um agente russo da embaixada ucraniana. O embaixador ucraniano em Washington colaborou com um artigo de opinião anti-Trump no The Hill.

Ao mesmo tempo, a Fusion GPS, contratada para a campanha de Clinton, estava obtendo relatórios de conluio Trump-Rússia do parlamentar ucraniano Serhiy Leshchenko. De fato, o infame dossiê anti-Trump é fundamentalmente sobre a Rússia e a Ucrânia.

As partes lascivas podem ser as partes mais notórias do dossiê, mas a narrativa abrangente do conluio depende de alegações de “tomar uma coisa por outra” em relação à Ucrânia. Em troca da ajuda de Putin para vencer a corrida de 2016, alega o dossiê, Trump removeria as sanções que Obama havia imposto à Rússia por sua incursão de 2014 na Ucrânia e a anexação da Crimeia.

Apenas algumas semanas antes do governo Obama-Biden terminar seu mandato, em janeiro de 2017, Biden afirmou ao Departamento de Justiça que o conselheiro de segurança nacional de Trump, Michael Flynn, deveria ser processado por discutir sanções com o embaixador russo em Washington. Com a ajuda da imprensa, a equipe Obama-Biden forçou Flynn a sair da Casa Branca, o primeiro passo em uma operação de mais de dois anos que combina o Partido Democrata, os serviços de espionagem dos EUA e a mídia para derrubar o governo Trump.

Quando o Russiagate eventualmente finalizou sua atividade, no verão de 2019, outra operação anti-Trump já estava em andamento. Esta também se voltou contra a Ucrânia.

Em 24 de julho, Robert Mueller apareceu no Capitólio para explicar que sua investigação do conselho especial não encontrou evidências de qualquer conluio. No dia seguinte, Trump falou ao telefone com o novo presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, e pediu a ajuda de Kiev para chegar ao fundo do papel da Ucrânia no Russiagate. Ele também pediu a Zelensky informações sobre as atividades dos Bidens na Ucrânia.

Trump havia ouvido falar da admissão pública de Joe Biden de que ele fez os ucranianos demitirem o promotor que investigava a empresa que pagava seu filho Hunter. O ex-vice-presidente declarou a uma audiência em Nova Iorque que exigiu uma contrapartida do governo de Kiev. Se eles não se livrassem do promotor, ele iria retem uma garantia de empréstimo de US $1 bilhão. “Bem, filho da [palavrão]”, afirmou Biden, “ele foi demitido”. Trump declarou a Zelensky que o papel de Biden “soa horrível para mim”.

Um funcionário ucraniano-americano que trabalha na Casa Branca chamado Alex Vindman estava ouvindo a ligação de Trump com Zelensky e transmitiu seu conteúdo a um denunciante, que foi identificado pela RealClearInvestigations como o ex-assessor de Biden, Eric Ciaramella, analista da CIA. Como funcionário -chave do ex-vice-presidente da Ucrânia, Ciaramella devia saber tão bem quanto qualquer um que uma investigação sobre as atividades relacionadas à Ucrânia pelos Bidens poderia causar problemas para o potencial candidato presidencial do Partido Democrata em 2020.

E assim, com base no relato de Vindman, foi alegado que Trump ameaçou reter ajuda defensiva letal da Ucrânia, a menos que Kiev ajudasse a encontrar sujeira nos Bidens. Na realidade, a operação de “tomar uma coisa pela outra” de Biden estava simplesmente pendurada em Trump – afinal, foi Biden quem usou o dinheiro do contribuinte dos EUA como alavanca para supostamente beneficiar sua família. Como chefe em comando, Trump tinha a obrigação de descobrir se as atividades dos Bidens na Ucrânia comprometeram a segurança nacional dos EUA.

No entanto, a mídia, agentes do Partido Democrata e funcionários dos EUA que trabalharam no arquivo da Ucrânia, como Ciaramella e Vindman, a assessora da Casa Branca, Fiona Hill, e a ex-embaixadora na Ucrânia, Marie Yovanovitch, fizeram parceria para destituir Trump. Eles desestabilizaram o governo americano para proteger Joe Biden.

Os americanos sabem como a campanha anti-Trump de quatro anos destruiu nosso tecido político doméstico. Mas estava destinado a afetar também nossa posição no exterior. Afinal, o mundo inteiro estava assistindo, incluindo o líder estrangeiro que os democratas fizeram o bicho-papão para destruir um presidente americano — Putin.

A verdade das atividades relacionadas à Ucrânia da facção de Biden foi obscurecida pela mídia dos EUA ou descrita falsamente como “desinformação russa”. Mas com uma visão clara dos fatos, não é difícil ver a situação atual pelos olhos russos: a América agora é governada por funcionários corruptos que desperdiçaram seu prestígio e perderam o interesse nacional com o objetivo de minar seu próprio sistema político. Como a Ucrânia foi seu instrumento, um governo Biden é perigoso para a Rússia na fronteira com a Rússia.

Assim, há consequências no mundo real para as maquinações do Partido Democrata na última década. Para os ucranianos, é uma lição de que potências menores nunca devem se permitir serem arrastadas para conflitos internos de uma grande potência.

Para os americanos, há o longo trabalho de vasculhar os destroços causados ​​por uma facção política que percebe a política externa como uma ferramenta para avançar em sua agenda doméstica. E assim, existe a possibilidade muito real, ainda que pequena, de que Biden arraste a América para um conflito que ele e seu partido usaram nos últimos 10 anos para ganho pessoal e político.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas