Nomeação de nova diretora do Twitter suscita preocupações com influência de Pequim

Por Nathan Su

Recentemente, foi apresentada uma petição na Casa Branca solicitando uma investigação sobre a supressão de críticas ao Partido Comunista Chinês (PCC) no Twitter, depois que a empresa de mídia social dos EUA nomeou uma nova diretora com “laços estreitos com os principais líderes do PCC”.

A petição, intitulada “Chamada para uma investigação completa sobre a violação da liberdade de expressão do Twitter”, foi apresentada em 20 de maio. A petição declara: “O Twitter suprimiu as críticas ao PCC e suspendeu as contas de dissidência [política da China] enquanto as contas pró-Pequim vivem bem”.

Até o momento, a petição on-line recebeu mais de setenta e um mil assinaturas de apoio.

A popular plataforma de mídia social sediada em São Francisco anunciou em 11 de maio a nomeação da Dra. Li Fei-Fei para o Conselho de Administração da companhia como uma nova diretora independente. Li foi ex-vice-presidente e cientista chefe de IA do Google Cloud e liderou o gigante das buscas na Internet em seus esforços para construir suas operações de IA na China.

Críticos suspensos, continuação da propaganda 

De acordo com a petição, “em 18 de maio de 2020, não é de surpreender que muitos usuários anti-PCC do twitter se encontrem suspensos, alguns permanentemente”.

Uma semana depois de Li ingressar no conselho de administração do Twitter, Caijinglenyan (財經 冷眼), uma ramificação chinesa do twitter, foi retirada por violar regras contra a publicação de conteúdo idêntico em contas duplicadas. O escritor da conta descobriu que quatro de suas contas tinham sido excluídas.

O escritor acredita que suas contas foram canceladas porque ele expôs o “fundo vermelho” de Li e alegou que o novo diretor do Twitter era membro de uma associação de estudantes afiliada ao Departamento da Frente Unida do PCC.

O escritor afirmou que ele havia postado apenas o conteúdo em uma de suas contas e retweetou a postagem original em outras contas. Ele argumentou que o Twitter não possui uma política que impeça que um usuário tenha mais de uma conta.

O escritor também disse que um de seus seguidores no twitter afirmou que sua conta foi cancelada simplesmente porque ele twittou: “Li Fei-Fei está chegando, eu tenho que correr”.

O Twitter foi banido na China. No entanto, a proibição não impede que todos os níveis de oficiais do PCC e da mídia estatal chinesa tenham contas no Twitter fora da China. Usando a mídia social dos EUA como plataforma, Pequim tem efetivamente divulgado sua propaganda ao mundo ocidental.

Por exemplo, Hua Chunying, porta-voz do Departamento de Estado da China, twittou muitas declarações de propaganda por meio de sua conta @SpokespersonCHN.

Em 5 de maio, Hua twittou um artigo publicado pela China Xinhua News negando que Wuhan fosse a origem da COVID-19. A Xinhua News é o porta-voz oficial do PCC, que o povo chinês costuma criticar por publicar nada além de mentiras, exceto a data do dia.

A Xinhua News mantém a conta @XHNews desde fevereiro de 2012. Em 8 de junho, a Xinhua News twittou seu próprio artigo: “Observadores estrangeiros falam muito bem do Livro Branco da China sobre a # COVID19, dizendo que ele traz grande inspiração para a batalha global contra a pandemia xhnew. ws / YcWnh”.

O artigo citou as declarações feitas pela mídia ou funcionários da Namíbia, Egito, Cazaquistão e Equador, elogiando como o regime chinês lidou com a pandemia.

O outro porta-voz do Departamento de Estado chinês, Zhao Lijian, twittou no início de março afirmando que “pode ​​ser o exército dos EUA que levou a epidemia a Wuhan”.

As contas do Twitter de Hua, Zhao e Xinghua News estão atualmente em operação normal.

Laços de Li Fei-Fei com a China

Li, a recém nomeada diretora do Twitter, é bem conhecida por seus laços com o PCC. Li levou o Google Cloud a estabelecer sua operação de IA em parceria com o principal instituto de IA da China na Universidade de Tsinghua.

A operação de inteligência artificial de Tsinghua recebeu mais de 100 milhões de yuans (US$ 14,53 milhões) do Comitê de Ciência e Tecnologia da Comissão Militar Central da China – um órgão do Partido que supervisiona as forças armadas – para trabalhar em um projeto de inteligência artificial para as forças armadas.

No evento de lançamento do Centro de Inteligência Artificial do Google na China, em dezembro de 2017, o portal de mídia chinês Sina informou que Li disse à plateia que começou a promover a ideia de criar um centro de inteligência artificial na China com os CEOs do Google e do Google Cloud logo após sua adesão à empresa em janeiro de 2017.

Li também foi citado em um relatório de dezembro de 2017 do portal de notícias chinês sohu.com dizendo: “A China é como um gigante adormecido. Quando ela acordar, ela vai abalar o mundo.

Ela acrescentou que a China já havia despertado no mundo da IA, afirma o relatório.

De acordo com um relatório da CNN, Li é cidadã dos EUA, que emigrou da China com seus pais em 1992, quando tinha 16 anos.

Ela se formou na Universidade de Princeton em 1999 com um diploma de bacharel em física e concluiu um doutorado no Instituto de Tecnologia da Califórnia em 2005. Ela atuou como diretora do laboratório de pesquisa de IA de Stanford de 2013 a 2018.

Muitos meios de comunicação chineses e autoridades do regime elogiaram Li, destacando-a como um talento notável no campo da IA.

Ela foi uma das vencedoras do prêmio “Você traz charme para o mundo de 2017-2018”, um prêmio patrocinado por vários meios de comunicação chineses e apresentado a indivíduos chineses que influenciam a visão de mundo do país.

Em dezembro de 2017, ela teria sido nomeada pelo think tank chinês Center for China and Globalization como uma das 50 chinesas de maior sucesso que estudaram no exterior. O reconhecimento foi anunciado em uma conferência convocada por várias agências governamentais.

O regime chinês procurou usar especialistas e profissionais chineses treinados no exterior para expandir sua influência fora do país.

Em 2015, o Departamento de Trabalho da Frente Unida do Partido, um órgão encarregado de administrar as operações de influência do regime no exterior, designou especificamente um novo foco de trabalho com indivíduos chineses que receberam educação estrangeira, informou o China Daily.

A história passada de Li, trabalhando com organizações chinesas controladas pelo PCC, foi aparentemente a principal razão que desencadeou a petição na Casa Branca.

Preocupações com a influência do regime chinês

Dois legisladores dos EUA, o senador Ben Sasse e o deputado Mike Gallagher enviaram uma carta ao CEO Jack Dorsey, do Twitter, em 20 de março, pedindo à empresa de mídia social que bloqueie o acesso ao Twitter para quaisquer autoridades estrangeiras que proíbam o uso do Twitter em seus próprios países, especialmente as autoridades chinesas.

A República Popular da China “bloqueia o acesso público ao Twitter, mas usa seu serviço para promover sua propaganda”, afirma os legisladores na carta. A carta também diz: “ao proibir o Twitter na China, o Partido Comunista Chinês mantém seus cidadãos no escuro. Ao colocar propaganda no Twitter, o Partido Comunista Chinês está mentindo para o resto do mundo”.

“Enquanto a pandemia de coronavírus está afetando famílias, governos e mercados em todo o mundo, o Partido Comunista Chinês realiza uma campanha massiva de propaganda para reescrever a história da COVID-19 e calar as mentiras do Partido para o povo chinês e para o mundo”, afirma a carta.

O regime chinês há muito tempo tenta influenciar a mídia global e suprimir qualquer relatório crítico do regime. Um relatório de março de 2019 da Repórteres Sem Fronteiras afirma que o regime chinês travou uma guerra contra a mídia global sob o pretexto de “combater as forças ocidentais ‘hostis'”. Na China, os canais de TV estaduais transmitem pelo menos 29 confissões forçadas envolvendo jornalistas ou blogueiros desde 2013.

Em novembro de 2018, a Hoover Institution da Stanford University publicou um relatório documentando a extensão das operações de influência da China nos Estados Unidos. O relatório de 200 páginas, intitulado “Influência chinesa e interesses americanos”, resume a influência do regime chinês no Congresso dos EUA, governos estaduais e locais nos Estados Unidos e universidades dos EUA, think tanks, corporações, tecnologia e pesquisa.

A atual petição da Casa Branca pede “uma investigação completa sobre a violação da liberdade de expressão do Twitter e as colaborações do Dr. Fei Fei Li com o PCC, uma ameaça à segurança nacional”.

O Epoch Times entrou em contato com o Twitter para comentários sobre a petição em andamento, mas não recebeu resposta até o momento.

Você sabia que somos independentes?

O Epoch Times é independente de qualquer influência de empresas, governos ou partidos políticos. Nosso único objetivo é levar aos leitores informações precisas e sermos responsáveis ​​perante o público.

Estamos trabalhando dia e noite para cobrir o surto de vírus do PCC para você. Doar tão pouco quanto uma xícara de café ajudará a manter nossa mídia funcionando.

Ajude-nos agora doando um ‘CAFÉ’ para a equipe.

Veja também:

Regime chinês persegue e ataca companhia internacional de dança

 
Matérias Relacionadas