Negar as diferenças entre os sexos é prejudicar a sociedade

O significado pessoal e bem-sucedido dos homens depende dos papéis com um propósito social que a cultura cria para eles

Por William Gairdner

Platão semeou os ventos do igualitarismo sexual há muito tempo. Também Karl Marx, Friedrich Engels e León Tolstoi. Depois surgiu o sistema de kibutz de Israel. Então, feministas ocidentais radicalmente anti-homens, antimatrimônio e antifamilia, pegaram carona em meados do século XX. Agora estamos colhendo o redemoinho.

George Gilder soou o alarme em seu livro profético de 1992, “Homens e Casamento”, com uma advertência que é muito reveladora, dada a amarga guerra entre os sexos de hoje em dia. Qual seja: o instinto sexual predominante nos homens em todo o mundo, em grande detrimento da estabilidade social, é centrar-se na sua própria gratificação imediata. Os jovens solteiros — indisciplinados e sem as restrições dos costumes e práticas sexuais tradicionais — são um perigo claro para a sociedade e para a saúde reprodutiva, por muitas razões.

Entre essas razões encontramos: eles preferem muito mais o sexo casual. E também são muito mais agressivos física e sexualmente do que as mulheres. Embora os jovens solteiros representem uma pequena porcentagem da população com mais de 14 anos, são eles que cometem os crimes mais violentos. Eles bebem mais e sofrem mais acidentes de carro graves do que mulheres e homens casados. Os jovens solteiros são 22 vezes mais propensos a serem hospitalizados por problemas mentais e 10 vezes mais propensos a serem hospitalizados por doenças crônicas em comparação com homens casados. Os homens solteiros também são condenados por estupro cinco vezes mais do que os homens casados, e têm quase o dobro da taxa de mortalidade dos homens casados e três vezes mais do que as mulheres solteiras.

Desvantagens

Toda a questão da liberação sexual deu errado. Os homens se beneficiaram sexualmente no curto prazo, mas não necessariamente no longo prazo. As mulheres perderam em ambas as frentes porque desistiram do único meio seguro — o adiamento da gratificação masculina imediata — que lhes permitia ter filhos, mantê-los, protegê-los e educá-los pessoalmente ao mesmo tempo.

Em essência, a tradicional equação de equilíbrio que atraía os homens para o atraente mundo da fertilidade feminina foi abandonada e, em vez disso, as mulheres foram encorajadas a entrar no mundo sexualmente frenético dos homens.

Um resultado direto disso foi o enfraquecimento do casamento e dos laços familiares; os homens abandonam mulheres e crianças; e muitas, principalmente mulheres pobres e seus filhos, abandonaram completamente o casamento e aderiram ao Estado patriarcal.

Pior ainda, como Gilder explica, o feminismo, por padrão, permitiu que os homens criassem um sistema informal de poligamia em série (ou mesmo simultânea), em que homens mais fortes (mais ricos, mais bem sucedidos) podem desfrutar de muitas mulheres, geralmente jovens. Mas a mulher perde no sentido de que, para ter filhos, suas chances de encontrar um marido e um pai forte para seus filhos são biologicamente limitadas a alguns poucos anos de sua vida. Espera-se muito tempo para casar, os homens fortes da sua idade não estarão mais disponíveis, em uma montanha íngreme de opções cada vez menores.

Além disso, nas sociedades que preferem negar essas diferenças naturais entre os sexos e permitem o sexo “livre”, a subcultura homossexual compete pela normalidade com a cultura central, ataca os valores tradicionais e recruta homens (geralmente os mais jovens) que de outro modo seriam procriadores. E devido a que a liberação multiplica muito, obviamente, as opções sexuais dos homens fortes, inverte a distribuição dos possíveis parceiros e, no seu aspecto feminista, contrasta o ethos feminino com o ethos masculino, fomentando assim o ressentimento sexual entre homens e mulheres.

Em abril de 2018, Alek Minassian dirigiu seu caminhão alugado em uma viagem mortal de 1.600 metros por uma calçada de Toronto, matando 10 pessoas e ferindo 13. Seu motivo? Ele alegou lealdade a um grupo de direitos masculino chamado “incel”, que significa “celibato involuntário”. Ele e seu grupo ficaram terrivelmente irritados com a distribuição desigual de parceiras. As vítimas que ele matou eram principalmente mulheres.

A morte do casamento

Tudo isso leva a um casamento menos tradicional, algo que foi visto pela primeira vez na Suécia em meados do século passado, quando o país abraçou entusiasticamente a liberação sexual: sua taxa de matrimônios caiu drasticamente para cerca de 50% de seu nível anterior.

E então, mais pessoas começaram a viver sozinhas. Hoje, cerca de 60% dos moradores de Estocolmo vivem sozinhos, um padrão crescente que é observado em todo o Ocidente. No centro de Seattle, esse número agora chega a mais de 70%.

Enquanto isso, o divórcio fácil — ou “dissolução do casal”, como os suecos chamam timidamente — aumentou drasticamente em toda parte. Vários casais? Sexo fácil? Homossexualidade? Coexistência fácil e divórcio? Tudo isso inevitavelmente mina a monogamia heterossexual, o que é muito triste, precisamente porque “a monogamia é projetada para minimizar o efeito das desigualdades sexuais, para impedir que os poderosos de ambos os sexos interrompam a ordem familiar”, diz Gilder.

E assim como Gilder adverte, devido a que o processo mais crucial da civilização é “a subordinação dos impulsos sexuais masculinos e sua biologia aos horizontes de longo prazo da sexualidade feminina”, a sociedade deve ser criada para domar os homens e suas tendências bárbaras. Porque sem os objetivos reprodutivos de longo prazo das mulheres, os homens se contentariam em lutar, desfrutar de sua luxúria, vagar, guerrear, competir e lutar pelo poder, glória e domínio.

A conclusão é que, em termos de ter propósitos mais amplos e, de fato, a própria sobrevivência da civilização humana — que depende inteiramente da procriação suficiente, de uma educação bem-sucedida de crianças e de famílias fortes —, os homens em geral são sexualmente inferiores às mulheres que, devido à sua biologia, controlam a totalidade da ordem (ou desordem) sexual e procriativa da vida humana.

Apenas nesse sentido, os homens não são nem sexualmente nem moralmente iguais às mulheres, e é por isso — e este é certamente o ponto mais importante de Gilder — que “a sociedade deve tornar os homens iguais”. Isso quer dizer que o significado pessoal e bem-sucedido dos homens depende dos papéis com um propósito social que a cultura cria para eles.

Em suma, as mulheres canalizam e limitam o desejo sexual masculino generalizado, de tal maneira que elas se protegem e a seus filhos e, ao fazê-lo, ensinam os homens a subordinar seus impulsos aos ciclos de longo prazo da sexualidade e da biologia feminina, da qual a civilização sempre dependeu para sua sobrevivência.

Quando você pára para considerar profundamente os complexos requisitos físicos, emocionais e financeiros da família média, sente a seriedade desse compromisso. Requer o que a antropóloga Margaret Mead chamou de “compromisso de permanência” de cada sexo e um “acordo” alcançado entre as partes, cujos termos são fornecidos pela cultura. Estamos quebrando o acordo por nossa conta e risco, especialmente risco para nossos filhos.

William Gairdner é escritor e mora perto de Toronto. Seu último livro chama-se “A grande brecha: por que liberais e conservadores nunca estarão de acordo (2015). Seu site é WilliamGairdner.ca

O conteúdo desta matéria é de responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Epoch Times

 
Matérias Relacionadas