‘Não aos passaportes de vacinas’: protestos em massa eclodem na França após novas regras da COVID-19

Por Jack Phillips

Imagens de vídeo enviadas às redes sociais revelaram manifestantes marchando em Paris, gritando slogans contra passaportes de vacinas e outras ordens.

Houve alguns surtos de violência na cidade de Toulouse. A polícia polícia e outras forças de segurança foram vistas disparando gás lacrimogêneo contra os manifestantes. No entanto, muitos  manifestantes na cidade, localizada perto da fronteira com a Espanha, pareciam pacíficos.

Milhares de pessoas também foram vistas marchando em Nice, localizada na Riviera Francesa, e protestos ocorreram em Lille, no norte da França, segundo as imagens.

Com a tropa de choque francesa em guarda, uma multidão em grande parte pacífica marchou por Paris com faixas dizendo “Nossas liberdades estão morrendo” e “Vacina: não toque em nossos filhos”. Alguns também ficaram chateados porque o governo tornou a vacinação COVID-19 obrigatória para profissionais de saúde antes de 15 de setembro.

O Ministério do Interior disse que havia 237.000 manifestantes em todo o país, incluindo 17.000 em Paris, o que pode ser a maior manifestação até agora contra os passaportes de vacinas.

Um manifestante segura cartazes com os dizeres “Não ao passe de saúde” e “Vacina: não toque em nossas crianças” em frente às forças antimotim durante uma manifestação que faz parte de um dia nacional de protesto contra o passe de saúde obrigatório contra Covid -19 para obter acesso à grande maioria do espaço público, perto da Ponte Neuilly, no subúrbio de Neuilly-sur-Seine, no oeste de Paris, em 7 de agosto de 2021 (Foto de STEPHANE DE SAKUTIN / AFP via Getty Images)

Na semana passada, o tribunal superior da França confirmou que a maior parte da lei do “passe de saúde” aprovada no Parlamento dias antes cumpria os estatutos de fundação do país. O tribunal também concluiu que uma ordem exigindo que os profissionais de saúde recebessem a vacina COVID-19 também não violava a lei.

Um comunicado divulgado pelo governo francês em 29 de julho, menciona que os franceses devem “apresentar passe de saúde para acessar locais e eventos de lazer e cultura que concentram mais de 50 pessoas”.

A partir de 9 de agosto, os passes de saúde serão exigidos para entrar em bares, restaurantes e shopping centers, bem como para acessar viagens de longa distância de trem, ônibus ou avião.

O passe foi fortemente promovido pelo presidente francês Emmanuel Macron e pede um recente teste COVID-19 negativo ou um comprovante de vacinação completae. Macron também anunciou em meados de julho que todos os profissionais de saúde deveriam receber a vacina até 15 de setembro.

Manifestantes seguram faixas e cartazes durante um protesto nacional contra o covid-19 cartão de saúde da França em 7 de agosto de 2021 em Marselha, França (Roger Anis / Getty Images)
Manifestantes seguram faixas e cartazes durante um protesto nacional contra o covid-19 cartão de saúde da França em 7 de agosto de 2021 em Marselha, França (Roger Anis / Getty Images)

De acordo com dados do governo, aproximadamente 54% da população francesa foi totalmente vacinada contra o vírus.

Nos Estados Unidos, Nova Iorque se tornou na semana passada a primeira cidade a exigir um sistema de passaporte de vacina semelhante para os residentes entrarem em bares, restaurantes e academias.

Vários proprietários de restaurantes e lojas disseram que ficaram intrigados com a nova exigência, alguns alegando que as autoridades de Nova Iorque os estão forçando a agir como policiais para fazer cumprir a ordem. Em entrevistas à mídia, alguns proprietários de restaurantes também disseram que não está claro como eles fariam cumprir a regra.

Os sistemas de passaporte de vacinas foram criticados pela Organização Mundial da Saúde e por grupos de liberdades civis por uma série de razões, incluindo o fato de que eles poderiam criar uma sociedade de dois níveis, baseada em castas, de vacinados e não vacinados. Alguns estados liderados por republicanos decidiram bani-los em nível estadual.

“Há muitas coisas que podem dar errado com o ‘passaporte da vacina’”,  escreveu a American Civil Liberties Union, acrescentando que qualquer “credencial de vacina deve ser principalmente em papel, descentralizada e proteger a privacidade”.

Com informações da The Associated Press.

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

 

 
Matérias Relacionadas