China é o grande desafio que OTAN enfrentará na próxima década

Produtos Huawei representam riscos de segurança para a aliança da OTAN

Por Frank Fang, Epoch Times

O investimento chinês na Europa e o potencial de ameaças à segurança na região estão sob escrutínio após uma recente reunião da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), realizada na capital dos Estados Unidos.

Na reunião, o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, disse que a ascensão da China é o “grande desafio que a OTAN enfrentará na próxima década”. Ele acrescentou que isso significa que os Estados Unidos precisarão dedicar mais atenção e recursos para enfrentar o desafio.

Ele também pediu aos aliados europeus para fazerem sua parte em serem vigilantes com a China.

“Determinar como enfrentar o desafio da tecnologia 5G chinesa e enfrentar o desafio do dinheiro fácil oferecido pela Iniciativa “Um Cinturão, Uma rota” da China é um desafio que os aliados europeus devem enfrentar todos os dias”, disse Pence em 3 de abril.

Pence fez as declarações durante o evento de dois dias da OTAN Engages, em Washington, quando os ministros das nações membros se reuniram para comemorar o 70º aniversário da OTAN.

“(One Belt, One Road) Um Cinturão, Uma rota” (OBOR, também conhecido como Belt and Road) é uma iniciativa de investimento anunciada por Pequim em 2013, que visa construir rotas comerciais na Ásia, Europa e África através de projetos de infraestrutura financiados pela China.

A administração dos Estados Unidos criticou a iniciativa de colocar os países em desenvolvimento em uma “armadilha da dívida”. No Sri Lanka e nas Maldivas, por exemplo, os governos locais não puderam pagar empréstimos chineses, levando-os a distribuir o controle da infra-estrutura básica para a China. Enquanto isso, autoridades e especialistas dos Estados Unidos expressaram preocupação de que os projetos OBOR possam ser usados para fortalecer a influência militar da China ou disseminar tecnologias capazes de espionar interesses ocidentais.

Recentemente, a Itália se juntou à OBOR, assinando uma série de acordos de investimento com a China, apesar das preocupações de autoridades européias e norte-americanas, bem como de legisladores da coalizão governista da Itália.

As preocupações de Pence sobre a China, foram ecoadas em um discurso no dia 4 de abril, pelo ministro de Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, que disse: “A China é um desafio em quase todos os tópicos, e precisamos entender melhor o que isso implica para a Otan”.

5G e Huawei

Os comentários de Pence sobre a tecnologia chinesa 5G são uma referência velada à gigante chinesa de tecnologia Huawei e seus estreitos laços com Pequim.

5G é a próxima geração de tecnologia de comunicações móveis sem fio; Diz-se que tem o poder de revolucionar muitos setores devido ao aumento da velocidade da rede. Com menos de 5 GB, o download de um filme de duas horas levaria apenas 3,6 segundos, em comparação com 6 minutos em uma rede 4G e 26 horas em 3G, de acordo com a Consumer Technology Association, uma associação comercial sediada na Virgínia.

O senador norte-americano Chris Murphy (D-Conn.), em um discurso proferido no evento da Otan em 3 de abril, também levantou preocupações sobre a Huawei. “A ideia de que uma empresa tão conectada e afiliada ao governo chinês possa ligar e desligar nossos dados é algo que deve fazer com que todos nós percamos o sono”, disse ele.

Entretanto, o Centro de Excelência da Defesa Cibernética Cooperativa da OTAN (CCDCOE), uma organização militar internacional baseada na Estônia com a missão de melhorar a cooperação na defesa e partilha de informação entre membros da OTAN, emitiu recentemente um relatório sobre a ameaça à segurança pela Huawei.

“O temor continua sendo que a adoção da tecnologia 5G da Huawei introduziria uma dependência de equipamentos que podem ser controlados pelos serviços de inteligência chineses e militares em tempo de paz e crise”, alertou o relatório, acrescentando que as empresas chinesas são obrigadas por lei a cooperar com Pequim em apoio aos interesses nacionais chineses.

O relatório apontou que quaisquer riscos de segurança representados pelo uso de produtos Huawei na infraestrutura crítica dos estados-membros da OTAN, poderiam ser transferidos para a aliança da OTAN como um todo, já que este último pode usar a infraestrutura civil de uma nação anfitriã.

O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, dias antes de se tornar o primeiro chefe da OTAN a dirigir uma reunião conjunta do Congresso dos Estados Unidos, em 3 de abril, afirmou que o risco de transferência é uma questão importante em uma entrevista à revista semanal alemã Der Spiegel.

“Alguns Estados membros da OTAN, incluindo os Estados Unidos, estão muito preocupados com a criação da rede de membros da OTAN pela Huawei, e expressaram seus pontos de vista de acordo com a OTAN. Levamos essas preocupações muito a sério ”, disse ele.

Mar Negro

Uma nova iniciativa também foi anunciada pela embaixadora dos Estados Unidos na OTAN, Kay Bailey Hutchison, durante as suas coletivas de imprensa em 1º de abril e 2 de abril, chamada de “Iniciativa do Mar Negro”.

“Devemos ter certeza de que todos os países da OTAN que vivem no Mar Negro e ao redor do Mar Negro também estejam sob nossa proteção”, disse Hutchison. Ela explicou que a iniciativa provavelmente incluirá a vigilância aérea das nações da OTAN e os navios que irão para o Mar Negro para proteger os interesses da Ucrânia.

Hutchison acrescentou que a OTAN também está avaliando a presença da China na região, especialmente porque os ativos chineses têm comprado os direitos dos portos marítimos em todo o mundo.

Embora essa iniciativa tenha mais a intenção de abordar a “interferência russa”, de acordo com a Hutchison, autoridades americanas já haviam alertado sobre as atividades chinesas na região.

“A influência chinesa está se expandindo rapidamente na região do Mar Negro. Pequim usa a diplomacia dos livros de dívida para criar dependências, o que pode parecer insignificante hoje, mas acabará por se tornar uma influência muito real sobre os governos e sociedades da Europa Central ”, disse A. Wess Mitchell, secretário de Estado adjunto para assuntos europeus e euroasiáticos. em junho do ano passado.

Ele acrescentou: “As iniciativas 16 + 1 e Belt / Road visam criar alternativas à influência ocidental. Através de seu dinheiro, a China oferece aos países uma espécie de hipoteca sobre seu futuro ”.

Pequim lançou a plataforma 16 + 1, em 2012, para aumentar os investimentos econômicos em 11 estados membros europeus e cinco nações balcânicas.

Em um relatório de dezembro de 2018, o Instituto de Pesquisa de Política Externa, um centro de estudos da Filadélfia, advertiu que o objetivo final de Pequim na região do Mar Negro era colocar os países em um “eixo pró-Pequim” – uma agenda política que era mais do que apenas construir estradas e pontes.

Entre as principais conclusões do relatório, Beijing recebeu mais de 200 conferências, cúpulas e outras reuniões oficiais desde 2012, para participantes de países da Europa Central e Oriental sob a plataforma 16 + 1, para “identificar e preparar vozes pró-chinesas” dentro da comunidade política, empresarial e jornalística”.

Os interesses de Pequim no Mar Negro incluem agricultura, tecnologia da informação, aeroespaço e infraestrutura portuária.

Por exemplo, na Romênia, que é membro da OTAN, o Grupo de Energia Nuclear da China, está em conversações para construir dois reatores na Usina Nuclear de Cernavoda. Pequim também está negociando a construção de um corredor comercial ligando a China ao porto romeno de Constanta.

 
Matérias Relacionadas