Publicado em - Atualizado em 25/11/2015 às 14:55

A música que cura

Projeto Música para el Alma, organizado pelo violoncelista Jorge Bergero, leva música clássica a hospitais, escolas e asilos na Argentina, com resultados que comovem a alma

Fundação CONIN contra a desnutrição infantil, em Mendoza, Argentina, em setembro de 2013. Esta menina com paralisia cerebral entusiasmou-se com o violoncelo e começou a rir e a brincar, para a surpresa dos enfermeiros que a cuidam. Segundo eles, nunca tinham visto uma reação assim da menina (Musica para el Alma)

Fundação CONIN contra a desnutrição infantil, em Mendoza, Argentina, em setembro de 2013. Esta menina com paralisia cerebral entusiasmou-se com o violoncelo e começou a rir e a brincar, para a surpresa dos enfermeiros que a cuidam. Segundo eles, nunca tinham visto uma reação assim da menina (Musica para el Alma)

‘Música para a Alma’ é um projeto musical que nasceu depois que Jorge Bergero, violoncelista argentino e idealizador do projeto, passou por uma difícil situação em 2011. Sua esposa, María Eugenia Rubio, a quem conheceu quando tocava como flautista no Teatro Colón de Buenos Aires, morreu devido a um câncer de mama.

Antes do falecimento de María, o casal resolveu transmitir sua arte e alegria, mesmo em meio à dor e à insegurança, através da ferramenta pela qual eles eram mais apaixonados: a música.

O objetivo a que se propuseram era o de oferecer um momento de paz a quem estivesse passando por uma situação similar, e que, devido à sua condição, não teria meios de mobilizar-se para desfrutar da música, motivo pelo qual eles levariam a música aonde a pessoa estivesse.

O ano de 2011, sem dúvida, seria um divisor de águas para o casal. Durante a internação da flautista na Fundación Salud, Jorge e um grupo de dez colegas começaram a fazer concertos uma vez ao mês para os residentes do estabelecimento. Mesmo que Eugenia não pudesse tocar flauta, devido à sua condição de saúde, ela participava cantando. No final do ano, no entanto, ela morreu, depois de uma intensa luta contra a doença.

Entretanto, o projeto se manteve, e as apresentações chegaram a Escola para Crianças Cegas Santa Cecília, localizada no bairro portenho de Caballito. “O contato com as crianças foi algo inesperado, muito forte”, disse Jorge ao Epoch Times. Esse foi o grande motivo pelo qual decidiram continuar com a iniciativa.

“Uma menina cega pôde acompanhar alguns violinistas, e realmente foi como uma espécie de despertar para essa possibilidade, que levava o contato com a música a um lugar diferente do qual vínhamos fazendo profissionalmente. Dessa conexão surgiu a ideia de continuar fazendo estes tipos de concertos”, acrescenta o músico.

Leia também:
• Música de Mozart gera diversos benefícios surpreendentes
• Bananas cultivadas ao som de música clássica
• Descubra como sua música favorita afeta seu cérebro

Do terno no Teatro Colón ao nariz de palhaço no hospital

A experiência adquirida por Jorge Bergero permite que ele viva em dois mundos diferentes. Por um lado, a sua vida como um profissional com uma carreira de trinta anos “usando terno”, com pouco contato visual com as pessoas – por estar no palco -, e onde a relação com o público é mais distante.

Por outro, ele também pode desfrutar de um outro mundo: aquele em que o seu público são pacientes em leitos hospitalares – onde coloca o seu nariz de palhaço -, centro universitários ou lares de idosos. Nesse sentido, “o entusiasmo gerado é muito profundo, é uma conexão que se relaciona com uma situação de dor ou de necessidade, e na qual estão presentes cem por cento”, acrescentou.

“São experiências que ensinam muito sobre o poder da comunicação através da arte. Lembro-me que em seus últimos meses, Eugenia poderia transformar toda uma situação de muita dor física: estava com um respirador e deu algumas pinceladas, fez alguns traços com energia! Eu acho que era mais a alma do que o corpo que pintava, porque o corpo não aguentava mais “, continuou Jorge.

Então, recordou a experiência de quando tocou em um colégio de crianças deficientes auditivas. “Começamos a fazer as crianças seguirem a orquestra, e havia um menino que estava lá há pouco tempo, e todos ficaram surpresos, pois era calado, não falava com ninguém, expressava-se muito pouco e, de repente, floresceu! Ele começou a rir e a interagir; foi despertado o que estava mais profundo dentro do seu ser”.

‘Música para a Alma’ é um projeto que cresceu exponencialmente, por isso planeja consolidar-se como associação civil e continuar a proporcionar concertos para aqueles que precisam de um momento de alegria. Nos quase quatro anos, o projeto atraiu mais de mil voluntários, de músicos e fotógrafos, até aqueles que colaboram na parte de web design.

Os músicos profissionais que compõem esse projeto pertencem à Orquestra Sinfônica Nacional, Orquestra Nacional de Música Argentina Juan Dios Filiberto, Orquestra Filarmônica do Teatro Colón, Coro do Teatro Colón, Orquestra Filarmônica de Montevideo, entre muitas outras.

Dizem que a música é capaz de melhorar o corpo e a alma: esta experiência é uma prova tangível disso.

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016