Mundo precisa reprimir ‘valentões’ e ‘ditaduras’, afirma ministro da Defesa da Austrália

Dutton afirmou que a possibilidade da Rússia invadir a Ucrânia impactou o mundo inteiro

Por Caden Pearson 

O ministro da Defesa australiano, Peter Dutton, afirmou que o aumento de tanques e tropas russas ao longo da fronteira da Ucrânia com a Rússia está encorajando “valentões e outras ditaduras” a fazer o mesmo, alertando que milhares podem morrer se ocorrer uma invasão.

Dutton e a ministra das Relações Exteriores, Marise Payne, estão se reunindo com o secretário de Defesa do Reino Unido, Ben Wallace, e a secretária de Relações Exteriores, Liz Truss, para conversas do AUKMIN focadas em cooperação, segurança e cooperação tecnológica em meio à crescente tensão geopolítica na Europa Oriental e de Pequim no Indo-Pacífico.

Falando ao Seven’s Sunrise, Dutton afirmou que a possibilidade da Rússia invadir a Ucrânia impactou o mundo inteiro.

“Quando você vê a Rússia agir da maneira que age, encoraja outros valentões e outras ditaduras a fazerem o mesmo. Particularmente se não houver resistência do resto do mundo”, declarou Dutton, acrescentando que os líderes europeus estão agindo para neutralizar a Rússia.

Ministro da Defesa australiano, Peter Dutton, se pronuncia em uma entrevista coletiva em Washington, no dia 16 de setembro de 2021 (Andrew Harnik/Pool/AFP via Getty Images)
Ministro da Defesa australiano, Peter Dutton, se pronuncia em uma entrevista coletiva em Washington, no dia 16 de setembro de 2021 (Andrew Harnik/Pool/AFP via Getty Images)

Dutton afirmou que o Reino Unido está trabalhando com a OTAN e a comunidade europeia.

“Porque milhares de pessoas vão morrer e essa não é uma circunstância que alguém queira ver prevalecer. Portanto, o aumento das tropas russas é incrivelmente preocupante”, declarou ele.

Um funcionário da embaixada da Ucrânia afirmou que o ministro das Relações Exteriores de seu país conversou com Payne por telefone, no dia 19 de janeiro, sobre a situação de segurança ao longo da fronteira da Ucrânia com a Rússia.

“Eles também discutiram os esforços dos parceiros ucranianos para elaborar um pacote abrangente de medidas para impedir a Rússia de novas agressões”, afirmou o encarregado de negócios, Volodymyr Shalkivskyi, ao Epoch Times na sexta-feira.

“Isso inclui apoio político, sanções contra a Rússia e assistência de segurança. Dada a experiência bem-sucedida em fornecer assistência de segurança cibernética australiana à Ucrânia em 2021, autoridades de ambos os países discutirão as possibilidades disponíveis para fortalecer as capacidades cibernéticas de defesa na Ucrânia”, declarou ele.

O Departamento de Relações Exteriores e Comércio da Austrália e o Departamento de Defesa não responderam imediatamente a um pedido de comentário.

Na quarta-feira, o ministro das Relações Exteriores da Austrália anunciou que o país havia concordado com uma Parceria de Tecnologia Cibernética e Crítica com o Reino Unido, que faria com que ambas as nações intensificassem a cooperação para combater agentes cibernéticos “malignos”.

“A Austrália está comprometida em trabalhar com parceiros como o Reino Unido para desafiar atores malignos que utilizam a tecnologia para minar a liberdade e a democracia”, afirmou Payne em um comunicado.

“Trabalharemos com aliados para manter um ambiente de internet aberto, livre, pacífico e seguro, consistente com a lei internacional e que maximize as oportunidades de crescimento econômico.”

Ministra das Relações Exteriores da Austrália, Marise Payne, se pronuncia durante uma entrevista coletiva com o ministro da Defesa australiano, Peter Dutton, o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, e o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, no Departamento de Estado em Washington, DC no dia 16 de setembro de 2021 (Andrew Harnik / POOL / AFP via Getty Images)
Ministra das Relações Exteriores da Austrália, Marise Payne, se pronuncia durante uma entrevista coletiva com o ministro da Defesa australiano, Peter Dutton, o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, e o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, no Departamento de Estado em Washington, DC no dia 16 de setembro de 2021 (Andrew Harnik / POOL / AFP via Getty Images)

Uma das primeiras iniciativas da nova parceria será aumentar a dissuasão de atividades cibernéticas maliciosas, aumentando os custos para “atividades de estados hostis no ciberespaço” por meio da coordenação estratégica de regimes de sanções cibernéticas, de acordo com o comunicado.

Isso ocorre no momento em que a Austrália continua fortalecendo os laços de segurança com países de mentalidade semelhante diante da crescente ameaça da China no Indo-Pacífico e da ansiedade contínua de uma invasão de Taiwan.

Entre seus esforços estava o AUKUS, um pacto de segurança com os Estados Unidos e o Reino Unido, que compartilhará a tecnologia de submarinos nucleares com a Austrália.

Dutton declarou que o Reino Unido e os Estados Unidos são os “amigos mais importantes do mundo” da Austrália.

“Se pudermos reunir amigos fortes, acho que deteremos agressores e pessoas que possam tentar prejudicar nosso país no futuro”, afirmou ele. “Então o Reino Unido é uma família, como sabemos, e eles são um parceiro confiável. Lutamos ao lado deles por gerações. E nosso país, acho que é mais bem servido por esse relacionamento se aprofundando, o que acontecerá a partir de agora”.

Victoria Kelly-Clark contribuiu para este artigo.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas