Modelo chinês se revela em Xangai

Xangai está sofrendo semanas de lockdown, escassez de alimentos e quarentena extrema de pessoas saudáveis

Por Jeffrey A. Tucker

Comentário

No final da Guerra Fria, a teoria do fim da história era que todos os países do mundo que desejassem prosperidade e progresso teriam necessariamente que abraçar tanto a liberdade econômica quanto a democracia. Você não pode ter um sem o outro, dizia a teoria. Era inevitável.

O mundo esperou que a China fosse na direção do Leste Europeu e tantos outros países.

Isso não aconteceu. Apesar das reformas econômicas liberalizantes, o PCCh manteve um rígido controle político nas décadas seguintes. No entanto, sua economia cresceu e cresceu. Isso deu origem a uma nova teoria: talvez os países mais bem-sucedidos promovam o liberalismo econômico enquanto asseguram um controle político rígido, dispensando assim as ineficiências da democracia.

A China parecia estar com tudo.

Agora temos evidências do que há de errado, com um estado de partido único e com um poderoso chefe executivo. Funciona até não funcionar. O que parou de funcionar na China não poderia ser esperado anos atrás. O Partido Comunista Chinês (PCCh) acreditava ter resolvido o problema dos patógenos por meio de violações massivas da liberdade humana.

Hoje, o povo de Xangai está sofrendo semanas de lockdown, escassez de alimentos e quarentena extrema de pessoas saudáveis, tudo com interesse de erradicar um vírus que o resto do mundo finalmente percebeu que deve se tornar endêmico. Até Fauci está admitindo isso agora (após dois anos pedindo mais restrições).

Mas e na China? As crianças estão sendo tiradas dos pais, os animais de estimação de pessoas com teste positivo estão sendo baleados, as pessoas estão gritando dos arranha-céus e a comida está apodrecendo nos armazéns, mesmo quando as pessoas relatam estar morrendo de fome. Há vídeos online de lojas sendo saqueadas. No ar, fala-se de revolução.

Nunca se esqueça: a China foi o berço dos lockdowns. O chefe da Organização Mundial da Saúde elogiou os lockdowns no início de 2020 em Wuhan. Em uma carta datada de janeiro de 2020, a OMS parabenizou a China e instou o país a “reforçar as medidas de saúde pública para conter o atual surto”. O diretor-geral, Tedros Adhanom Ghebreyesus, ressaltou ainda mais o ponto com um tweet, escrevendo: “De muitas maneiras, a China está realmente estabelecendo um novo padrão para resposta a surtos”.

Neil Ferguson, do Imperial College, também. “É um estado comunista de partido único, dissemos. Não podíamos sair impunes na Europa, pensamos… e então a Itália conseguiu. E percebemos que podíamos”. E assim a China se tornou um modelo para o mundo: Wuhan, norte da Itália, Estados Unidos, Reino Unido e, em seguida, todos, exceto um punhado de países do mundo, seguiram o paradigma de lockdowns.

Até hoje, Xi Jinping certamente se deleita com o calor desse elogio brilhante. Ele colocou as proezas políticas da China em exibição para o mundo. Enquanto escrevo, o Yahoo reporta sobre Xangai:

“O presidente da China, Xi Jinping, enalteceu a estratégia ‘testada’ de zero Covid do país na sexta-feira, mesmo quando as autoridades de Xangai prepararam quase 130.000 leitos para pacientes da COVID-19 em meio ao aumento de casos e à crescente raiva pública”.

Podemos apenas intuir o que está acontecendo aqui. Para Xi, os lockdowns foram seu maior triunfo. Eles pareciam funcionar há dois anos. Ele ganhou aplausos em todo o mundo, e o mundo seguiu seu modelo. Talvez isso tenha enchido ele e o PCCh com uma sensação de orgulho e confiança incríveis. Eles fizeram isso corretamente, e o resto do mundo copiou a ideia sem a colocar em prática tão perfeitamente quanto a China.

Eventualmente, os governos podem se convencer de sua própria propaganda. Parece que foi isso que aconteceu aqui. Essa ilusão impediu Xi e o Partido de observar o que deveria ser óbvio para qualquer pessoa com um mínimo de conhecimento sobre vírus como este: em uma sociedade e mercado em funcionamento, ele se espalhará não importa o quê. Como Vinay Prasad nos lembrou, todos terão COVID. E por esse caminho, finalmente vamos além da pandemia.

O que aconteceu agora na China é tão previsível quanto o fracasso da política  “zero-COVID” na Austrália e na Nova Zelândia.

Isso significa que os casos estão longe de parar na China. Eles se espalharão para cada cidade, cada cidade, cada campo até que um grande número de 1,4 bilhão seja exposto. Isso pode significar lockdowns contínuos nos próximos anos, juntamente com todos os danos e instabilidade política que são necessariamente acarretados. Isso certamente terá um impacto profundo no crescimento econômico e possivelmente na credibilidade do próprio PCCh.

O PCCh cometeu um erro profundo. A maioria dos lugares do mundo o fez. Os Estados Unidos não eram terríveis no nível de Xangai, mas isso é uma questão de grau, porque a teoria foi testada aqui também. Nas democracias políticas, políticos e burocratas tentaram principalmente suavizar seus erros grosseiros enquanto fabricavam desculpas para reabrir sem desculpas. Muitos querem que todos apenas esqueçam todo esse desastre.

Isso vai acontecer na China? O problema é a incrível centralidade dos lockdowns nas conquistas percebidas da China nos últimos dois anos. Enquanto houver pessoas poderosas em Pequim que genuinamente acreditam que o lockdown é o caminho a seguir – e nenhum partido de oposição em vigor para adotar um ponto de vista diferente – isso provavelmente continuará, levantando questões fascinantes sobre o futuro político e econômico deste país.

A combinação mágica de liberdade política e econômica acabou não sendo o fim da história. Mas a ditadura ao estilo da China também não é o fim, simplesmente porque não contém nenhum mecanismo operacional para a correção de erros flagrantes. O que salvou os Estados Unidos do terror do confinamento foi o pluralismo político e o federalismo; A China não institucionalizou nenhum dos dois. Assim, o erro intelectual leva a resultados notoriamente imorais.

Os bloqueios não são uma solução para a disseminação patogênica, ao contrário das garantias da OMS ou de cientistas famosos no Reino Unido ou nos Estados Unidos. Quando os governos do mundo tentaram provar sua competência declarando guerra à biologia celular, eles finalmente encontraram seu adversário. Não importa quão poderoso seja um estado, há forças da natureza que sempre o superam.

Do Brownstone Institute

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas