Missão da NASA encontra novos planetas e estrelas mais promissoras para suporte à vida

TESS está examinando uma área no céu que é 400 vezes maior do que a observada por Kepler, incluindo 200.000 das mais brilhantes estrelas próximas

Por Wire Service Content

A missão TESS da NASA, de caça aos planetas, vem inspecionando o céu desde julho, mas já está fazendo descobertas incríveis.

Em janeiro, três descobertas de exoplanetas foram conectadas às observações iniciais da TESS. Agora, os dados coletados pela TESS determinaram um novo planeta do tamanho de Saturno.

TOI (TESS Objeto de Interesse) 197.01 é considerado um “Saturno quente”. É similar em tamanho a esse planeta e orbita sua estrela hospedeira a uma distância próxima, circulando a cada 14 dias, o que cria uma alta temperatura na superfície no planeta. O planeta é descrito em um artigo que será publicado no The Astronomical Journal.

Asterossismologistas descobriram o planeta estudando ondas sísmicas chamadas starquakes em estrelas, onde o brilho parece mudar. Os astrônomos podem determinar a idade da estrela, bem como sua massa e raio. Combinar esses dados com outras observações revela as propriedades dos exoplanetas que orbitam essas estrelas hospedeiras.

O exoplaneta é um gigante gasoso com um raio nove vezes maior do que a Terra e cerca de 60 vezes a massa da Terra. A estrela-mãe tem 5 bilhões de anos e é um pouco mais pesada e maior que o nosso sol.

“Este é o primeiro balde de água da mangueira de incêndio que estamos recebendo da TESS”, disse Steve Kawaler, coautor do estudo e professor de física e astronomia da Iowa State University, em um comunicado. “O interessante é que o TESS é o único programa do tipo há um tempo e os dados são tão bons que planejamos tentar fazer ciência sobre a qual não pensamos. Talvez possamos também olhar para as estrelas muito fracas – as anãs brancas – que são o meu primeiro amor e representam o futuro do nosso sistema solar e sol. ”

O Transiting Exoplanet Survey Satellite foi lançado em abril, para pegar o bastão de caça aos planetas do telescópio espacial Kepler, no final da missão histórica.

A TESS está examinando uma área no céu que é 400 vezes maior do que a observada por Kepler, incluindo 200.000 das mais brilhantes estrelas próximas. Ao longo de dois anos, as quatro câmeras de campo a bordo irão olhar para diferentes setores do céu por dias a fio. Isso permitirá aos cientistas pesquisar quase todo o céu.

Esta semana, uma equipe de astrônomos identificou uma lista das estrelas mais promissoras para apoiar planetas na zona habitável, chamada TESS Habitable Zone Star Catalog, publicado no Astrophysical Journal Letters.

O catálogo inclui 1.822 estrelas que a TESS pôde observar onde planetas ligeiramente maiores que a Terra existiriam na zona habitável de sua estrela. A zona habitável, chamada de zona de Cachinhos Dourados, é quando as condições são quentes o suficiente para permitir a existência de água líquida na superfície do planeta. E a água líquida é a base da vida como a conhecemos.

“A vida pode existir em todos os tipos de mundo, mas o tipo que conhecemos e que pode sustentar a vida é o nosso, então faz sentido procurar primeiro planetas como a Terra”, disse Lisa Kaltenegger, autora principal e membro da equipe da TESS Science, da Cornell University, em um comunicado. “Este catálogo é importante para o TESS, porque quem trabalha com os dados quer saber em torno de quais estrelas podemos encontrar os análogos da Terra mais próximos”.

E 408 estrelas podem apoiar planetas do tamanho da Terra que recebem uma quantidade similar de radiação que recebemos do sol.

“Eu tenho 408 novas estrelas favoritas”, disse Kaltenegger. “É incrível que eu não tenha que escolher apenas um; agora posso pesquisar centenas de estrelas.”

Há também um subconjunto de 227 estrelas no catálogo em que a TESS pode realizar uma pesquisa mais ampla de planetas mais frios, semelhantes ao planeta Marte, para fornecer uma gama maior de mundos no universo.

“Não sabemos quantos planetas a TESS encontrará em torno das centenas de estrelas em nosso catálogo ou se eles serão habitáveis”, disse Kaltenegger. “Mas as chances estão a nosso favor. Alguns estudos indicam que existem muitos planetas rochosos na zona habitável de estrelas frias, como as do nosso catálogo. Estamos felizes em ver que mundos encontraremos. ”

A TESS procurará exoplanetas usando o método de trânsito, observando pequenas quedas no brilho das estrelas à medida que os planetas passam na frente delas. Estrelas brilhantes permitem um acompanhamento mais fácil através dos telescópios terrestres e espaciais.

A NASA espera que o TESS permita a catalogação de mais de 1.500 exoplanetas, mas tem o potencial de encontrar milhares. Destes, as autoridades antecipam, 300 serão exoplanetas do tamanho da Terra ou super-Terras com o dobro do tamanho. Esses planetas poderiam ser os melhores candidatos para apoiar a vida fora do nosso sistema solar. Como a Terra, eles são pequenos, rochosos e geralmente dentro das zonas habitáveis de suas estrelas, o que significa que a água líquida pode existir na superfície.

A TESS é considerada uma “ponte para o futuro”, encontrando candidatos a exoplanetas para estudar com mais detalhes.

Estes exoplanetas serão estudados para que a NASA possa determinar os melhores alvos para missões como o Telescópio Espacial James Webb. Esse telescópio, lançado em 2021, seria capaz de caracterizar os detalhes e as atmosferas dos exoplanetas de maneiras que os cientistas não foram capazes de fazer.

2019 CNN Trademark

 
Matérias Relacionadas