Mercado de ações aquece após trégua tarifária comercial

Trump concordou em suspender os planos de aumentar as tarifas depois que a China concordou em comprar rapidamente uma quantidade significativa de produtos americanos

Por Reuters

As ações americanas subiram depois que os Estados Unidos e a China concordaram com uma trégua de 90 dias em sua disputa comercial, proporcionando um aumento de 400 pontos na abertura da Dow Jones em 3 de dezembro.

Os mercados globais tiveram um impulso, com ações mundiais subindo quase 1% após a cúpula do G-20. Um acordo foi alcançado entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o líder chinês Xi Jinping, para adiar um aumento nas tarifas de comércio que permitirão mais tempo para suavizar a disputa de longa data.

Trump concordou em suspender os planos de aumentar as tarifas depois que a China concordou em comprar rapidamente uma quantidade significativa de produtos americanos, incluindo produtos agrícolas, de energia, industriais e outros, para reduzir o déficit comercial norte-americano com a China.

A China começará a comprar produtos agrícolas de agricultores dos Estados Unidos imediatamente.

“Os agricultores serão um beneficiário muito grande e rápido do nosso acordo com a China. Eles pretendem começar a comprar produtos agrícolas imediatamente. Nós fazemos o melhor e mais limpo produto do mundo e é isso que a China quer. Agricultores, eu te amo!” disse Trump em seu Twitter em 3 de dezembro de 2018.

Os dois lados também concordaram em conversar nos próximos 90 dias para resolver questões de preocupação levantadas pelos Estados Unidos com relação à proteção da propriedade intelectual, barreiras comerciais não-tarifárias e roubo cibernético.

Embora a trégua tenha o potencial de estabilizar os mercados até o final do ano, as duas maiores economias do mundo ainda precisam elaborar um acordo comercial duradouro.

A Dow Jones Industrial Average subiu 287,97 pontos, ou 1,13%, para 25.826,43, o S & P 500 subiu 30,2 pontos, ou 1,09%, para 2.790,37, e a Nasdaq Composite acrescentou 110,98 pontos, ou 1,51%, para 7.441,51.

Corretores fazem uma pausa para um momento de silêncio no pregão da Bolsa de Nova York (NYSE) em memória do ex-presidente George H.W. Bush em N.Y. em 3 de dezembro de 2018 (Spencer Platt / Getty Images)
Corretores fazem uma pausa para um momento de silêncio no pregão da Bolsa de Nova York (NYSE) em memória do ex-presidente George H.W. Bush em N.Y. em 3 de dezembro de 2018 (Spencer Platt / Getty Images)

Os ganhos nas empresas de tecnologia ajudaram a elevar o mercado. A fabricante de chips AMD subiu 9,3%.

As ações de energia também subiram com os preços do petróleo que se elevaram mais de 5%. Os futuros do petróleo bruto dos Estados Unidos fecharam em US$ 52,95 por barril, um aumento de 3,97%. Os futuros do petróleo Brent fixaram-se em US$ 61,69 por barril, com alta de 3,75%.

O ouro atingiu seu nível mais alto em um mês e os metais industriais e outras commodities, como o algodão, também se valorizaram.

A Casa Branca disse que as tarifas atuais de 10% sobre bens chineses, de US$ 200 bilhões, serão aumentadas para 25% se nenhum acordo for alcançado dentro dos 90 dias.

Jeremy Sandberg contribuiu para este relatório.

 
Matérias Relacionadas