Membro do conselho da Pfizer sugere fim de máscaras e decretos de vacinação

Gottlieb afirmou que 'muito da amargura' decorre da falta de 'objetivos claros' sobre quando algumas das medidas terminarão

Por Jack Phillips 

Dr. Scott Gottlieb, ex-diretor da Food and Drug Administration (FDA) e atual membro do conselho da Pfizer, afirmou que o declínio da COVID-19 deve sinalizar aos formuladores de políticas que é hora de suspender mais restrições relacionadas à pandemia.

“Acho que certamente na costa leste, onde você vê os casos diminuindo drasticamente, precisamos estar dispostos a nos inclinar e fazer isso muito em breve, acho que, à medida que as condições melhorarem, devemos estar dispostos a relaxar algumas dessas medidas com a mesma velocidade que as colocamos no lugar”, relatou ele ao “The Squawk Box” em uma entrevista na segunda-feira, quando questionado se os decretos de máscaras deveriam acabar.  

Gottlieb afirmou que “muito da amargura” nos Estados Unidos decorre da falta de “objetivos claros” sobre quando algumas das medidas terminarão.

O ex-comissário da FDA também citou a recente decisão do governo de Connecticut de rescindir os decretos de vacinação para funcionários do estado como uma política que outros formuladores de políticas devem adotar em um futuro próximo, à medida que os casos da COVID-19 diminuem em todo o país.

“A única maneira de obter a conformidade das pessoas e acomodação [é] se demonstrarmos a capacidade de retirar esses [decretos] da mesma maneira que os colocamos”, acrescentou Gottlieb.

O pedido para que as restrições da COVID-19 sejam retiradas ocorre junto com a diminuição acentuada na taxa geral de infecção nos Estados Unidos, nos últimos dias. Dados do Our World in Data demonstram que 4.110 em cada um milhão de americanos registraram infecções no dia 10 de janeiro, mas essa taxa foi para 2.643 até sexta-feira e caiu para 615 por milhão, no domingo.

Fora dos Estados Unidos, cada vez mais países europeus rescindiram certas regras relacionadas a COVID-19, incluindo passaportes de vacinação e decretos de máscaras. Por exemplo, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, afirmou que, a partir de 27 de janeiro, as pessoas na Inglaterra não precisarão usar máscaras em público ou apresentar provas de que foram vacinadas para entrar em alguns locais.

Mas na segunda-feira, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, alertou que mais variantes da COVID-19 podem surgir e alegou que é perigoso assumir que a Ômicron é a última variante ou que “estamos no final do jogo”.

“Existem diferentes cenários de como a pandemia pode se desenrolar e como a fase aguda pode terminar”, afirmou Tedros em uma reunião do conselho da OMS. “Pelo contrário, globalmente, as condições são ideais para que mais variantes surjam”. Ele não forneceu provas ou dados para sustentar sua afirmação.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas