Médicos realizam a primeira terapia ultra-sônica do mundo para tratar a doença de Alzheimer

Por Li Yen, Epoch Times

A cada 66 segundos, alguém nos Estados Unidos é diagnosticado com a doença de Alzheimer – a sexta principal causa de morte no país. Judi Polak, de Morgantown, provavelmente imaginou o que aconteceria com ela quando ela foi diagnosticada com Alzheimer em estado inicial, em 2014.

“Esquecimento, palavras perdidas, coisas que eu conhecia muito bem”, disse Polak, ex-enfermeira da unidade de terapia intensiva neonatal, à KDKA.

Falando à WVNews, ela disse: “Levou um tempo para que eu pudesse lidar com isso. Foi difícil dizer que eu tenho Alzheimer”.

“I will not be someone who will sit around and mope about myself. I wanted to be in the clinical trial and fight for…

Posted by WVU Magazine on Thursday, May 30, 2019

Infelizmente, o Alzheimer é a única doença nas “10 principais causas de mortes” nos Estados Unidos que não podem ser curadas, prevenidas ou retardadas, de acordo com Alzheimers.net.

“Não há realmente nada que corrija isso”, disse ela, aos 61 anos, sobre a doença neurológica degenerativa que rouba suas memórias, bem como sua capacidade de realizar tarefas cotidianas. “Vai piorar com o tempo.”

“Para Alzheimer, não há muitos tratamentos disponíveis, apesar de centenas de ensaios clínicos nas últimas duas décadas e bilhões de dólares gastos”, disse o Dr. Ali R. Rezai, presidente executivo do Rockefeller Neuroscience Institute da West Virginia University.

“Tem havido muitos procedimentos, muitos ensaios para a doença de Alzheimer e, infelizmente, muitos falharam”, disse Rezai em entrevista à WBOY-TV.

Congratulations to the team at WVU Rockefeller Neuroscience Institute!

Posted by WVU Medicine on Wednesday, January 2, 2019

No entanto, ainda há um vislumbre de esperança. Então, Polak aproveitou a chance de se envolver no primeiro teste experimental do mundo para tratar pacientes com Alzheimer em estágio inicial liderado pelo Dr. Rezai e uma equipe de médicos do instituto.

A equipe realizou com sucesso procedimentos utilizando ultrassom focado para tratar Polak, que estava deitada em uma máquina de ressonância magnética usando um capacete especial por três horas em cada sessão. “Eles também têm um pequeno halo que eles colocam na cabeça, que permite que ela seja imobilizada, para que possamos atingir o hipocampo com precisão e segurança”, explicou Rezai.

“Isso requer uma enorme experiência, requer equipamentos sofisticados”, disse o neurocirurgião, aludindo ao estudo inovador que foi feito em colaboração com a INSIGHTEC, uma empresa israelense de tecnologia médica.

The procedure, the world's first of its kind, was performed yesterday by a WVU team led by neurosurgeon Ali Rezai, M.D….

Posted by WVU Medicine on Wednesday, October 17, 2018

A arma para combater a doença – ultrassonografia guiada por ressonância magnética – penetrou no capacete de Polak e forneceu ondas de energia altamente focadas para atingir o hipocampo – um componente importante do cérebro que desempenha um papel importante na consolidação de informações que variam da memória de curto a de longo prazo.

Ao mesmo tempo, micro-bolhas foram injetadas na corrente sanguínea de Polak e através de vasos próximos ao hipocampo. “Quando você acopla essas ondas de ultrassom no cérebro com uma injeção, daquelas que chamamos de micro bolhas, essas micro bolhas começam a oscilar e elas abrem a barreira hematoencefálica”, disse Rezai.

A barreira hematoencefálica é um escudo protetor que mantém substâncias nocivas, como toxinas ou drogas, fora do cérebro. Mas também prende componentes ruins como placas, que são agregados pegajosos de proteína – características da doença de Alzheimer.

O ultra-som fez com que a barreira hematoencefálica se abrisse para um registro de 36 horas. “Foi aberto mais do que esperavam”, disse o marido de Polak, Mark Polak. “Eles estavam, na verdade, ambos empolgados e assustados. A equipe estava em êxtase”.

 
Matérias Relacionadas