Médica de Wuhan que alertou os colegas sobre o vírus do PCC desaparece

A cirurgiã de emergência revelou este mês que ela foi a "informante" que deu um relatório de diagnóstico do vírus a seu colega Li Wenliang

Por Isabel Van Brugen

Uma médica de Wuhan que afirmou ter alertado colegas de sua região pela primeira vez sobre o surto do vírus PCC desapareceu poucas semanas depois de criticar publicamente o regime chinês pelo encobrimento e má gestão do que agora se tornou uma pandemia global, informou uma reportagem de 31 de março do programa ‘60 Minutes Australia‘.

Ai Fen, chefe de emergência do Hospital Central de Wuhan, está desaparecida há dias, segundo o relatório. Seu desaparecimento ocorre apenas duas semanas depois que ela disse que as autoridades impediram que ela e seus colegas avisassem o mundo sobre o vírus do PCC (Partido Comunista Chinês), mais conhecido como novo coronavírus.

“Agora ela desapareceu, seu paradeiro é desconhecido”, informou o principal programa de investigação em meio a temores de que a médica tivesse sido presa por falar.

A cirurgiã de emergência revelou este mês que ela foi a “informante” que deu um relatório de diagnóstico do vírus a seu colega Li Wenliang, oftalmologista de 34 anos, que foi uma das primeiras pessoas a postar informações sobre o surto em Wuhan.

“Sete casos ‘parecidos com SARS’ foram confirmados no mercado de frutos do mar de Huanan”, escreveu Li em 30 de dezembro de 2019 no aplicativo chinês de mídia social WeChat, em um grupo de bate-papo com centenas de seus ex-colegas da escola de medicina, anexando uma captura de tela de um relatório de diagnóstico. Li revelou a informação um dia antes das autoridades de saúde de Wuhan reconhecerem que havia um surto misterioso de pneumonia viral.

Apesar de ter lembrado Li para não “propagar externamente” a mensagem, as capturas de tela da conversa mostrando seu nome completo proliferaram na Internet muito rapidamente. Em 3 de janeiro, a polícia o repreendeu junto com outros sete profissionais médicos por espalhar “rumores” na Internet. O comunicado da polícia dizia que ele havia infringido a lei.

Dias depois, Li contraiu o vírus enquanto operava em um paciente assintomático com glaucoma e morreu em 7 de fevereiro.

Antes de seu suposto desaparecimento, Ai disse que a polícia não a perseguiu, mas que recebeu um “aviso sem precedentes e muito severo” de seus superiores.

“Muitas e muitas vezes pensam como seria bom se pudéssemos voltar o relógio”, disse ela à revista chinesa Portrait, acrescentando que se arrependeu de não ter dito a mais médicos sobre o perigo.

“Se eu soubesse como as coisas seriam agora, independentemente de me criticarem ou não, eu a espalharia por toda parte”, disse ela. “Alguém tem que se levantar e dizer a verdade … tem que haver vozes diferentes neste mundo, certo?”

Logo após a exibição do 60 Minutes Australia, uma postagem criptografada foi postada na conta Weibo de Ai, a primeira desde 16 de março, quando uma mensagem postada dizia que ela estava no trabalho, como de costume, informou a Radio Ásia livre.

A mensagem misteriosa deste domingo mostrava uma fotografia tirada na rodovia Jianghan em Wuhan e uma legenda dizendo: “Um rio. Uma ponte. Uma estrada. Uma campainha de relógio”.

O Epoch Times não conseguiu verificar independentemente o desaparecimento ou o paradeiro de Ai, no entanto, vários cidadãos – incluindo jornalistas residentes, acadêmicos e empresários – foram ameaçados e reprimidos pelo regime por tentar revelar a situação real da epidemia do Vírus do PCC que se originou em Wuhan.

O representante dos EUA no Indiana, o republicano Jim Banks, disse em uma carta datada de terça-feira que pediu ao Departamento de Estado dos EUA para pressionar a China a investigar o paradeiro dos jornalistas chineses Fang Bin, Chen Qiushi e Li Zehua, que desapareceram depois de capturar e publicar imagens e vídeos que revelaram o real impacto do vírus do PCC.

Os bancos disseram ao Epoch Times na semana passada que o regime de Pequim deveria pagar um “preço severo” por cobrir a pandemia mortal do PCC.

“Temos que responsabilizar a China e fazê-la pagar”, disse ele no programa American Thought Leaders do Epoch Times.

Cathy He e Eva Fu contribuíram para esta reportagem.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas