McConnell critica a política energética de Biden, chamando-a de um ‘novo acordo verde fragmentado’

Por Mimi Nguyen Ly

O líder da minoria no Senado, Mitch McConnell, Criticou duramente as ações do governo Biden na política energética na quinta-feira, chamando-o de “um novo acordo verde fragmentado”.

McConnell disse durante uma sessão do Senado na quinta-feira que as ações do governo Biden até agora possuem “a receita errada”, incluindo a decisão de revogar a autorização para o gasoduto Keystone, a decisão de voltar a aderir ao Acordo do Clima de Paris e outras ações tomadas  abordando as mudanças climáticas.

“Não há nada de verde em um tsunami de demissões de trabalhadores americanos ou no transporte de petróleo canadense em caminhões e trens em vez de um oleoduto”, disse McConnell. “Este novo acordo verde fragmentado é a receita errada. Errado para o meio ambiente, errado para a segurança nacional. E, acima de tudo, para os trabalhadores americanos que em breve serão ex-trabalhadores americanos se isso continuar”.

“China, Rússia e nossos outros concorrentes devem estar encantados, absolutamente encantados, que nosso novo governo esteja essencialmente declarando guerra a algumas de nossas próprias fundações econômicas para satisfazer o desejo por gestos simbólicos”, acrescentou McConnell.

“Colocando voluntariamente nosso próprio povo no desemprego, reduzindo nossa segurança energética nacional, aumentando os custos e preços para as famílias trabalhadoras, tudo sem nenhum impacto significativo nas temperaturas globais.”

O senador republicano elogiou as políticas da administração Trump, dizendo: “Os últimos quatro anos mostram que aumentar nossa prosperidade, reduzir emissões e expandir a energia nacional não estão realmente em conflito: podemos alcançar todos os três.”

A Casa Branca não respondeu a um pedido de comentário.

Oleoduto Keystone XL

McConnell disse que a decisão de Biden de revogar o oleoduto Keystone XL permite um “enorme revés para a segurança energética na América do Norte”. O ex-presidente Donald Trump havia permitido a conclusão do gasoduto em 2017.

Um líder canadense chamou na semana passada a decisão de Biden de interromper a conclusão do sistema de gasodutos no Canadá e nos Estados Unidos como um “golpe no estômago”, disse McConnell. “Imagino que os 11.000 trabalhadores americanos, incluindo 8.000 trabalhadores sindicalizados que tinham aquele emprego, pensem da mesma forma”, acrescentou ele, dizendo que Biden “efetivamente bateu a porta para milhares de empregos americanos”.

A ordem executiva de Biden que suspendeu a construção do gasoduto disse que, em 2015, o Departamento de Estado e o ex-presidente Barack Obama “determinaram que a aprovação do projeto do gasoduto Keystone XL não atenderia aos interesses nacionais dos Estados Unidos”.

A mesma análise dizia que o país “deve priorizar o desenvolvimento de uma economia de energia limpa, que por sua vez irá criar bons empregos”. Ele também disse que o oleoduto teria impacto limitado na segurança energética da América, e que a aprovação do oleoduto “prejudicaria a liderança climática da América ao minar a credibilidade e a influência em instar outros países a tomarem medidas climáticas ambiciosas”.

Acordo climático de Paris

Por outro lado, McConnell disse que a decisão de Biden de voltar a aderir ao Acordo Climático de Paris em 20 de janeiro só trará “sérias dores” aos americanos.

“Reintroduzimos um pacto internacional que teria infligido muita dor às famílias trabalhadoras, pois não conseguiu conter as emissões da China e sem ele as nossas emissões teriam diminuído de qualquer maneira”, disse ele.

John Kerry, ex-secretário de Estado no governo Obama-Biden e agora o principal conselheiro de Biden em política ambiental, “admitiu ontem que mesmo se os Estados Unidos de alguma forma reduzissem suas emissões de carbono a zero, isso não faria uma grande diferença no panorama global”, Observou McConnell. “Isso porque nossos concorrentes, incluindo a China, já nos ultrapassaram”.

Os Estados Unidos abandonaram formalmente o acordo sobre o clima em 4 de novembro de 2020. O presidente Donald Trump anunciou pela primeira vez em 2017 sua intenção de se retirar do Acordo de Paris sobre o Clima, chamando a estrutura das Nações Unidas para tratar as mudanças climáticas como “um desastre total” para a economia americana que foi tolerante demais com a China comunista e suas emissões de gases de efeito estufa.

Trabalhadores chineses vão trabalhar enquanto a fumaça sobe de uma usina termoelétrica a carvão em Shanxi, China, em 25 de novembro de 2015 Kevin Frayer / Getty Images)
Trabalhadores chineses vão trabalhar enquanto a fumaça sobe de uma usina termoelétrica a carvão em Shanxi, China, em 25 de novembro de 2015 (Kevin Frayer / Getty Images)

A China se tornou o maior emissor mundial de gases de efeito estufa, respondendo por 26,8% do total. Tanto a China quanto a Índia, que contribuem com 7 por cento, se comprometeram no pacto internacional para reduzir a intensidade de suas emissões em relação ao PIB até 2030. Isso significa que suas emissões continuarão a aumentar na próxima década devido ao crescimento econômico e também não ajudarão a reduzir as emissões globais em 50 por cento até 2030, de acordo com o Fundo Ecológico Universal.

Em 2035, a participação da América no negócio custaria uma família média de US$ 20.000 e o PIB nacional de US$ 2,5 trilhões, bem como uma perda global de quase 400.000 empregos, metade deles na indústria, de acordo com um relatório de 2019 publicado pela Heritage Foundation. Os Estados Unidos contribuem com 13,1% das emissões globais de gases de efeito estufa.

Proibição da exploração de petróleo e gás em terras públicas

McConnell também questionou a decisão de Biden na quarta-feira de interromper a exploração de petróleo e gás natural em terras públicas.

“Ontem, o governo suspendeu o desenvolvimento da energia nacional nas enormes extensões de terra que pertencem ao governo federal”, disse o senador na quinta-feira. “Não haverá novos arrendamentos de petróleo, gás ou carvão em terras federais”.

“Nosso uso responsável dessas terras representa mais de um quinto, um quinto de nossa produção nacional, cerca de 2,8 milhões de barris por dia. Isso é quase o equivalente à produção diária de petróleo do Kuwait apenas em nossas terras federais. A isso devemos somar 10 [por cento] do gás natural nacional ”, disse.

Mas “algumas elites de esquerda” não estão “felizes” com o fato de os Estados Unidos em 2019, pela primeira vez desde os anos 1950, terem superávit de energia e suas exportações excederem as importações, disse ele.

“As fontes dessa energia nacional acessível não são tendências o suficiente”, disse McConnell. “Como John Kerry explicou ontem em nome do governo, ele quer que o grande número de trabalhadores americanos [que trabalham] nesses setores encontre ‘melhores opções’ . Opções melhores do que seus bons empregos para cuidar de suas famílias e fortalecer nossa independência? ”perguntou ele.

O Enviado Especial Presidencial para o Clima, John Kerry, fala durante uma entrevista coletiva na Casa Branca em Washington em 27 de janeiro de 2021 (Drew Angerer / Getty Images)
O Enviado Especial Presidencial para o Clima, John Kerry, fala durante uma entrevista coletiva na Casa Branca em Washington em 27 de janeiro de 2021 (Drew Angerer / Getty Images)

Kerry disse na quarta-feira que Biden quer garantir que os trabalhadores da indústria de energia “tenham melhores opções” em empregos que “paguem melhor” e sejam “mais limpos”, citando como exemplo um técnico em energia solar em vez de um minerador.

Kerry também afirmou que a ideia de que “cuidar do clima” custa aos trabalhadores do setor de energia é falsa. Ele acrescentou que há “muito dinheiro a ser ganho” na criação de novos empregos “mais saudáveis” em setores como o hidrogênio verde, geotérmico e outras energias renováveis.

McConnell observou na quinta-feira que um estudo (pdf) da consultoria de energia OnLocation concluiu que uma proibição de arrendamento e exploração em terras e águas federais significaria a perda de quase um milhão de empregos até 2022.

“Um milhão de empregos perdidos no próximo ano. É uma forma muito boa de começar uma presidência: dispensas massivas de nossos próprios cidadãos”, destacou.

McConnell disse que os estados que têm grande parte de sua produção de petróleo e gás natural vinculada a terras federais sofrerão perdas significativas de empregos no próximo ano, com estimativas sugerindo que pelo menos 16.000 empregos estão em jogo no Novo México e 3.000 no Colorado, caso Biden persista com a  proibição federal.

McConnell acrescentou: “Os trabalhadores americanos de outras indústrias também vão pagar”.

Quatro democratas da Câmara do Texas se uniram para instar Biden a rescindir sua ordem , alegando que ela causará perdas de empregos, reduzirá a receita orçamentária, prejudicará a independência energética da América e “prejudicará uma comunidade que já sofre”.

De acordo com o estudo, a decisão federal das terras pode fazer com que as famílias americanas gastem um total de US$ 19 bilhões a mais em energia até 2030.

Siga Mimi no Twitter: @MimiNguyenLy 

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas