Mães de Hong Kong marcham em apoio aos manifestantes estudantis

Por Reuters

HONG KONG – Milhares de mães marcharam em Hong Kong, em 5 de julho, para apoiar estudantes que tomaram as ruas nas últimas semanas para protestar contra uma lei de extradição que permitiria o envio de pessoas à China continental para julgamento.

A diretora executiva de Hong Kong, Carrie Lam, pediu para se encontrar com estudantes na cidade controlada pela China enquanto tenta evitar a pressão depois de um mês de protestos contra uma proposta de lei que mergulhou a cidade em tumulto.

Milhares de mães de Hong Kong marcharam para mostrar seu apoio aos jovens manifestantes pró-democracia da cidade em Hong Kong, China, em 5 de julho de 2019 (Thomas Peter / Reuters)

Manifestantes invadiram a legislatura de Hong Kong em 1º de julho, data do 22º aniversário do retorno da antiga colônia britânica à China. Seguindo demonstrações em massa no mês passado contra a lei de extradição de Lam.

Lam, apoiada por Pequim, suspendeu a lei, mas os manifestantes exigem uma retirada total.

“Os jovens já fizeram muito por nós. Devemos pelo menos nos manifestar uma vez por eles. Estou tão angustiada por eles. Mesmo que pareçam um pouco violentos … eles não machucaram ninguém”, disse Carina Wan, 40 anos, professora da escola primária na marcha das mães.

“Aqueles que nos ferem são o governo. Se eles não libertarem os jovens, continuaremos a manifestação.”

As pessoas participam de uma manifestação de mães de Hong Kong para mostrar seu apoio aos jovens manifestantes pró-democracia da cidade em Hong Kong, China, em 5 de julho de 2019 (Thomas Peter / Reuters)

Os organizadores estimaram que 8.000 mães participaram da marcha, enquanto a polícia citou apenas 1.300.

Em um comunicado enviado por e-mail, uma porta-voz de Lam disse em 4 de julho que “recentemente começou a convidar jovens de diferentes origens para uma reunião, incluindo estudantes universitários e jovens que participaram de protestos recentes”.

O sindicato estudantil da Universidade de Ciência e Tecnologia de Hong Kong (HKUST), uma das oito principais instituições de ensino superior, recusou a oferta, dizendo que Lam havia solicitado uma reunião a portas fechadas.

Os estudantes se acorrentam enquanto protestam para exigir que as autoridades retirem uma proposta de lei de extradição com a China, em Hong Kong, China, em 8 de junho de 2019 (Tyrone Siu / Reuters)

“O diálogo deve estar aberto a todos os cidadãos de Hong Kong para participar e permitir que todos tenham o direito de falar”, disse o sindicato em um comunicado publicado no Facebook.

A porta-voz de Lam disse que a reunião será realizada “de maneira de pequena escala e a portas fechadas” para assegurar uma “profunda e franca troca de opiniões”.

Um líder do Sindicato de Estudantes da Universidade de Hong Kong, Jordan Pang, disse que só concordaria se o governo prometesse não investigar os manifestantes envolvidos nos protestos.

“Não entendemos por que ela não respondeu abertamente às demandas das pessoas, mas prefere fazê-lo por meio de uma reunião a portas fechadas”, disse Pang.

“Queremos perguntar se o governo deseja sinceramente se comunicar com os jovens ou se é apenas mais um programa político de RP”.

A Ordem dos Advogados de Hong Kong (HKBA) renovou os pedidos para o governo criar um inquérito independente para investigar os eventos em 12 de junho, quando a polícia disparou balas de borracha e gás lacrimogêneo contra os manifestantes e também em 1º de julho, quando os manifestantes invadiram o parlamento.

HONG KONG-CHINA-Protest
Polícia lança gás lacrimogêneo contra manifestantes perto da sede do governo em Hong Kong no dia 2 de julho de 2019 (Anthony Wallace / AFP / Getty Images)

“O HKBA pede ao governo que responda de maneira sincera às demandas da comunidade expressas de maneira tão enfática nas últimas semanas”, afirmou. “A recusa em se envolver com o público em questões importantes e prementes é prejudicial ao Estado de direito.”

Hong Kong retornou à China sob a fórmula de “um país, dois sistemas” que permite aos seus cidadãos gozarem liberdades inexistentes na China continental, incluindo a liberdade de protestar e um judiciário independente muito estimado.

Mas muitos se ressentem do que consideram uma crescente interferência do continente e a erosão dessas liberdades. Pequim nega essas acusações.

Os estudantes repetiram as chamadas da oposição nas últimas semanas pela retirada do projeto de lei de extradição, pela demição de Lam e por uma investigação sobre as queixas de brutalidade policial.

Eles também pediram que Lam parasse de rotular os manifestantes de “desordeiros” e introduzisse o sufrágio universal genuíno.

Estudantes da Universidade Chinesa de Hong Kong, outra das oito instituições de ensino superior da cidade, também foram convidados a conhecer Lam, mas não decidiram como responder, disse uma fonte do sindicato estudantil.

Por Noah Sin e Vimvam Tong

 
Matérias Relacionadas