Líder do ISIS é visto pela primeira vez em 5 anos

Por Jack Phillips

Abu Bakr al-Baghdadi, líder do grupo terrorista ISIS, em grande parte dizimado, ainda está vivo. Ele fez uma aparição em um vídeo sentado ao lado de um rifle.

O vídeo foi publicado pela agência de propaganda do grupo terrorista al-Furqan, via mídia social, de acordo com DW.com.

É a primeira vez que ele aparece na câmera em cinco anos, no entanto, não está claro onde ou quando o vídeo foi filmado.

Em um ponto, al-Baghdadi é ouvido elogiando os terroristas do Sri Lanka.

Ele também fez referência à luta por Baghouz, que terminou em março de 2019, informou a Al Arabiya. A derrota em Baghouz significa que o ISIS não controla mais nenhum território físico.

“A batalha por Baghouz acabou”, disse ele enquanto se dirigia a três homens. Seus rostos ficaram embaçados no vídeo.

A última vez que ele foi visto diante das câmeras foi em julho de 2014, quando ele foi visto fazendo uma palestra em uma mesquita no Iraque, durante sua primeira aparição pública.

Em 2017, autoridades russas alegaram ter matado o líder terrorista recluso, mas a alegação foi rejeitada pelos Estados Unidos. Um clipe de áudio que continha sua voz refutou ainda mais a afirmação.

Al-Baghdadi assumiu o ISIS em 2010, após o assassinato de Abu Omar al-Baghdadi, que liderou a organização terrorista.

De acordo com a Fox News, al-Baghdadi sofre de diabetes, pressão alta, e ele sofreu ferimentos de um ataque aéreo anos atrás.

Os Estados Unidos estão oferecendo US$ 25 milhões por informações que levem à sua captura.

O Independent informou que seu paradeiro atual não é conhecido, e acredita-se que ele tenha se escondido em algum lugar na Síria ou no Iraque nas regiões desérticas.

Cristianismo cresce no antigo Estado do ISIS

Uma comunidade de sírios que se converteu do islamismo ao cristianismo está crescendo em Kobani, uma cidade sitiada pelo ISIS há meses, e onde a maré virou contra os terroristas há quatro anos, informou a Reuters.

Os convertidos dizem que a experiência da guerra e o ataque de um grupo que reivindica lutar pelo Islã os empurrou para a nova fé. Depois que várias famílias se converteram, a primeira igreja evangélica da cidade fronteiriça sírio-turca foi inaugurada no ano passado.

O cristianismo é uma das minorias religiosas da região que foi perseguida pelo ISIS.

al-Holm refugee camp
Uma visão geral do campo de refugiados de al-Hol é vista no nordeste da Síria em 17 de fevereiro de 2019. (Bulent Kilic / AFP / Getty Images)

“Depois da guerra com o Estado Islâmico, as pessoas estavam procurando o caminho certo e se distanciando do Islã”, disse Omar Firas, fundador da igreja evangélica de Kobani. “As pessoas ficaram assustadas e se sentiram perdidas”.

A Reuters contribuiu para esta reportagem.

 
Matérias Relacionadas