Japão faz ‘preparativos’ após China enviar caças para espaço aéreo de Taiwan

Japão tem algum interesse em um possível conflito mais amplo, já que o PCC reivindicou as vizinhas Ilhas Senkaku, controladas pelo Japão, como suas

Por Jack Phillips

O Ministério das Relações Exteriores do Japão avisou na terça-feira que fará os preparativos necessários para apoiar Taiwan se o regime chinês persistir em intimidar militarmente a ilha.

Quando questionado por um repórter como o governo do Japão vê os voos recordes de Pequim ao espaço aéreo taiwanês nas últimas semanas, o ministro das Relações Exteriores japonês, Motegi Toshimitsu, disse que deseja que as tensões militares “sejam resolvidas pacificamente entre as duas partes por meio de conversas diretas”.

“Além disso, em vez de apenas monitorar a situação, esperamos pesar os diferentes cenários possíveis que podem surgir para considerar quais opções temos, bem como os preparativos que devemos fazer”, acrescentou em entrevista coletiva.

O ministro da Defesa japonês, Kishi Nobuo, pareceu retratar as declarações de Motegi em comentários à mídia na terça-feira, reiterando que Tóquio quer que Taiwan e o Partido Comunista Chinês (PCC) resolvam suas disputas através do diálogo.

“A posição do Japão é que esperamos que a questão de Taiwan seja resolvida por meio do diálogo direto entre as partes envolvidas”, disse Kishi a repórteres.

O Japão tem algum interesse em um possível conflito mais amplo, já que o PCC reivindicou as vizinhas Ilhas Senkaku, controladas pelo Japão, como suas. Taiwan é facilmente acessível a partir da pequena cadeia de ilhas.

De acordo com autoridades japonesas, os navios militares chineses se aventuraram em águas territoriais japonesas, ou a 12 milhas náuticas de terras japonesas, cerca de 88 vezes entre 1º de janeiro e agosto deste ano.

Enquanto o regime chinês enviava dezenas de caças à zona de identificação aérea de Taiwan no fim de semana, o Japão participava de um de seus maiores exercícios navais na costa de Okinawa, que abriga milhares de soldados americanos. Porta-aviões dos EUA e do Reino Unido participaram, bem como navios de superfície da Holanda, Canadá e Nova Zelândia.

Biden fez “uma forte declaração sobre o compromisso dos Estados Unidos com a defesa do Japão, incluindo (…) Senkaku”, disse Kishida à AP , acrescentando que os dois líderes também reafirmaram que enfrentarão juntos os “desafios enfrentados pelas regiões vizinhas como a China e a Coreia do Norte”.

Tóquio e Washington têm um tratado de defesa mútua, o que significa que os Estados Unidos são obrigados a defender o território japonês de acordo com a lei.

Kishida havia dito anteriormente que adquirir a habilidade de atacar bases inimigas era uma opção viável e que ele nomearia um assessor para supervisionar o tratamento do PCC à sua minoria uigur, que alguns chamam de genocídio.

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 
Matérias Relacionadas