Investimento de Elon Musk no Twitter é uma vitória à liberdade de expressão, diz investidor

Conservadores esperam que Musk use sua influência para restaurar a liberdade de expressão no Twitter

Por Emel Akan 

O CEO da Tesla e da SpaceX, Elon Musk, ganhou manchetes esta semana ao se tornar o maior acionista individual do Twitter e ingressar no seu conselho administrativo. Os conservadores esperam que Musk use sua influência significativa para restaurar a liberdade de expressão no Twitter e possivelmente reativar a conta do ex-presidente Donald Trump.

Retirar a proibição da página do Twitter de Trump será “um teste decisivo para a mudança” na plataforma de mídia social, segundo Bill Flaig, que administra um fundo de investimento que investe em empresas que apóiam valores conservadores.

“Eu diria que as duas empresas que são as mais detestadas entre os conservadores são as empresas de mídia social, Facebook e Twitter”, declarou ele ao Epoch Times. “O Twitter é uma espécie de pára-raios para a comunidade conservadora”.

Em 4 de abril, documentos revelaram que Musk havia adquirido uma participação de 9,2% na empresa de mídia social, pagando cerca de US $2,89 bilhões. Musk, que é um usuário frequente do Twitter, recentemente criticou a plataforma e suas regras.

O logotipo do Twitter aparece acima de um posto de negociação no pregão da Bolsa de Valores de Nova Iorque, em 29 de novembro de 2021 (Richard Drew/AP Photo)
O logotipo do Twitter aparece acima de um posto de negociação no pregão da Bolsa de Valores de Nova Iorque, em 29 de novembro de 2021 (Richard Drew/AP Photo)

Nas últimas semanas, Musk acusou o Twitter de “não aderir aos princípios de liberdade de expressão” e anunciou que estava pensando seriamente em construir uma nova plataforma de mídia social.

O investimento de Musk no Twitter é “um desenvolvimento muito positivo”, segundo Flaig.

Como uma das principais partes interessadas, Musk agora pode mudar ou influenciar diretamente a equipe de gerenciamento, observou Flaig. Além disso, a proeminência pública de Musk significa que ele pode ter mais influência na administração do que um grande acionista comum.

O fundo de Flaig, o American Conservative Values ​​ETF (NYSE: ACVF), que tem US $35 milhões em ativos sob gestão, concentra-se em ações de grande capitalização dos EUA. O fundo afirma que atualmente está boicotando 27 empresas, que pressionam pela agenda “Woke”, e o Twitter está entre essas empresas boicotadas.

“Eu não compraria ainda, mas estamos reavaliando totalmente nossa posição no Twitter”, disse Flaig. “A cultura da empresa ainda precisa mudar”.

Em resposta a uma pergunta sobre a proibição de Trump, um porta-voz do Twitter disse ao The Mercury News em 5 de abril que “nossas decisões políticas não são determinadas pelo conselho ou acionistas e não temos planos de reverter nenhuma decisão política”.

No mês passado, Musk fez uma pesquisa com seus 80 milhões de seguidores no Twitter, perguntando se a plataforma aderiu aos princípios de liberdade de expressão. Ele recebeu 2 milhões de votos, com mais de 70% dos que responderam, votando não.

Musk assumiu a participação no Twitter não apenas para aumentar a liberdade de expressão, de acordo com Flaig. A maioria dos investidores ativistas entra em uma empresa acreditando que há um valor que eles podem desbloquear fazendo mudanças na estratégia ou gestão de negócios, observou ele.

“Então, em última análise, acho que esse também é o ângulo dele”, disse o gestor. “Também acho que ele está planejando ganhar algum dinheiro”.

As ações do Twitter subiram quase 30 por cento nesta semana, depois que o bilionário se tornou o principal acionista.

O Vanguard Group, Morgan Stanley, BlackRock e State Street estão entre os maiores acionistas do Twitter depois de Musk.

Michael Arone, diretor de investimentos da State Street, disse à Fox Business que espera que o novo acionista ajude o Twitter a seguir na direção certa, tanto em termos de liberdade de expressão quanto de lucratividade.

“Musk pode tentar influenciar a abertura da plataforma e como ela controla o conteúdo ou pressionar para investir no modelo de assinatura de forma mais agressiva”, escreveu Ali Mogharabi, analista sênior de ações da Morningstar, em uma nota recente.

Musk disse que a plataforma limita a liberdade de expressão, principalmente desde que Parag Agrawal substituiu Jack Dorsey como CEO.

“Musk já indicou que não concorda com a nomeação de Agrawal e que deseja algumas mudanças. Isso cria um pouco mais de incerteza sobre como Agrawal e a empresa podem responder ao novo maior acionista da empresa”, escreveu Mogharabi.

“Ao mesmo tempo, essas notícias continuarão chamando a atenção e possivelmente aumentando os usuários e seu engajamento na plataforma, atraindo mais dólares em anúncios.”

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas