Internautas chineses e especialistas em laboratório suspeitam que o laboratório Wuhan P4 seja a fonte do coronavírus

"Alguns animais de laboratório foram vendidos para mercados como animais capturados com fins lucrativos”

Por Olivia Li

Quando virologistas e médicos especialistas de todo o mundo discutiram a natureza suspeita do novo coronavírus e apontaram o laboratório P4 de Wuhan como uma provável fonte, internautas da China estavam assistindo. Um estudioso chinês recentemente desafiou o laboratório P4 de Wuhan a explicar como as proteínas do novo coronavírus parecem ter sido projetadas com precisão para permitir que o vírus se ligue às células humanas. Ele também divulgou práticas antiéticas e não profissionais que ele havia observado anteriormente nos laboratórios de pesquisas biológicas da China.

De acordo com o Yangtze Daily, com sede em Wuhan, Shi Zhengli, vice-diretora do laboratório P4 de Wuhan, divulgou uma declaração em 2 de fevereiro, dizendo: “Prometo com minha vida que o novo coronavírus de 2019 não tem nada a ver com o nosso laboratório. Este vírus é uma punição imposta à humanidade pela natureza, para condenar o modo de vida não civilizado da humanidade. Aqueles de vocês que acreditam em boatos ou na chamada análise científica de pesquisadores não qualificados, aconselho que calem a boca!”

A declaração de Shi irritou muitos internautas chineses. “Diante uma calamidade tão grande que pode levar inúmeras vidas, nos dê fatos e evidências, e não declarações pretensiosas como pagar com sua própria vida”, comentou um internauta.

Um usuário de mídia social chamado Wu Xiaohua, com um Ph.D. em campos biológicos relacionados, de acordo com seu perfil no WeChat, desafiou Shi a responder perguntas importantes sobre as mutações genéticas suspeitas encontradas no novo vírus.

Wu apontou que não há como essas mutações serem o resultado da recombinação natural.

“Agora, muitos cientistas, incluindo a própria Shi, acreditam que esse vírus deve ter se originado de morcegos e envolveriam um ou dois hospedeiros de vírus para explicar as mutações genéticas. Com base nas publicações científicas atuais, o vírus deve pular de ratos para primatas antes que possa infectar seres humanos. Então, como esse passo – de ratos a primatas – geralmente é alcançado? Isso só pode ser feito em um laboratório de pesquisa por cientistas inserindo uma certa proteína de primatas em ratos”, escreveu Wu.

“Eu pessoalmente realizei o mesmo tipo de experimentos de engenharia genética. Você não pode fugir e ser negligente. Você se atreve a aceitar o desafio e nos dar uma explicação? ”Perguntou ele.

Wu também divulgou que alguns biolabs na China são muito pouco regulamentados.

Epoch Times Photo
Postagem de Wu no WeChat

“Por exemplo, alguns pesquisadores desses laboratórios mantiveram os cães de laboratório como animais de estimação; alguns descartam carcaças de animais casualmente porque seguir as regras de biossegurança e criá-las custa muito dinheiro. Alguns cortaram os porcos do laboratório e levaram a carne para casa para comer. Sei que isso aconteceu no laboratório de cirurgia de coluna vertebral do Hospital 301 de Pequim. O pior de tudo é que alguns animais de laboratório foram vendidos para mercados úmidos como animais capturados com fins lucrativos”, escreveu ele.

Xu Bo, um conhecido magnata e bilionário de TI na China, citou relatórios e artigos para apoiar as declarações de Wu.

Em seu blog, Xu citou uma reportagem sobre um processo contra o biólogo Li Ning.

Li é acadêmico da China Engineering Academy e ex-professor da China Agricultural University. O julgamento no caso de Li, lançado em 2 de janeiro deste ano, afirmou que entre 2008 e 2012, o laboratório de Li vendeu porcos, vacas e leite experimentais para mercados locais. Esses animais e produtos animais foram comprados usando fundos de pesquisa; mas Li e seus colegas embolsaram o dinheiro, um total de 10.179.201 yuan (1.460.304 dólares), com a venda desses animais e produtos de origem animal.

Li foi condenado a 12 anos de prisão por peculato.

De acordo com um relatório de 2016 da China Experimental Animal Information Network, pesquisadores chineses usam dezenas de milhões de animais de laboratório todos os anos. Somente o Centro de Pesquisa Experimental em Animais da Província de Hubei lida com cerca de 300.000 animais por ano, seja para experiências de pesquisa prévia dentro do centro, seja para ser vendido e distribuído para outros laboratórios na Província de Hubei.

Xu e muitos outros internautas chineses dizem suspeitar que o novo coronavírus é um vírus geneticamente modificado que de alguma forma escapou do laboratório Wuhan P4 Biosafety.

Um laboratório P4 lida com patógenos de biossegurança nível 4, o nível mais alto e mais perigoso, com altas taxas de mortalidade e sem tratamentos conhecidos, como o vírus ebola e SARS. Esse laboratório deve seguir os mais altos padrões de segurança microbiológica para garantir a segurança dos pesquisadores e do público.

O laboratório P4 em Wuhan não é apenas o primeiro do gênero na China, mas também o primeiro na Ásia. Quando foi inaugurado em 2017, os cientistas dos EUA expressaram preocupação de que, considerando a estrutura administrativa opaca da China, se um desses vírus assassinos “escapasse” do laboratório, poderia causar um desastre do dia do juízo final.

 
Matérias Relacionadas