Insurgentes do Boko Haram em fuga perto do Lago Chade

Força-tarefa de 10.000 homens dispersou tanto o grupo Boko Haram quanto o Estado Islâmico

Por Nalova Akua 

Os militares nigerianos estão reivindicando uma vitória sobre os insurgentes jihadistas na área do Lago Chade após uma operação de três semanas em dezembro que derrubou 22 terroristas.

Durante a Operação Sharan Fague, que significa “Varredura” em Hausa, a Força Multinacional Conjunta (MNJTF) de 10.000 homens dispersou insurgentes tanto do grupo Boko Haram quanto de seu rival mais forte, o Estado Islâmico da África Ocidental (ISWAP). Ambos os grupos reivindicam lealdade ao Estado Islâmico do Iraque e da Síria (ISIS). A força-tarefa para esta operação incluiu tropas do exército nigeriano e militares da República do Níger.

“Taticamente, as células ISWAP e os grupos ligados à facção Bakoura do ex-grupo Boko Haram JAS operam predominantemente ao longo das fronteiras do Níger e da Nigéria”, afirmou David Otto, diretor de contraterrorismo do Centro de Segurança Africana de Genebra e Estudos Estratégicos ao Epoch Times.

Desde a morte por suicídio no dia 24 de maio do principal líder do Boko Haram, as forças do ISWAP pressionaram os remanescentes do Boko Haram a se filiarem a eles. Centenas de pessoas se renderam aos militares nigerianos, enquanto dezenas se mudaram para os estados do noroeste da Nigéria.

“Com a atual rivalidade e luta interna entre essas facções por território, qualquer operação conjunta aérea e terrestre liderada pelo MNJTF poderia desestabilizar ainda mais a capacidade operacional dos jihadistas”, segundo Otto. “As operações são oportunas”, acrescentou.

Um porta-voz da força conjunta declarou ao Epoch Times que a operação provavelmente sinaliza um ponto de virada na guerra de 11 anos com o Boko Haram.

A operação de três semanas que terminou no dia 21 de dezembro de 2021, causou baixas em ambos os lados.

“Durante esta operação, 22 terroristas do Boko Haram foram neutralizados, cinco de seus caminhões de armas destruídos, 5 motocicletas e vários bunkers logísticos foram destruídos enquanto 8 fuzis AK47 foram recuperados”, Coronel Muhammad Dole, Chefe de Informação Pública Militar do MNJTF relatou ao Epoch Times do quartel-general da força em N’Djamena, em Chade.

“Lamentavelmente, seis membros da JTF (dois oficiais e quatro outras patentes) de ambos os países pagaram o sacrifício supremo no cumprimento do dever com cerca de 16 feridos em ação”, afirmou ele ao Epoch Times. Dezessete Boko Haram suspeitos foram presos e estão sendo interrogados.

Foto fornecida pela Força-Tarefa Conjunta Multinacional na região do Lago Chade mostra 17 terroristas do Boko Haram detidos (MNJTF) 
Foto fornecida pela Força-Tarefa Conjunta Multinacional na região do Lago Chade mostra 17 terroristas do Boko Haram detidos (MNJTF)

A força multinacional afirma que recebeu “apoio maciço” de meios aéreos e equipamentos de vigilância – permitindo-lhe limpar com sucesso os esconderijos inimigos dentro e ao redor do corredor que liga a Nigéria e o Níger à margem do lago.

“As tropas encontraram forte resistência dos terroristas, que lançaram vários ataques de morteiros, colocaram dispositivos explosivos improvisados ​​(IEDs) ao longo da rota de avanço das tropas e outros ataques com dispositivos explosivos improvisados ​​transportados por veículos (VBIEDs)”, afirmou o coronel Dole ao Epoch Times.

“No entanto, as tropas trouxeram poder de fogo superior para os insurgentes, forçando-os a abandonar seus enclaves”, declarou.

A região ao redor do Lago Chade – um vasto lago cercado pela Nigéria, Níger, Camarões e Chade – tem sido um reduto de jihadistas ligados ao Boko Haram e ao Estado Islâmico por uma década.

A Força-Tarefa Conjunta Multinacional é um esforço dos estados da bacia do Lago Chade – Camarões, Chade, Níger e Nigéria – mais Benin, para reunir recursos contra os jihadistas que ameaçam todos os quatro países. O MNJTF está sob a liderança política da Comissão da Bacia do Lago Chade e é mandatado pelo Conselho de Paz e Segurança da União Africana. A força conjunta realizou operações periódicas, muitas vezes envolvendo tropas de um país lutando no país vizinho.

A última operação criou segurança adequada para a República do Níger comemorar, no dia 18 de dezembro, sua fundação há 63 anos, a primeira celebração desse tipo em anos, de acordo com o comunicado de imprensa da força conjunta.

O Comandante da Força, major-general Abdul Khalifah Ibrahim, visitou a sede do MNJTF em Diffa, em Níger, no dia 29 de dezembro, durante a qual elogiou a “exibição incomum de profissionalismo e coragem galante” por parte das tropas que levaram a luta para os esconderijos dos criminosos.

 Em uma foto fornecida pela Força-Tarefa Conjunta Multinacional na região do Lago Chade, o comandante da força, major-general Abdul Khalifah Ibrahim, prestou homenagem aos seis soldados do MNJTF que morreram no cumprimento do dever, a quem ele descreveu como mártires da liberdade, no dia 29 de dezembro de 2021 (MNJTF)

Em uma foto fornecida pela Força-Tarefa Conjunta Multinacional na região do Lago Chade, o comandante da força, major-general Abdul Khalifah Ibrahim, prestou homenagem aos seis soldados do MNJTF que morreram no cumprimento do dever, a quem ele descreveu como mártires da liberdade, no dia 29 de dezembro de 2021 (MNJTF)

“Ele prometeu mobilizar mais equipamentos e outros capacitores operacionais para os setores”, afirmou o coronel Dole ao Epoch Times.

“Ele disse que muito ainda precisa ser feito, mas este foi um bom ponto de partida. Ele declarou 2022 como um ano de decisão para o MNJTF, pois prometeu desarraigar os criminosos de seus esconderijos no lago.”

O enclave do Lago Chade ao longo da fronteira Nigéria-Níger é o coração da base operacional do Boko Haram/ISWAP e o deslocamento de jihadistas ao longo dessa fronteira porosa é fundamental para eliminar a insurgência, de acordo com Otto.

“As operações do Boko Haram podem ser comparadas ao câncer agudo, infelizmente um grupo jihadista muito adaptável – eles espalharam seus tentáculos online, nas cidades e nos arbustos”, afirmou Otto.

“Eles estão em toda parte, mas não aparecem em nenhum lugar”, declarou ele ao Epoch Times.

Ele afirma que o momento da “Operação Sharan Fague” foi “estratégico”, uma vez que o Boko Haram e o Estado Islâmico na Província da África Ocidental (ISWAP) atualmente estão desequilibrados e foram reduzidos a uma mera sombra de si mesmos em comparação com anos anteriores.

O movimento sectário islâmico, Boko Haram, foi fundado em 2002 no nordeste da Nigéria. Desde 2009, o grupo realiza atos de violência em larga escala. Estudos mostram que o Boko Haram matou mais civis desarmados do que o Estado Islâmico no Iraque e na Síria juntos.

A erradicação completa dos jihadistas na região do Lago Chade exigirá que o MNJTF embarque em uma combinação estruturada de parceria genuína e compartilhamento oportuno de inteligência, relatou Otto ao Epoch Times.

“Atirar em um terrorista sem matar a fome e a ignorância que leva homens e mulheres a se juntarem não vai acabar com a insurgência tão cedo”, declarou Otto.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas