Iniciativa Um Cinturão, Um Rota da China leva à pandemia global

Nações que fecham os olhos para o PCC e suas atrocidades por ganhos econômicos colherão o que plantam

Por James Gorrie

Lembrando as antigas rotas comerciais da Rota da Seda do Império Mongol que ligavam a Ásia à Europa, a iniciativa Um Cinturão, Uma Rota (OBOR, também conhecida como One Belt, One Road) refaziam essas rotas históricas com resultados históricos imprevistos. Assim como os governantes mongóis do século 13, a liderança do PCC esperava que a OBOR os ajudasse a realizar suas maiores ambições de estender a influência comercial e política em toda a Ásia e Europa.

E, segundo a maioria das estimativas, com seus enormes níveis de investimento estrangeiro direto, a OBOR certamente poderia ter dado à China uma oportunidade de ir ainda mais longe. Estenderia a hegemonia econômica e política de Pequim por toda a Europa Ocidental e também para a África e as Américas.

Pela primeira vez na história, a China se viu se tornando o centro de influência do comércio, tecnologia e manufatura globais. Mas é claro que o grande esquema de Pequim deve mudar o centro de gravidade econômico global dos Estados Unidos e instalá-lo na China.

Pandemia Trazida ao Mundo pela OBOR

Mas, em vez de desenvolvimento econômico e triunfo político global, os grandes planos do regime chinês trouxeram um desastre potencial para o mundo inteiro.

Até o momento em que este artigo foi escrito, o COVID-19, altamente contagioso e mortal, continua a se espalhar para novos países. De fato, está sendo comparado à propagação da peste negra em meados dos anos 1300.

Os paralelos históricos entre os dois são surpreendentes, para dizer o mínimo.

Por exemplo, como a pandemia da peste negra, o coronavírus também começou na China. Além disso, como a Praga, esse novo e mortal patógeno viajou para o oeste, seguindo de perto a trilha da China BRI através do Irã (Pérsia) e para a Europa através de portos italianos.

Baixas taxas de infecção nos vizinhos da China

E, como na peste, o comércio com a China é um fator importante, embora certamente não seja o único. Alguns países com laços econômicos ou estratégicos estreitos com Pequim foram os que mais sofreram. Por outro lado, alguns parceiros comerciais próximos conseguiram evitar altas taxas de infecção e fatalidade.

Por exemplo, o Japão e a Coreia do Sul mantêm relações comerciais profundas com a China. No entanto, o Japão, com muitas fábricas localizadas na China, em 11 de março, registra menos de 500 infectados. E em 10 de março, embora a Coreia do Sul tenha relatado 7.513 casos, a taxa de infecção está caindo pelo quarto dia consecutivo sem quarentena na cidade.

Mais notáveis, no entanto, são Taiwan e Hong Kong. Ambos são firmemente anticomunistas e estão próximos da China. E, no entanto, em 11 de março, Taiwan tem uma das menores taxas de infecção do mundo, registrando menos de 50 casos.

Isso se deve em grande parte à ação rápida do governo de Taiwan. Essas etapas incluíram uma proibição de viagens na China, Hong Kong e Macau, uma proibição de exportação de máscaras cirúrgicas para manter um suprimento nacional e uma coordenação rápida de dados de viagem e saúde para identificar rapidamente possíveis transportadoras.

É uma situação semelhante em Hong Kong. Em 6 de março, havia apenas 97 pessoas infectadas e duas mortes, mesmo estando na porta da China.

Sem dúvida, a antipatia em curso da cidade em relação ao governo comunista da China limitou as viagens para lá e para cá, o que, por sua vez, minimizou a exposição. Mas a experiência de Hong Kong com o surto de SARS em 2002 também é um fator-chave. Higiene escrupulosa e máscaras faciais fazem muito mais parte da vida de Hong Kong do que em outros lugares.

Irã é atingido com força pelo vírus

Por outro lado, a irmandade política e o comércio provaram ser o caminho de transmissão mais eficaz para o vírus. No Oriente Médio, o relacionamento estratégico do Irã com a China significou aumento da exposição à doença e, portanto, maiores taxas de infecção e fatalidade.

Com centenas de trabalhadores chineses no Irã, o impacto da pandemia atingiu o topo da liderança do Irã, com pelo menos 23 membros do Parlamento – 10% dos legisladores do Irã – infectados.

Outros membros da liderança do Irã que morreram da doença incluem Mohammad Mirmohammadi, um confidente e conselheiro do líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei. O clérigo Hadi Khosrowshahi, ex-embaixador do Irã no Vaticano, também morreu, além de um membro recentemente eleito do Parlamento.

Entre os membros infectados da liderança do Irã estão Iraj Harirchi, vice-ministro da Saúde, e Masoumeh Ebtekar, vice-presidente de assuntos femininos e familiares,  e Mojtaba Zolnour, presidente do comitê de segurança nacional e relações exteriores do Parlamento iraniano. A liderança do Irã continua pagando um preço alto por viajar com o PCC.

Itália é mais uma vez o ponto de entrada na Europa

Na Europa, a Itália é outro exemplo de resultados semelhantes, mas por várias razões. Como membro do Grupo dos Sete da Europa (G-7), a Itália viu o investimento estrangeiro direto da China como fonte de uma atualização de infraestrutura necessária. Sua economia foi sobrecarregada pelo envelhecimento da população, pelos níveis de dívida astronômica e paralisada pela divisão política.

Por essas razões, a Itália levou o G-7 da Europa a adotar o investimento proposto pelo OBOR da China em portos e infraestrutura em Gênova e em outros lugares, incondicionalmente.

Alguns, no entanto, consideram o status de membro da OBOR da Itália e o resultante influxo de cidadãos chineses como a causa da exposição e o alto nível de taxas de infecção e morte fora da China. Em 10 de março, a Itália tinha 631 mortes e mais de 10.000 infectados, com uma taxa de mortalidade de 5%, muito acima da média global de 3,4%, segundo a Organização Mundial da Saúde.

Os trabalhadores chineses da OBOR podem ser parcialmente responsáveis ​​pelas altas taxas de infecção e fatalidade da Itália. Mas talvez a causar mais provável seja a imigração ilegal significativa de cidadãos chineses para a Itália e outras nações europeias. Esses dois fatores, combinados com a população envelhecida da Itália, resultaram em taxas incomuns e altas de infecção e mortalidade por esse patógeno. Em uma surpreendente demonstração de determinação, toda a nação de 60 milhões de pessoas está agora em quarentena.

A França, apesar de compartilhar uma fronteira com o norte da Itália, registrou 2.281 casos. Mas com um número de mortos de 50, agora o país está adicionando mais restrições. As infecções na Alemanha dobraram para mais de 1.100 em 9 de março e registraram duas mortes. Ambas as vítimas eram idosas.

Em vez de liderar a economia global no século XXI, o Partido Comunista Chinês (PCC) e seu OBOR estão, de fato, destruindo-a. Na Itália, as fábricas estão sendo fechadas enquanto cidades são colocadas sob semanas de quarentena.

A regra parece ser que as nações que fecham os olhos para o PCC e suas atrocidades por ganhos econômicos colherão o que plantam. O sonho do PCC de dominar o mundo se transformou em um pesadelo para aqueles que se aliaram aos líderes comunistas da China.

As conseqüências da pandemia global que a China trouxe ao mundo estão apenas começando a ser vistas. As empresas estão fugindo da China ainda mais rápido do que antes. As proibições de viagens para a China são comuns, incluindo agora a atividade econômica regional dos EUA e o comércio com a China que é drasticamente mais lento do que era há apenas algumas semanas atrás.

Em suma, o mundo que a China esperava cativar e dominar agora é muito diferente e não está tão ansioso para ouvir o que o PCC tem a dizer.

James Gorrie é escritor e palestrante no sul da Califórnia. Ele é o autor do “The China Crisis”.

Os pontos de vistas expressos neste artigo são opiniões do autor e não refletem necessariamente as perspectivas do Epoch Times.

 
Matérias Relacionadas