Hong Kong matará 2.000 animais de estimação enquanto autoridades chinesas culpam propagação da COVID-19 a animais importados

Hong Kong segue medidas de contenção do vírus intensificadas em Pequim, onde autoridades sugerem que correspondência vinda do Canadá pode ter sido culpada pelo primeiro caso da Ômicron na cidade

Por Eva Fu 

Autoridades de Hong Kong estão matando hamsters aos milhares após declarar os roedores responsáveis ​​pela disseminação da COVID-19. Enquanto isso, na China continental, a culpa foi colocada nas embalagens de correio internacional.

Como um dos últimos grandes redutos do mundo de uma abordagem de tolerância zero ao vírus, a China está divulgando teorias incomuns sobre a origem dos emergentes surtos da COVID-19, apesar das dúvidas de especialistas estrangeiros sobre a probabilidade de tais alegações.

Em 18 de janeiro, Hong Kong ordenou que 2.000 hamsters, chinchilas, coelhos e outros pequenos animais fossem sacrificados “humanitariamente” após um exame de saúde dos roedores encontrar 11 portadores da variante Delta da COVID-19. Todos eles são hamsters importados da Holanda, de uma pet shop local onde um trabalhador de 23 anos testou positivo para a COVID-19.

Embora as autoridades reconheçam que não há evidências claras de que hamsters possam transmitir o vírus para humanos, estão requisitando aos donos de animais que compraram hamsters em qualquer loja da cidade a partir do dia 22 de dezembro para entregar seus animais para abate. Aqueles que visitaram a loja de animais após o dia 7 de janeiro estão sujeitos à quarentena. Todas as 34 lojas de animais da cidade que vendem hamsters estão fechadas e as importações de todos os pequenos mamíferos foram interrompidas.

Autoridades de saúde de Hong Kong entram em uma loja de animais para abater animais de estimação e desinfetar a loja, em Causeway Bay, no dia 18 de janeiro de 2022 (Sung Pilung/Epoch Times)
Autoridades de saúde de Hong Kong entram em uma loja de animais para abater animais de estimação e desinfetar a loja, em Causeway Bay, no dia 18 de janeiro de 2022 (Sung Pilung/Epoch Times)

O assassinato de animais de estimação em Hong Kong segue medidas de contenção do vírus intensificadas em Pequim, onde as autoridades sugeriram que correspondência vinda do Canadá pode ter sido a culpada pelo primeiro caso da Ômicron da cidade.

As autoridades de saúde da cidade observaram como a primeira paciente da Ômicron, uma mulher de 26 anos, que não viajou para fora de Pequim recentemente, lidou com um pacote enviado do Canadá via Estados Unidos e Hong Kong, antes de desenvolver dor de garganta dois dias depois. Eles detectaram a variante Ômicron tanto na parte externa do pacote quanto em seu conteúdo, bem como em outras amostras de correio entregues da mesma origem, afirmaram as autoridades.

O ministro da Saúde do Canadá, Jean-Yves Duclos, chamou a afirmação de Pequim de “uma visão extraordinária”.

“Isso é algo não apenas novo, mas intrigante e certamente não está de acordo com o que fizemos tanto internacionalmente quanto internamente, dado o que sabemos sobre a transmissibilidade da Ômicron”, declarou ele a repórteres em uma entrevista coletiva no dia 17 de janeiro.

Especialistas em saúde avaliaram os riscos de transmissão do vírus através de superfícies contaminadas como extremamente baixos. A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou que o coronavírus em geral “precisa de um animal vivo ou hospedeiro humano para se multiplicar e sobreviver e não pode se multiplicar na superfície das embalagens de alimentos”.

 Uma mulher utilizando uma máscara para se proteger do coronavírus olha para um pacote perto de um entregador em Pequim, na China, no dia 18 de janeiro de 2022 (AP Photo/Ng Han Guan)

Uma mulher utilizando uma máscara para se proteger do coronavírus olha para um pacote perto de um entregador em Pequim, na China, no dia 18 de janeiro de 2022 (AP Photo/Ng Han Guan)

Divulgar a teoria de que o vírus pode ter vindo de outro lugar do que a China não é novidade para as autoridades chinesas. Em outubro de 2020, Pequim disse que um surto na cidade portuária de Qingdao se originou de um carregamento de bacalhau importado. Em um surto de junho ligado a um mercado atacadista de Pequim, as autoridades apontaram o salmão congelado da Noruega como a causa, citando uma amostra em uma tábua de corte usada para processar o peixe que testou positivo para a COVID-19.

Em julho passado, em meio a tensões entre a Índia e a China, Pequim reteve mais de 1.000 contêineres de camarão indiano alegando que a embalagem supostamente continha resíduos de vírus.

Em uma tentativa de desviar o crescente escrutínio do encobrimento de Pequim das origens da pandemia, as autoridades e a mídia estatal apresentaram constantemente alegações, sem evidências críveis, de que o vírus se originou fora do país. Após uma investigação conjunta do vírus da OMS-China em Wuhan, na China, no ano passado, as autoridades também pediram repetidamente que os esforços de rastreamento de origem começassem fora da China.

As ações de controle de pandemia do regime, no entanto, também ocorreram em um momento particularmente sensível para Pequim.

Menos de três semanas antes da capital do país abrir os Jogos Olímpicos de Inverno, Pequim e cidades da China lutam para acabar com as ondas de infecções pela COVID-19.

Centenas de infecções pela Ômicron surgiram em várias partes da China, mesmo quando os casos da Delta continuam a aumentar. Após a variante Ômicron estender seu alcance a Pequim no sábado, os organizadores olímpicos cancelaram a venda de ingressos para o público em geral, afirmando que a entrada será reservada apenas para um grupo selecionado de espectadores.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas