Homem morre em centro de detenção chinês um dia após ser julgado

Por Dorothy Li

Um homem chinês morreu um dia depois de comparecer ao tribunal com sua esposa por sua crença no Falun Gong , uma disciplina espiritual da tradição buda perseguida pelo Partido Comunista Chinês (PCC) desde 1999.

Em 6 de junho, a família de Guo Zhenfang da Mongólia Interior, no norte da China, foi informada por telefone pela polícia local de que Guo havia morrido. Eles contaram ao Minghui.org que um dia antes viram Guo sair do carro e entrar no tribunal sozinho.

Quando chegaram ao hospital, dezenas de policiais à paisana estavam guardando o corpo de Guo e proibindo parentes de abordá-lo. Apesar disso, eles puderam ver que ele tinha sangue no nariz, hematomas na parte inferior das costas e feridas na parte interna de um joelho, de acordo com o relatório.

Um médico revelou que Guo não tinha sinais vitais quando foi levado ao hospital, de acordo com o Minghui, um site dedicado a documentar a perseguição ao Falun Gong.

As autoridades locais não deram nenhuma explicação para sua morte repentina no Centro de Detenção do Distrito de Songshan, mas sua família acredita que ele foi torturado até a morte no Centro de Detenção do Distrito de Songshan.

Um dia antes de sua morte, Guo e sua esposa, Feng Yuhua, foram julgados no Tribunal Distrital de Songshan, depois que o juiz ordenou que o promotor reavaliasse certas provas contra o casal em um julgamento anterior realizado em 8 de agosto.

A família não via Guo e sua esposa desde que a polícia os deteve na manhã de 25 de novembro de 2020. A polícia saqueou sua casa e levou muitos de seus pertences pessoais.

O relatório não incluiu o motivo da detenção do casal, mas ambos são praticantes do Falun Gong, também conhecido como Falun Dafa , que consiste em exercícios de movimento lento e ensinamentos baseados nos valores fundamentais da verdade, benevolência e tolerância, que de acordo com a mídia estatal chinesa são incompatíveis com a ideologia ateísta e comunista do PCC.

O PCC lançou uma campanha para erradicar o Falun Gong em 1999, sujeitando suas dezenas de milhões de seguidores a perseguição, detenção, trabalho forçado, tortura e extração forçada de órgãos.

De acordo com o Minghui.org, a morte de Guo é a 42ª morte conhecida desse tipo em 2021. Em relação ao apagão efetivo na China, eles estimam que o número real de mortes no Falun Gong é muito maior do que o número registrado.

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas