Governo boliviano informa que a ex-presidente Áñez tentou se ferir na prisão

Por Agência EFE

O Governo boliviano informou neste sábado que a ex-presidente transitória da Bolívia, Jeanine Áñez, tentou se ferir na cadeia onde cumpre sua prisão preventiva e que está estável.

O Ministro do Interior (Interior), Eduardo del Castillo, afirmou em conferência de imprensa que na madrugada deste sábado Áñez tentou “provocar a automutilação” e que tinha alguns “arranhões” num dos braços.

Castillo disse que Áñez está “completamente estável” e que as lesões que apresenta são “superficiais”.

Acrescentou que a ex-presidente “tem todas as condições vitais” para cumprir a sua prisão preventiva e que os seus direitos são respeitados.

Áñez, que está detida em uma prisão de La Paz com problemas de saúde como hipertensão e depressão, deixou este mês a prisão para se submeter a uma série de exames médicos.

Uma chamada urgente

Entretanto, os ex-presidentes Carlos Mesa (2003-2005), Jaime Paz Zamora (1989-1993) e Jorge Quiroga Ramírez (2001-2002) manifestaram a sua preocupação pela saúde de Áñez através de uma carta assinada pelos três, no que fazem um apelo urgente ao Poder Judiciário e ao Ministério Público Estadual para preservar a integridade física e psicológica de Áñez.

Os três ex-presidentes destacam na carta que os laudos médicos e as imagens da ex-presidente mostram a “deterioração de sua saúde”, pelo que consideram ser “imprescindível e urgente rever sua situação jurídica que lhe permita se defender  a si mesma “ao mesmo tempo que salvaguarda o seu direito à liberdade e Saúde”.

“Manter o ex-presidente detido pode ter consequências desastrosas para ela, sua família e o país”, diz a carta que enfatiza colocar os direitos humanos “acima de qualquer disputa política”.

“Estendemos nossa preocupação às organizações internacionais de direitos humanos e pedimos que verifiquem a situação física e emocional da ex-presidente Jeanine Áñez”, afirma a carta.

Nas últimas semanas, Áñez deixou a prisão de Miraflores, em La Paz, onde cumpre sua prisão preventiva pelo caso denominado “golpe de estado”, para se submeter a vários exames médicos nos quais foi vista várias vezes em uma cadeira de rodas e com dificuldade de locomoção.

A família e a defesa do ex-presidente interino manifestaram reiteradamente sua preocupação pela saúde de Áñez, que sofre de hipertensão e síndrome depressiva.

Também denunciaram que Áñez foi transferida para seus exames médicos sem avisar a família ou seus advogados, o que as autoridades do Regime Penitenciário negaram.

Os funcionários do Regime Penitenciário afirmaram em várias ocasiões que não colocam em risco a vida da ex-presidente e que sua saúde está “estável”.

Fundo

Áñez está detida há mais de cinco meses, após ter sido acusada de crimes como terrorismo, sedição e conspiração no chamado caso de “golpe de estado” devido aos acontecimentos durante a crise política e social de 2019.

Além disso, no Parlamento boliviano existem outras propostas acusatórias contra ela.

O Ministério Público apresentou um pedido acusatório contra Áñez na sexta-feira para iniciar um julgamento de responsabilidades pelas mortes em duas regiões na crise de 2019, após as eleições fracassadas daquele ano.

Essas eleições foram anuladas em meio a denúncias de fraude eleitoral a favor do então presidente Evo Morales.

Os grupos de oposição ao governo de Luis Arce enviaram cartas a organizações internacionais em respeito aos direitos humanos de Áñez e a Assembleia Permanente dos Direitos Humanos da Bolívia pediu que a ex-presidente se defendesse em liberdade.

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

 

 
Matérias Relacionadas