Governo Biden deseja ‘pressionar’ diálogo entre Maduro e Guaidó para ‘negociar uma saída’, afirma assessor

Por Débora Alatriste

Uma autoridade dos EUA para a América Latina indicou que o governo Biden está buscando que o regime de Maduro e a oposição venezuelana se sentem para “negociar uma saída”.

Juan González, diretor para o Hemisfério Ocidental do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, deu mais detalhes sobre a política que o novo governo seguirá em relação à Venezuela , durante entrevista à Univisión em 17 de fevereiro.

O assessor disse que a estratégia de Biden para ajudar a Venezuela a retornar à democracia teria uma abordagem “multilateral” para trabalhar em conjunto com os países europeus e latino-americanos – uma estratégia diferente da de Trump.

Quando o repórter lhe perguntou como seria implementada esta pressão, o assessor disse que através de “uma estratégia diplomática muito mais ampla” procurar o diálogo entre o regime chavista e a oposição.

“Temos de pressionar o regime para que ele se sente com a oposição – como iguais – para negociar uma saída”, disse o funcionário, acrescentando que “não é uma das prioridades neste momento” levantar as sanções contra Maduro.

“O que queremos é buscar um diálogo entre os dois lados que leve a um resultado democrático”, disse González.

Juan Sebastián González, então membro sênior do Penn-Biden Center for Diplomacy and Global Engagement, participa da discussão ‘Apoio Bipartidário para o Futuro da Colômbia’ em 13 de maio de 2019 em Bogotá, Colômbia (Gabriel Aponte / Getty Images para Concordia Summit)

O funcionário também criticou as medidas adotadas pelo governo anterior, que disse levar em consideração apenas as condições de Washington. “Sob Trump, os Estados Unidos diziam o que era possível na negociação, como se fôssemos parte nesse processo”.

A última declaração de González parecia referir-se ao “Marco de Transição Democrática para a Venezuela” proposto em março de 2020 pelos Estados Unidos, que estabelecia  diferentes condições para suspender todas as sanções contra o regime de Maduro em troca de um governo de transição.

O conselho seria composto por membros de ambos os partidos e tanto Nicolás Maduro como Juan Guaidó deveriam aceitá-lo como o único executivo do país durante o “período de transição”.

Quando questionado se o governo Biden aplicaria mais sanções contra a Venezuela, González observou que as sanções unilaterais “nunca funcionaram”, o que pode significar que essas medidas podem mudar.

Desde 2017, os Estados Unidos sancionam indivíduos, empresas e entidades petrolíferas associadas ao regime de Maduro, tanto dentro como fora da Venezuela. Entre  janeiro de 2019 e fevereiro de 2020, foram sancionados 52 indivíduos, 76 empresas e 55 petroleiros vinculados ao regime chavista.

Para González, o ex-presidente Trump “deixou para trás” muitos países com o estabelecimento de tais sanções unilaterais.

“É preciso mostrar que a comunidade internacional está totalmente coordenada na direção que esperamos”, disse ele. No entanto, ainda existem divergências entre o reconhecimento de Juan Guaidó, uma vez que a União Europeia recentemente se referiu a ele como um “interlocutor privilegiado”.

Para o cientista político venezuelano e coordenador de Assuntos Internacionais do partido político Vente Venezuela, Pedro Urruchurtu Noselli, é difícil realizar a visão do governo Biden na Venezuela.

“É difícil fingir que o regime e a oposição são iguais se partirmos do fato de que o regime é um conglomerado criminoso e não um grupo político”, disse Urruchurtu ao Epoch Times em espanhol.

“A única forma de isso ser possível é que os criminosos sejam obrigados a sentar-se por meio de mecanismos de força e pressão compatíveis com a sua natureza, e não com os instrumentos da política convencional a que já estão imunes”, explicou. A maneira como os Estados Unidos poderiam alcançar esse diálogo seria por meio de uma “ameaça credível”.

Da mesma forma, Urruchurtu disse que o multilateralismo deu respostas muito tardias à crise na Venezuela.

“Os tempos da comunidade internacional tendem a ser muito lentos (…) O multilateralismo acaba sendo muito burocrático e apelando para os instrumentos democráticos da política convencional quando o regime já é imune a eles”.

“Muitas das medidas que afetaram o regime, como as sanções, foram alcançadas pela determinação de países como os Estados Unidos, que, além disso, no governo Trump entenderam que o que havia na Venezuela era um regime criminoso”, acrescentou.

Siga a Débora no Twitter: @DeboraAlatriste

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas