Futuro da tecnologia do paladar

Especialistas em saúde pública querem que haja uma redução drástica no consumo de açúcar e do sal.

A indústria de alimentos e bebidas – de longe, a maior fonte de sal e de açúcar dos EUA – tem sido resistente a tais pedidos. No entanto, uma nova tecnologia poderá mudar esse jogo.

No ano passado, a PepsiCo anunciou uma parceria com a Senomyx, uma empresa sediada em San Diego, especializada em “tecnologias científicas sobre a propriedade do gosto.” Elas fazem doce, amargo e realçadores do sabor salgado, tendo ainda outros sabores em suas produções.

Leia também:
Gymnema: a erva notável que bloqueia o gosto pelos doces
Como fazer doces veganos sem açúcar
Como fazer suas crianças terem uma alimentação nutritiva

Produtos da Senomyx são únicos, porque influenciam na percepção do sabor. Tomemos como exemplo, o Sweetmyx, o realçador do sabor doce produzido pela empresa. Ao contrário do aspartame ou da sucralose, que se limitam a imitar o açúcar, o Sweetmyx convence o cérebro de que ele está lidando com o mesmo nível satisfatório de doçura, mas com menos doce, na realidade. A adição de Sweetmyx a vários produtos pode cortar o açúcar adicionado pela metade e cortar a frutose de milho em cerca de um terço.

Esta curiosa “pegadinha” feita com o cérebro é desenvolvida com a ajuda da biotecnologia. Utilizando a mesma linha de células embrionárias humanas de rim – a favorita dos fabricantes de remédios, criadores de vacina e biologistas celulares, por quase 40 anos -, a Senomyx replica as células receptoras da língua. Eles então, testam várias combinações de moléculas até acharem uma que atinja o paladar almejado.

Esta tecnologia não obteve a aprovação da Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos, mas ela já está disponível em muitos produtos e você não vai encontrá-la especificada no rótulo.

Em 2013, após uma avaliação de 18 meses, as autoridades do setor de sabor consideraram a tecnologia segura para o consumo humano.

Muito pouco dos compostos Senomyx são necessários para atingir o efeito desejado. A uma concentração de menos do que uma parte por milhão, a Sweetmyx é simplesmente considerada como aditivo sob as diretrizes da FDA, o que significa que não têm que ser especificamente identificada no rótulo. Em vez disso, ela aparece incluída na categoria de “ingredientes artificiais”, onde residem aditivos ocultos similares.

Empresas Parceiras

Kraft Foods, Nestlé, Cadbury Schweppes, entre outras empresas de alimentos, bebidas e empresas de fornecimento de ingredientes globais, estão atualmente anunciando produtos que contêm tecnologia Senomyx.

A PepsiCo, que goza de direitos exclusivos do Sweetmyx em bebidas não alcoólicas, está agora interessada em sal. Em abril de 2014, a PepsiCo – empresa-mãe da linha Frito Lay de salgadinhos -, anunciou que irá fornecer o financiamento da pesquisa para desenvolver o gosto modificador de sal da Senomyx, em troca dos direitos dos novos compostos descobertos.

De acordo com um comunicado de imprensa, em Novembro de 2014, a Senomyx diz que o objetivo do seu “Programa do Sabor Salgado é identificar ingredientes com sabor que permitam uma redução significativa de sódio em alimentos e bebidas e ainda assim mantenham o gosto salgado desejável para os consumidores.” Os pesquisadores já identificaram um pequeno grupo de proteínas que transportam este potencial. Testes avançados irão determinar qual destas proteínas “permitem a percepção do gosto de sal.”

A Sopa Campbell e a Solae (uma empresa de alimentos à base de soja) desfizeram suas parcerias com a Senomyx em 2011, devido à pressão dos Children of God for Life (Filhos de Deus para a Vida) e de outros grupos anti-aborto. Sua preocupação é a linha de células que a Senomyx utiliza para a sua pesquisa, que se originou a partir do rim de um feto abortado eletivamente na década de 70.

 

Conan Milner, Epoch Times

 
Matérias Relacionadas