Fundação apoiada por Soros investe US$ 220 milhões para apoiar justiça racial

Por Tom Ozimek

A organização fundada pelo bilionário financeiro George Soros investirá US $ 220 milhões em iniciativas que busquem promover a causa da justiça e igualdade raciais.

A Open Society Foundations, apoiada por Soros, disse na segunda-feira em um comunicado à imprensa que o dinheiro será canalizado para organizações e líderes de comunidades negras em todo o país, com o objetivo de aumentar os esforços para manter o impulso da reforma da polícia e o movimento de justiça racial causado pela morte de George Floyd.

A morte de Floyd sob custódia policial em maio levou a protestos maciços, alguns dos quais foram prejudicados por saques e tumultos, ateando fogo a temores de que ativistas radicais procurassem se apropriar do que a Open Society Foundations chama de “movimento histórico da nação em direção à justiça racial”.

Um homem segura uma foto de George Floyd durante um protesto do Black Lives Matter na cidade de Nova Iorque em 18 de junho de 2020 (Jeenah Moon / Getty Images)
Um homem segura uma foto de George Floyd durante um protesto do Black Lives Matter na cidade de Nova Iorque em 18 de junho de 2020 (Jeenah Moon / Getty Images)

O objetivo do investimento de US$ 220 milhões é “construir poder em comunidades negras, promover novas políticas anti-racistas nas cidades dos EUA e ajudar ativistas iniciantes a permanecer engajados”, disse a organização em comunicado separado.

A fundação afirmou que investirá US$ 150 milhões em subsídios de cinco anos para grupos de justiça racial liderados por negros, enquanto US$ 70 milhões serão destinados a uma série de iniciativas que incluem o apoio a governos e organizações locais com conhecimento técnico em “direcionar orçamentos para ajudar as cidades a implementar uma nova visão de segurança pública que inclui” ir além da cultura de criminalização e encarceramento”.

“Este é o momento de tomar ações ousadas e urgentes para combater a injustiça racial nos Estados Unidos”, disse Alex Soros, filho de George Soros e vice-presidente da Open Society Fundations, em um comunicado. “Esses investimentos permitirão que líderes comprovados da comunidade negra reimaginem a vigilância policial, acabem com o encarceramento em massa e removam barreiras às oportunidades que têm sido uma fonte de desigualdade por muito tempo”.

A morte de Floyd deu um novo impulso à reforma da polícia e aos esforços para erradicar ainda mais o racismo, algo que, segundo o procurador-geral William Barr, progrediu por anos, embora tenha rejeitado a noção de que as instituições americanas são “sistematicamente racistas”.

“Desde a década de 1960, acho que estamos em uma fase de reforma de nossas instituições e de garantir que elas estejam em sincronia com nossas leis e que não estejam lutando contra a ação traseira para impor desigualdades”, disse Barr durante uma aparição em 7 de junho no “Enfrente a nação”.

“Acho que ainda existe racismo nos Estados Unidos, mas não acho que o sistema de aplicação da lei seja sistematicamente racista”, disse Barr.

Afirmando que o racismo “está incorporado em todos os níveis do governo e em nossos sistemas criminais e judiciais”, o presidente da Open Society Foundations, Patrick Gaspard, disse em comunicado que a “luta para desmantelar o racismo sistêmico” continua sendo um esforço contínuo.

“O aumento do poder das pessoas que saíram às ruas para exigir que esta nação tenha melhores resultados, pessoas de todas as idades, de todas as origens e em todos os cantos deste país, nos dá toda esperança”, afirmou. Gaspard.

Parte dos investimentos da organização liderada por Soros também financiará estágios e bolsas de estudos para estudantes “que se concentram na justiça racial, democracia, organização e orientação”, em uma tentativa de ajudar os ativistas a permanecerem envolvidos.

Soros usou mais de US$ 32 bilhões de sua fortuna pessoal para apoiar o trabalho da Open Society Fundations, informou a organização.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

EUA exigem transparência do regime chinês diante da COVID-19

 
Matérias Relacionadas