Funcionário do governo da província de Hebei é brutalmente torturado na prisão

Ele foi condenado a nove anos de prisão e transferido para o Centro de Detenção Jidong de Hebei em 1 de setembro de 2009

Por Minghui.org

Em maio de 2018, o Sr. Cui Lu, funcionário do governo do Condado de Zhuolu, província de Hebei, teve sua liberdade depois de cumprir nove anos de prisão por se recusar a renunciar à sua crença ao Falun Gong, uma disciplina espiritual perseguida pelo Partido Comunista Chinês (PCC). Brutalmente torturado na prisão, ele esteve a ponto de sofrer um colapso mental. Foi preso em 19 de março de 2009, quando tinha 50 anos e era uma pessoa altamente respeitada, tanto em casa como no trabalho, por sua bondade.

Ele foi alimentado tão selvagemente enquanto permaneceu no centro de detenção que acabou em uma condição desesperadora. Os detalhes podem ser encontrados no artigo: Sr. Cui Lu faz greve de fome em protesto contra a perseguição.

Ele foi condenado a nove anos de prisão e transferido para o Centro de Detenção Jidong de Hebei em 1 de setembro de 2009.

Abaixo estão apresentada as formas de tortura que ele sofreu. Ele foi:

1. Brutalmente alimentado a força durante cinco meses.

2. Privado de sono durante aproximadamente um mês.

3. Espancado, com pontapés e golpes por várias pessoas ao mesmo tempo. Uma vez, quebraram seu dente e sua família foi proibida de vê-lo para não saber seu estado deplorável.

4. Espetado com agulhas nas pontas dos dedos.

Furos nas pontas dos dedos com agulhas

5. Queimado no pescoço com pontas de cigarro.

6. Afogado, tendo sua cabeça mergulhada em um grande barril com água

Afogamento

7. Recebeu jato de água fria no inverno.

8. Encarcerado dez vezes em uma cela solitária e forçado a sentar-se em uma única posição (por mais de 200 dias no total).

9. Seu rosto e olhos foram pulverizados com água quente com pimenta, causando queimaduras na sua pele

10. Obrigado a ver vídeos que difamavam o Falun Dafa.

11. Algemado, acorrentado, espancado e elecrutado com pinos elétricos.

12. Imobilizado no “Banco do tigre” por mais de sete horas (afrouxavam as cordas à cada 15 minutos, quando ele não conseguia respirar; com isso seus pulmões ficaram danificados e ele vomitava sangue).

Banco do tigre

13. Restringido em um “leito da morte” por mais de dois meses no total.

Leito da morte

14. Privado de comer.

15. Sufocado com a boca cheia de panos.

16. Exposto ao frio nas noites de inverno com janelas abertas, sem roupas quentes e cobertores.

17. Preso a uma cama por mais de dez noites com temperatura abaixo de zero com janelas abertas (suas pernas ficaram feridas e suas unhas roxas).

18. Ficou na “unidade de controle estrito” em 6 de março de 2018, porque ele gritou: “Falun Dafa é bom!”.

A mãe do Sr. Cui sofreu estresse e depressão por causa do encarceramento do seu filho e faleceu em julho de 2017.

 
Matérias Relacionadas