Filha mais velha de Saddam Hussein é nomeada na lista de mais procurados

Os serviços de segurança iraquianos incluíram a filha do falecido Saddam Hussein na sua lista de pessoas mais procuradas, juntamente com outros 59 indivíduos.

As autoridades iraquianas dizem que as 60 pessoas são procuradas por suspeita de pertencerem ao Estado Islâmico, al-Qaeda ou ao Partido Baath do antigo regime iraquiano, informou a AFP.

Raghad Saddam Hussein, a filha mais velha do ditador iraquiano executado, prometeu processar todos aqueles que a “insultaram”, durante uma entrevista com o jornal saudita Al Arabiya.

Ela também negou viver na Jordânia, como havia sido relatado anteriormente pela mídia, mas não elaborou sobre sua localização.

A lista também inclui 28 suspeitos de serem militantes do Estado Islâmico, 12 da al-Qaeda e 20 do Partido Baath, e fornece detalhes sobre os supostos papéis e crimes de cada indivíduo.

Leia também:
• Temido carrasco ‘Barba Branca’ do Estado Islâmico é capturado no Iraque
• Irã: iranianos arriscam suas vidas pedindo fim do regime islâmico
• Prisões recentes abrem caminho para reforma na Arábia Saudita
• Menos de mil terroristas do Estado Islâmico restam no Iraque e Síria, diz coalizão

Todos os suspeitos são iraquianos, exceto um libanês, Maan Bashour, que é acusado de recrutar pessoas do Líbano para lutar no Iraque.

Embora a lista contenha membros seniores das organizações, uma ausência notável é o líder do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi. Um funcionário sênior de segurança se recusou a fornecer uma explicação para a exclusão quando contatado pela AFP.

“Estes são os terroristas mais procurados pelas autoridades judiciais e pelos serviços de segurança”, disse o funcionário. “Esta é a primeira vez que publicamos esses nomes que, até agora, eram secretos.”

Os combatentes do Estado Islâmico nomeados no documento são acusados ​​de lutar em Mosul e na província vizinha de Nineveh, bem como nas províncias de Kirkuk, Diyala e Anbar.

Mosul, a segunda maior cidade do Iraque, foi a principal fortaleza do Estado Islâmico até que foi recuperada pelas forças iraquianas apoiadas pelos Estados Unidos em julho de 2017.

O governo iraquiano diz que os nomes dos 60 indivíduos procurados foram compartilhados com a Interpol.

NTD Television

 
Matérias Relacionadas