Fatos assustadores por trás da ‘Política dos Três Filhos’ do regime comunista chinês

Por Chen Simin

O Partido Comunista Chinês (PCC) conduziu seu Sétimo Censo Nacional de População (doravante denominado Censo) usando 00:00 horas de 1º de novembro de 2020 como horário de referência. Embora um relatório oficial do censo revele um aumento na população da China, o PCC lançou apressadamente a “política dos três filhos” devido ao fato de seu crescimento econômico, que é “estável com um impulso crescente”, conforme afirma o Diário do Povo estatal em maio, não é páreo para a atual crise de fertilidade na China.

Um oficial sênior não identificado da Comissão de Saúde e Planejamento Familiar do PCC revelou três conjuntos de dados durante uma entrevista com a agência de notícias Xinhua, porta-voz do PCC, em 31 de maio.

O primeiro conjunto de dados mostra que a China registrou quedas consecutivas no número de casamentos registrados. “Houve uma diminuição de 40 por cento de 13 milhões de casamentos registrados em 2013 para 8,13 milhões em 2020”, segundo o relatório da Xinhua. Por exemplo, se todos os casamentos registrados fossem primeiros casamentos, o número de primeiros recém-nascidos seria inferior a 8,13 milhões.

O segundo conjunto de dados mostra “uma diminuição na disposição de ter filhos”. De acordo com o relatório, o número médio de filhos que os casais pós-90 pretendem ter é de apenas 1,66. Mesmo que esse número não seja aprimorado, as estatísticas sugerem que o número real de filhos que podem nascer será menor do que o número de filhos que as pessoas pretendem ter.

Esses dois grupos de dados coincidem com um fenômeno social atual na China denominado “deitado no chão”, que parece mais popular entre a maioria dos anos 90 do que o casamento tradicional e os filhos.

O terceiro grupo de dados mostra que houve uma redução significativa no número de mulheres em idade reprodutiva. De 2016 a 2020, o número médio anual de mulheres em seu “auge reprodutivo” (um termo do PCC para mulheres de 20 a 34 anos) diminuiu em 3,4 milhões, enquanto o ano de 2020 sozinho viu um declínio de 3,66 milhões. Se calculada usando a redução média anual, a redução total de mulheres em idade reprodutiva durante os últimos cinco anos chega a 17 milhões. Portanto, pode-se verificar, com razoável dúvida, a veracidade da taxa de natalidade divulgada no sétimo censo nacional.

Um outdoor da política chinesa de “filho único” dizendo: “Tenha menos filhos, tenha uma vida melhor” cumprimenta os residentes na rua principal de Shuangwang, na região de Guangxi, sul da China, em 25 de maio de 2007. Moradores desta área atingida por tumultos no sul da China exigiu em 25 de maio de 2007 que as autoridades compensassem uma campanha brutal de três meses para fazer cumprir as regras de planejamento familiar enquanto a tensão permanecia alta, quase uma semana depois que milhares entraram em confronto com a polícia por causa de uma campanha oficial que, segundo os moradores, incluía abortos forçados, destruição de propriedades e prisões dirigidas a violadores da “política do filho único”(Goh Chai Hin / AFP via Getty Images)

Além disso, as estatísticas oficiais mostram que, desde 2000, as taxas de natalidade na China diminuíram gradualmente, e o número de nascimentos desde 2002 caiu vários milhões em comparação com o número estimado em 1987. Em outras palavras, o número de mulheres em idade reprodutiva poderia continuar a cair significativamente a cada ano na década seguinte.

Portanto, a principal causa da atual crise de fertilidade da China é a redução do número de mulheres em idade reprodutiva. A situação não verá muita melhora, mesmo se o regime comunista remover completamente as medidas de controle do parto e até pagar por todos os custos de creche, educação e moradia.

O que é mais surpreendente são os dados ocultos por trás das estatísticas, que mostram a razão para o declínio do número de mulheres em idade reprodutiva. A “política de três filhos” desencadeou uma grande reação em 31 de maio em plataformas sociais como o Weibo, mas no dia seguinte, milhares de postagens de discussão foram deletadas.

As autoridades de propaganda do PCC ficaram extremamente assustadas com o fato de que entre as várias mensagens sarcásticas postadas, algumas tocaram em tópicos delicados e foram de metafóricas a explícitas.

Um internauta perguntou: “Por que há uma redução tão grande nas mulheres?”

Um outdoor exaltando os casais que têm apenas um filho, ao longo de uma estrada que leva a um vilarejo no subúrbio de Pequim. A China reafirmou que continuará aplicando sua política de filho único para limitar sua enorme população a 1,6 bilhão até 2050 (Goh Chai Hin / AFP / Getty Images)

As respostas à pergunta incluem: “Pergunte aos fetos femininos abortados naquela época”. “As mulheres em idade fértil que deveriam estar lá agora não nasceram naquela época.” “Mulheres em idade fértil que estão desaparecidas agora são aquelas que foram abortadas à força por causa da política de Um Filho”.

Se você pesquisar essas postagens no Google agora, os resultados da pesquisa levarão a uma página com um ponto de exclamação, seguido por esta frase: “er … o que você quer não está aqui”.

Uma postagem no grupo Douban, um fórum para jovens internautas, referiu-se ao trigésimo aniversário da campanha “Cem dias sem filhos”, em que ocorreu a matança em massa de bebês e o aborto de fetos no condado de Guan e no condado de Shen na província de Shandong em 1991 Zeng Zhaoqi e Bai Zhigang, secretários dos comitês do condado, ordenaram o aborto forçado de todas as gestações nos 100 dias de 1º de maio a 10 de agosto daquele ano. Literalmente, não houve recém-nascidos durante esse período, e mesmo os recém-casados ​​que tiveram seu primeiro filho não foram poupados. Todos os bebês nascidos vivos durante um aborto induzido foram simplesmente estrangulados. Uma postagem em um grupo de Douban diz que a “política de uma criança é a história do massacre de uma geração de meninas”.

Vários slogans exaltando o controle da natalidade foram criados naquela época. Alguns exemplos desses slogans incluem: “Prefiro morrer sem herdeiros do que deixar o Partido preocupado”. “Seja o aborto médico, o aborto cirúrgico ou o aborto forçado , apenas não dê à luz um bebê!” “Mesmo que o sangue flua como um rio, ninguém pode ter um filho a mais.” “Se enforcar? Você receberá uma corda [do governo]. Quer tomar veneno? Você vai ganhar uma garrafa! ”

Em um artigo intitulado “Tornar pública a taxa de manutenção social conforme é relevante para a inocência das organizações de planejamento familiar”, publicado no Southern Weekly em 2013, Zhi Zhenfeng, um pesquisador associado da Academia Chinesa de Ciências Sociais (CASS), revelou que o total das taxas cobradas pode ter alcançado pelo menos $ 234.627.945.000 nos últimos 30 anos, incluindo as antecessoras das taxas de manutenção social, como multas por ter mais de um filho ou multas por nascimentos não aprovados.

Se olharmos apenas para a taxa de manutenção social, estima-se que seja mais de US$ 3 bilhões a cada ano. Embora as estimativas sejam certamente imprecisas, não há dúvida de que o valor das taxas de manutenção social cobradas é assustadoramente grande. Dito isso, as autoridades e organizações relevantes não divulgaram, em detalhes, a soma das taxas cobradas nem seu uso final desde agosto de 2002.

“Só na Ásia, 18 países e regiões, incluindo Japão, Coreia do Sul e Israel são mais densamente povoados do que a China. Na Europa, um terço dos países e regiões são mais densamente povoados do que a China continental. Isso mostra que a população não é um fardo”, diz Zhi no artigo.

Zhi também destaca que “Yi Cheng, província de Shanxi, iniciou a implementação piloto da segunda criança em julho de 1985, e que, após 28 anos de experimentação, até 2013, a população local não viu nenhum aumento significativo. Pelo contrário, o seu crescimento populacional foi inferior à média nacional, e todos os indicadores populacionais, representados pela proporção dos sexos, foram melhores do que o nível nacional. ”

No entanto, existe apenas uma zona especial de população na China, que é Yi Cheng.

A política do filho único, também conhecida como política de planejamento familiar, originou-se da “Carta Aberta a Todos os Membros do Partido Comunista e Membros da Liga Juvenil sobre Controle do Crescimento da População do País” emitida pelo Comitê Central do PCC em 25 de setembro de 1980. A carta claramente declarou: “Em 30 anos, o atual problema populacional particularmente tenso pode ser atenuado e uma política populacional diferente pode ser adotada.”

Em outras palavras, essa promessa política do regime comunista chinês já estava falida em 2010, aniversário de 30 anos da implementação da política. Até o momento, o PCC não reconheceu seus erros, nem se desculpou com o grande número de mães e crianças que foram vítimas da política. No entanto, ainda espera que o público chinês seja “grato” por sua política de três filhos. Seu nível de vergonha é tão chocante quanto o sofrimento das vítimas de sua política do filho único.

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas