Facebook remove registros de usuários armazenados em servidores da Amazon

Por Wire Service Content

O Facebook disse, na quarta-feira, 3 de abril, que removeu bancos de dados públicos contendo informações de usuários nos servidores em nuvem da Amazon.com, depois que a empresa de segurança cibernética UpGuard descobriu milhões de registros expostos.

A equipe Cyber Risk, da UpGuard, anunciou em um post na quarta-feira, que o site de notícias Cultura Colectiva, da Cidade do México, usou servidores Amazon para armazenar abertamente 540 milhões de registros de usuários do Facebook, incluindo números de identificação, comentários, reações e nomes de contas.

Outro banco de dados, de um aplicativo chamado At the Pool, listou nomes, senhas e endereços de e-mail de 22 mil pessoas, disse o UpGuard.

O Cultura Colectiva disse em um comunicado que todos os seus registros no Facebook vieram de interações de usuários com suas três páginas no Facebook e são as mesmas informações publicamente acessíveis a qualquer pessoa que navegue por essas páginas.

“Nem dados sensíveis nem privados, como e-mails ou senhas, estavam entre aqueles porque não temos acesso a esse tipo de dados, por isso não colocamos em risco a segurança e a privacidade de nossos usuários”, disse o Cultura Colectiva. “Estamos cientes dos possíveis usos de dados nos tempos atuais, por isso, reforçamos nossas medidas de segurança para proteger os dados e a privacidade dos usuários de nossas páginas de fãs no Facebook.”

Alex Capecelatro, que era diretor executivo da At the Pool, antes de fechar em 2014, não respondeu aos pedidos para comentar.

O Facebook disse em seu comunicado que trabalhou com a Amazon para derrubar os bancos de dados, uma vez alertados sobre a questão.

“As políticas do Facebook proíbem o armazenamento de informações do Facebook em um banco de dados público”, disse a empresa.

Facebook-logo
Uma representação em plástico em 3D do logotipo do Facebook é vista em frente aos cabos exibidos nesta ilustração em Zenica, Bósnia e Herzegovina, em 13 de maio de 2015. (Dado Ruvic / Arquivo Foto via Reuters)

O Facebook foi atingido por uma série de questões relacionadas à privacidade, incluindo uma falha que expôs senhas de milhões de usuários armazenados em texto claro dentro de seus sistemas internos para seus funcionários.

No ano passado, a empresa sofreu um incêndio após revelações de que a Cambridge Analytica obteve dados pessoais de milhões de perfis do Facebook sem o seu consentimento.

O Facebook afirmou que os dados foram inicialmente coletados por um professor para fins acadêmicos, de acordo com suas regras, informou a CNN. A informação foi posteriormente transferida para terceiros, incluindo Cambridge Analytica, em violação das políticas do Facebook, disse o Facebook.

Desde então, o Facebook está sob escrutínio por oferecer mais dados de seus usuários às empresas do que anteriormente. No ano passado, a empresa também revelou que os invasores exploraram um bug na plataforma para expor as informações de quase 50 milhões de usuários.

Facebook start page
Uma página inicial do Facebook é mostrada em um smartphone em Surfside, Flórida, em 21 de agosto de 2018. (Wilfredo Lee / File via AP)

Políticos de ambos os lados do Atlântico criticaram duramente as práticas de privacidade de dados da empresa. Segundo a Comissão Federal de Comércio dos Estados Unidos, pretende-se aplicar uma multa recorde contra a empresa por violar um acordo anterior de privacidade de dados.

Em outubro, autoridades britânicas atingiram o Facebook com uma multa de £ 500.000, o máximo possível, sobre o escândalo da Cambridge Analytica.

O Facebook anunciou mais tarde alterações destinadas a proteger os dados do usuário, incluindo uma auditoria de pelo menos milhares de aplicativos que têm o direito de acessar os dados do usuário do Facebook.

A Amazon não respondeu aos pedidos de comentários. Aumentou os esforços para educar os clientes sobre os riscos associados ao armazenamento de dados do usuário publicamente depois que vários desses lapsos de privacidade de dados por seus clientes ganharam destaque nos últimos anos.

Bloomberg foi o primeiro a relatar a notícia.

A nova descoberta é a mais recente a destacar a luta do Facebook para proteger os dados coletados de seus mais de 2 bilhões de usuários. Só pode aumentar o escrutínio da empresa após um ano de escândalos de privacidade de dados.

Por Akanksha Rana, Sayanti Chakraborty e Paresh Dave

2019 CNN Trademark

 
Matérias Relacionadas