Facebook bane grupo da Segunda Emenda por razões desconhecidas

Por Zachary Stieber

O Facebook proibiu esta semana um grupo da Segunda Emenda sem fornecer aviso ou uma explicação clara, disse o presidente do grupo.

A página do Facebook da Virginia Citizens Defense League (VCDL) foi retirada do ar na terça-feira.

“Fomos banidos sem aviso prévio ou razão exata”, disse Philip Van Cleave, presidente do grupo, ao Epoch Times por e-mail.

O Facebook não respondeu a um pedido de comentário. Um porta  voz do Facebook disse ao Washington Free Beacon: “Isso foi feito corretamente e não iremos republicá-lo”.

Uma tentativa de visualizar a página trouxe a mensagem de que “este conteúdo não está disponível no momento”.

“Quando isso acontece, geralmente é porque o proprietário só o compartilhou com um pequeno grupo de pessoas, mudou quem pode vê-lo ou ele foi excluído”, afirmou a mensagem do Facebook.

O grupo era usado para manter os proprietários de armas informados sobre as propostas legislativas e novas leis e histórias relacionadas aos direitos das armas na Virgínia, disse Van Cleave. O grupo também organizou manifestações pacíficas na Assembleia Geral do estado durante 18 anos.

“A página e o grupo estava ajudando a coordenar o equivalente este ano – que,  devido à COVID, era uma caravana  com mais de 1.000 veículos passando por Richmond, enfeitados com mensagens de direitos de armas, sinais, bandeiras, etc. Nós não tivemos nenhum evento violento em nossa história e nenhuma prisão”, escreveu ele.

Defensores dos direitos das armas participam de uma manifestação organizada pela The Virginia Citizens Defense League no Capitol Square em Richmond, Virgínia, em 20 de janeiro de 2020 (Zach Gibson / Getty Images)

Ele acredita que a proibição tem motivação política.

“Fomos cuidadosos e tínhamos muitos moderadores para ficar em conformidade. No final, acreditamos que eles apenas queriam nos calar ”, disse ele.

O Facebook intensificou as proibições de pessoas e grupos no ano passado, antes das eleições de 2020 e continuou uma onda de proibições desde então. No mês passado, a empresa com sede na Califórnia removeu mais de 78.000 usuários do Facebook e Instagram por alegadas violações de política. Também baniu o ex-presidente Donald Trump por um período indefinido de tempo, uma decisão que está sendo revisada por seu Conselho de Supervisão.

Após a violação do capitólio dos Estados Unidos em 6 de janeiro, o Facebook disse que estava monitorando o site em busca de ameaças e sinais de violência.

Enfrentando a pressão de legisladores democratas, o Facebook está trabalhando para reduzir a quantidade de “conteúdo político” na plataforma de mídia social. Também anunciou planos para parar de recomendar grupos políticos e cívicos aos usuários.

As proibições e outras ações não só levaram os usuários a abandonar o Facebook, mas também a ações legais.

O apresentador conservador Steven Crowder processou esta semana o Facebook por suposta concorrência desleal e fraude. A empresa também está sujeita a uma ação da lei Antitruste de uma empresa de mídia de West Virginia.

Siga Zachary no Twitter: @zackstieber
 
Matérias Relacionadas