Explosões na China deixa pelo menos sete mortos

Uma série de explosões destruíram uma cidade chinesa localizada ao sul país, no final da tarde desta quarta-feira (30), matando pelo menos sete pessoas e ferindo 51, segundo a mídia estatal chinesa.

As explosões ocorreram em pelo menos 17 locais de Guangxi, Liuzhou, incluindo em um escritório do governo, um shopping center, uma prisão e um hospital, segundo a mídia porta-voz do Estado, Xinhua. Houve pelo menos uma explosão em uma ponte. Todas as explosões ocorreram na cidade de Liuzhou, que abriga cerca 3,7 milhões de pessoas em diversos distritos e municípios; a maior parte das explosões ocorreu no condado de Liucheng, que faz parte da maior área urbana de Liuzhou.

Fotos compartilhadas por usuários da Internet no site de microblogs chinês Sina Weibo mostraram edifícios em ruínas, ruas cheias de escombros, fachadas de lojas destruídas e janelas de edifício estilhaçadas.

Cenas vistas em Liucheng County após uma série de explosões que destruíram a cidade na província chinesa de Guangxi, em 30 de setembro de 2015 (Screen shot via Weibo.com)
Cenas vistas em Liucheng County após uma série de explosões que destruíram a cidade na província chinesa de Guangxi, em 30 de setembro de 2015 (Screen shot via Weibo.com)

“Por volta das 16h10, ouvi um estrondo e, em seguida, um outro som de explosão dois minutos depois”, um membro da equipe de um hotel disse à Beijing Youth Daily. A equipe acrescentou que a segunda explosão veio de uma lata de lixo localizada a cerca de 32 pés de distância da porta do hotel.

A Sra. Wei, residente de Liucheng, contou pelo telefone ao site chinês de notícias The Paper que ela ouviu uma explosão atrás da outra por volta das 16h. Ela teve que sair correndo para as margens de um rio que fica próximo à sua casa. Antes de desligar, a Sra. Wei disse que ainda não havia superado o pânico da explosão.

Cenas vistas em Liucheng County após uma série de explosões que destruíram a cidade na província chinesa de Guangxi, em 30 de setembro de 2015 (Screen shot via Weibo.com)
Cenas vistas em Liucheng County após uma série de explosões que destruíram a cidade na província chinesa de Guangxi, em 30 de setembro de 2015 (Screen shot via Weibo.com)

Outras testemunhas disseram que ouviram pela primeira vez uma explosão às 17h30, e em seguida, 11 explosões sucessivas, uma a cada 10 minutos, de acordo com a edição chinesa da BBC.

Bombeiros locais, polícia e autoridades de saúde foram apressadamente aos vários locais das explosões para resgatar sobreviventes. Pelo menos duas pessoas ainda estão desaparecidas.

Cenas vistas em Liucheng County após uma série de explosões que destruíram a cidade na província chinesa de Guangxi, em 30 de setembro de 2015 (Screen shot via Weibo.com)
Cenas vistas em Liucheng County após uma série de explosões que destruíram a cidade na província chinesa de Guangxi, em 30 de setembro de 2015 (Screen shot via Weibo.com)

A polícia de Liucheng disse que as explosões, ouvidas pela primeira vez por volta das 15h50 (horário de Pequim), eram susceptíveis “de natureza criminosa”, mas foram excluídas as possibilidades de “um ato terrorista”. Às 17h17, o gabinete de segurança em Liucheng enviou uma mensagem de texto para os residentes locais advertindo-os contra qualquer abertura de encomendas recebidas recentemente, método pelo qual os explosivos foram supostamente entregues.

Cai Tianlai, o comissário político do departamento de polícia de Liucheng, disse que os moradores locais relataram mais de 60 pacotes suspeitos para a polícia, e estão aguardando o descarte por peritos explosivos, de acordo com a agência de notícias estatal China News Service. A polícia, mais tarde, identificado um homem chamado Wei Yinyong, de 33 anos, pedreiro, como suspeito, e lançou alguns de seus dados pessoais e número de telemóvel, de acordo com a mídia estatal.

Muitos cidadãos chineses se manifestaram na Internet, expressando sua descrença em relação à suspeita da polícia.

“Por favor, diga-me como o suspeito era capaz de correr para cerca de 13 lugares e disparar com sucesso as explosões? A mídia pode fornecer um mapa do percurso?”, dizia um comentário no Sina Weibo. “Além disso, que tipo de bomba tem esse poder? E como foram instaladas? Por favor, esclareça, obrigado.”

Leia também:
Com base chinesa em Neuquén, ‘América do Sul não é mais uma zona de paz’
Explosão de Tianjin transforma classe média chinesa em desiludidos peticionários
Chinesa relata torturas que filha sofreu em campo de trabalho escravo antes de ser assassinada

Outros expressaram indignação pelo fato da polícia não ter considerado as explosões como um ato de terrorismo, uma vez que ocorreu um dia antes do Dia Nacional da República Popular da China. O regime comunista chinês havia declarado 01 de outubro um feriado público quando inaugurou seu governo em 1949.

Os agentes chineses de censura, que geralmente são ativos durante catástrofes naturais e provocadas pelo homem, já começaram a remover fotos e posts da plataforma Weibo, de acordo com Weiboscope, um projecto do Centro de Jornalismo e Estudos de Mídia na Universidade de Hong Kong, que monitora a censura da mídia social.

Jenny Li e Julieta Canção contribuíram para este relatório.

 
Matérias Relacionadas