Ex-diretor do FBI Andrews McCabe quer imunidade para depor no Senado

Por Petr Svab, Epoch Times

O ex-diretor do FBI, Andrew McCabe, só está disposto a depor perante o Congresso se receber “imunidade de uso temporário”, declarou seu advogado em uma carta ao Comitê Judiciário do Senado, obtida pela CNN.

“Sob os termos dessa imunidade, nenhum testemunho ou informação fornecida pelo Sr. McCabe poderá ser usado contra ele em uma acusação criminal”, escreveu o advogado Michael Bromwich, segundo a CNN.

O presidente do Comitê, senador Chuck Grassley, republicano de Iowa, pediu a McCabe para depor na próxima semana sobre o relatório do inspetor geral do Departamento de Justiça, de como o FBI conduziu sua investigação sobre Hillary Clinton.

Grassley também convidou, segundo fontes da CNN, o ex-diretor do FBI James Comey e a ex-procuradora geral Loretta Lynch para depor. Não está claro qual foi a resposta deles.

McCabe liderou uma pequena equipe designada para a investigação de Clinton, com a incumbência de analisar sua má gestão de informações confidenciais.

Ele foi demitido em março, um dia antes de ser qualificado para receber a pensão do governo, depois que um relatório preliminar do inspetor geral mostrou que McCabe autorizou um vazamento de dados em 2016 para o Wall Street Journal, a fim de melhorar sua popularidade, e depois mentiu sobre isso para Comey, seu chefe na época, e para os investigadores.

Membros do Congresso encaminharam McCabe para julgamento por mentir repetidamente sob juramento e autorizar o vazamento de informações em violação à política do FBI.

O advogado de McCabe disse que ele precisa da imunidade porque seu testemunho pode ser usado pelos promotores que coletam informações.

“O Sr. McCabe está disposto a depor, mas por causa da referência penal, deve ser dado a ele proteção legal adequada”, escreveu Bromwich, acrescentando que, sem essa imunidade, ele não terá outra escolha a não ser invocar a Quinta Emenda, que é contra a produção de provas contra si mesmo”.

Os parlamentares podem forçá-lo a depor através de uma intimação, e se ainda assim ele se recusar, podem emitir uma ordem de prisão por desacato e encaminhá-la para o escritório da Procuradoria Geral em Washington, para julgamento.

A carta também afirma que McCabe enviou e-mails que comprovam que ele contou a Comey sobre o vazamento de informações, especificamente e-mails que “mostram que o Sr. McCabe assessorou o ex-diretor Comey, em outubro de 2016, sobre o que McCabe trabalhava junto com colegas do FBI para corrigir imprecisões antes que certas histórias fossem publicadas na mídia”.

No entanto, isso não explica por que ele então disse aos investigadores que não tinha autorizado o vazamento de dados e que não sabia quem tinha feito isso.

O inspetor geral determinou que o vazamento violou a política do FBI porque foi feito por interesse próprio. O regulamento só permite divulgar informações de “interesse público”.

Espera-se que o próximo relatório do inspetor geral seja publicado. Há rumores de que é um documento detalhado de mais de 400 páginas que trata em minúcias das irregularidades durante a investigação de Clinton.

Clinton manteve informações confidenciais armazenadas em um servidor de e-mail privado com pouca segurança e apagou 30 mil de seus e-mails, apesar de uma intimação, fazendo um esforço adicional de tornar a remoção irreversível. Ela alegou que estes eram seus e-mails pessoais, mas depois descobriu-se que eles continham informações relacionadas ao seu trabalho e informações confidenciais.

A investigação começou em julho de 2015 e foi conduzida por McCabe a partir de 29 de janeiro de 2016, quando Comey o nomeou vice-diretor. Alguns meses antes, a esposa de McCabe, Jill, recebeu aproximadamente 675 mil dólares para sua campanha ao Senado do estado da Virgínia, enviados em nome de duas entidades políticas estreitamente relacionadas ao governador associado de Clinton, Terry McCauliffe, informou The Journal.

Clinton foi exonerada por Comey em 5 de julho de 2016, em uma declaração que ele redigiu antes de interrogar Clinton e outras testemunhas-chave. O rascunho original da exoneração foi editado pelo investigador principal, o agente do FBI Peter Strzok, que trocou a expressão de que Clinton é “extremamente negligente”, um termo legal com implicações criminais, para a expressão “extremamente descuidada”.

Em setembro de 2016, depois que McCabe descobriu que milhares de e-mails de Clinton, incluindo uma reflexão perdida para sempre, foram encontrados no laptop do desacreditado ex-parlamentar Anthony Weiner, ele manteve segredo sobre a descoberta por um mês, antes de contar a Comey.

Em 28 de outubro de 2016, Comey reabriu a investigação de Clinton, enfurecendo os democratas menos de duas semanas antes da eleição de 2016.

Em 6 de novembro de 2016, Comey de novo encerrou a investigação, e novamente não fez acusações.

A filtragem de McCabe para a mídia Journal dirigiu-se à investigação do FBI da Fundação Clinton sobre alegados esquemas de pagamento em jogo.

Segundo um relatório anterior do inspetor geral, McCabe disse que em 12 de agosto de 2016 recebeu uma chamada do vice-promotor adjunto, que “manifestou preocupação pelos agentes do FBI que tomaram medidas concretas na investigação da Fundação Clinton durante a campanha presidencial”.

“Você está me dizendo que eu tenho que encerrar uma investigação que está validamente fundamentada?”, retrucou McCabe.

McCabe descreveu a conversa como “muito dramática”, e disse ao escritório do inspetor geral que “nunca teve um confronto semelhante”, ao longo de toda sua carreira no FBI.

Embora não tenha sido mencionado no relatório do inspector geral, Matthew Axelrod era o principal vice-promotor na época. Axelrod foi demitido junto com sua chefe, a vice-promotora Sally Yates, pouco depois que o presidente Donald Trump assumiu o cargo.

McCabe autorizou um vazamento de informações para a mídia Journal sobre sua conversa com Axelrod. No artigo resultante, Axelrod foi descrito como “muito chato” quando perguntou por que o FBI “continuava perseguindo uma questão que o departamento considerava inativo”.

Quando McCabe perguntou se as ordens eram para encerrar a investigação, Axelrod respondeu: “Claro que não”.

Os dois altos funcionários do FBI que McCabe tinha autorizado a filtrar eram Strzok e Lisa Page. Mensagens de texto enviadas entre Strzok e Page revelam que eles estavam muito predispostos contra Trump. Strzok fez mais tarde parte da investigação de um advogado especial sobre as alegações de conluio entre a campanha de Trump e o governo da Rússia.

Strzok foi demitido quando as mensagens foram divulgadas. Page renunciou em 4 de maio.

Os textos, publicados em vários lotes com diferentes graus de escrita, também mostraram que McCabe sabia com antecedência que a CNN estava prestes a publicar sua história sobre o Expediente Steele. McCabe também conhecia o raciocínio interno da CNN para contar a história e sobre um vazamento feito para a CNN com relação a uma reunião a portas fechadas entre o então eleito presidente Trump e Comey, quando discutiu-se o conteúdo do dossiê.

O Expediente Steele foi uma investigação feita pela oposição conduzida pelo ex-agente de inteligência britânico Christopher Steele. A campanha presidencial de Hillary Clinton e o Comitê Nacional Democrata pagaram à empresa de pesquisa da oposição Fusion GPS, através de um escritório de advocacia, para compilar o expediente.

Fusion GPS contratou Steele, que por sua vez usou fontes de segunda e terceira mãos próximas ao Kremlin para reunir material. Fusion GPS também recebeu dinheiro da Rússia enquanto Steele trabalhava no expediente.

O expediente foi usado pelo FBI como base para um pedido de autorização ao Tribunal de Vigilância de Inteligência Estrangeira para espionar Carter Page, voluntário da campanha de Trump e seus associados.

Colaborou: Ivan Pentchoukov, jornalista do Epoch Times

 
Matérias Relacionadas