Europa experimentará “calor intenso” potencialmente perigoso nos próximos dias

Por Wire Service Content

A Europa será atingida por uma onda de calor “potencialmente perigosa” na próxima semana, de acordo com o meteorologista Accuweather, com temperaturas que devem chegar a 38 graus Celsius (100 graus Fahrenheit) na quarta e quinta-feira.

A onda de calor esperada é o resultado de “uma tempestade que se estende sobre o Oceano Atlântico e alta pressão sobre a Europa central e oriental”, que “puxará o ar muito quente da África para o norte pela Europa”, disse Accuweather.

A Espanha vai sentir a primeira onda de calor “intenso” no fim de semana, antes que as altas temperaturas se espalhem pela França, Alemanha, Bélgica, República Tcheca, Suíça e Itália. A onda de calor pode durar até o começo de julho, previu Accuweather.

O meteorologista nacional francês, Meteo-France, alertou que a onda de calor começará no domingo, particularmente no leste, com temperaturas de 35 a 40 graus Celsius na maior parte do país.

“Apesar de breve, esta onda de calor pode ser notável por quão cedo ela chegou, bem como pela sua intensidade”, disse Meteo-France.

O Ministério da Saúde francês advertiu que espaços públicos frios, como parques e jardins, permanecem abertos a pessoas pobres e desabrigadas, enquanto idosos e pessoas com deficiência devem se registrar junto às autoridades locais para receber apoio.

No Twitter, o serviço meteorológico alemão, Deutscher Wetterdienst, alertou que uma onda de calor “extrema” chegaria à Alemanha na segunda-feira, atingindo seu auge na quarta ou quinta-feira.

Uma onda de calor também devastou a Europa em 2018, resultando em várias mortes na Espanha e em Portugal e condições de seca na Alemanha e na Suécia. O continente registrou seu agosto mais quente no mesmo ano, de acordo com o Centro Copernicus de Mudanças Climáticas do Centro Europeu de Previsão do Tempo Médio.

A iniciativa World Weather Attribution associou a onda de calor europeia de 2018 à mudança climática, dizendo que “a probabilidade de ter um calor tão forte é geralmente mais de duas vezes maior hoje do que se as atividades humanas não tivessem alterado o clima”.

“Com as temperaturas médias globais continuando a aumentar, as ondas de calor como essa se tornarão ainda menos excepcionais”, disse a associação global de institutos climáticos.

De acordo com a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional, 2018 foi o quarto ano mais quente do mundo, após 2016, 2015 e 2017.

 
Matérias Relacionadas