EUA precisa acabar com submissão das empresas americanas à Pequim, afirma especialista

"Corporações dos EUA representam mais a China politicamente e em termos de negociações comerciais do que os Estados Unidos"

Por Cathy He

Durante anos, o regime chinês pôde contar com um poderoso bloco para representar seus interesses em Washington: a América corporativa.

Isso é de acordo com Clyde Prestowitz, autor do livro “The World Turned Upside Down: America, China, and The Struggle for Global Leadership” (“O mundo virou de cabeça para baixo: América, China e a luta pela liderança global”). E ele quer que acabe.

Prestowitz, que foi funcionário comercial do governo Reagan e agora presidente do Instituto de Estratégia Econômica, um grupo de estudos com sede em Washington, disse ao Epoch Times que agora há um “desequilíbrio absurdo” na relação entre os Estados Unidos e a China, graças ao enorme papel que as grandes empresas desempenham na política americana.

“As corporações dos EUA representam mais a China politicamente e em termos de negociações comerciais do que os Estados Unidos”, disse ele em entrevista.

“Este é um grande problema contra o qual eu constantemente luto.”

Veja, por exemplo, a Apple, que monta a maioria de seus produtos na China e tem o país como o segundo maior mercado consumidor. Seu CEO, Tim Cook, tem enorme influência sobre a elite política da América, de acordo com o autor.

“Ele faz grandes contribuições aos políticos para ajudá-los a ganhar suas cadeiras no Congresso. Ele tem exércitos de advogados e lobistas”, disse Prestowitz. “Ele é um cara muito poderoso em Washington”.

Em Pequim, entretanto, o CEO está “de joelhos”, disse Prestowitz. “Ele está à mercê do Partido, como todo mundo”, acrescentou ele, referindo-se ao Partido Comunista Chinês (PCC).

Quando esses chefes de grandes empresas interagem com funcionários e o Congresso, eles dizem que representam os interesses das empresas americanas. Mas Prestowitz descreveu isso como “um absurdo total”.

“Eles não representam as empresas americanas. Eles representam a China ”, disse ele. “Tim Cook não tem medo de Joe Biden, mas acredite em mim, ele tem medo de Xi Jinping”.

Alimentando o crescimento

O livro de Prestowitz detalha como as empresas americanas se tornaram as líderes de torcida da China. A história está emaranhada em quase quatro décadas de compromisso da América com o regime, desde que o presidente Richard Nixon pavimentou o caminho para a abertura de relacionamentos na década de 1970.

As sucessivas administrações encorajaram o comércio e os investimentos americanos na China, na esperança de que a globalização tornasse o país comunista mais democrático.

Após o massacre da Praça Tiananmen em junho de 1989, quando o regime chinês reprimiu violentamente estudantes que protestavam pela democracia, o regime enfrentou o isolamento dos Estados Unidos e da comunidade internacional. Então, um mês após o incidente, o presidente George H.W. Bush estendeu uma corda de salvamento. Bush enviou seu conselheiro de segurança nacional em uma visita secreta a Pequim, para transmitir uma mensagem aos líderes do PCC de que faria todo o possível para restaurar o relacionamento e impedir os esforços do Congresso para cortar o comércio. Sua lógica para continuar com o comércio era: “como as pessoas têm incentivos comerciais, seja na China ou em outros sistemas totalitários, o movimento para a democracia é inexorável”.

O PCC também encontrou um parceiro no presidente Bill Clinton, um entusiasta promotor do “compromisso construtivo” que negociou o crescimento da China para a Organização Mundial do Comércio (OMC) em 2001. Ao vender o acordo ao público americano, Clinton disse em 2000 que a mudança significava que o regime “importaria um dos valores mais preciosos da democracia e da liberdade econômica”, que “teria um impacto profundo sobre os direitos humanos e a liberdade” na China.

Obviamente, nenhuma dessas coisas aconteceu.

Desde então, o PCC expandiu seus abusos aos direitos humanos visando minorias religiosas e étnicas e reprimiu os críticos em todo o continente e em Hong Kong, enquanto apertou seu controle sobre os cidadãos chineses por meio da implantação do sistema de tecnologia de vigilância mais difundido no mundo .

Impulsionado por uma cascata de investimento estrangeiro, enquanto usava uma série de práticas comerciais desleais, o regime impulsionou as indústrias domésticas, destruindo a manufatura americana no processo. Ele agora busca liderar o mundo em manufatura de alta tecnologia e empacotar seu próprio modelo de autocracia tecnológico para exportar para todo o mundo .

No entanto, como a elite política americana acabou sendo seduzida pelo “canto da sereia”, como Prestowitz o descreve, que prometia liberalização por meio do comércio?

“A resposta, eu acho, é que eles queriam acreditar desesperadamente por duas razões”, ele escreve em seu livro. “Uma era que as corporações que comandavam principalmente Washington viram grandes oportunidades de negócios na China e estavam determinadas a lucrar. A segunda foi que os principais especialistas e acadêmicos da época lhes disseram que era tudo verdade”.

O autor prossegue ilustrando como chefes corporativos, banqueiros de Wall Street e ex-funcionários transformados em lobistas de Washington correram para lucrar com o mercado chinês. Houve Robert Galvin, ex-CEO da Motorola, que aproveitou a oportunidade apresentada pelo massacre da Praça Tiananmen – quando uma Pequim isolada precisava desesperadamente de patrocinadores estrangeiros – para negociar um acordo favorável para realocar as fábricas da empresa no país. Maurice Greenberg, ex-CEO da gigante de seguros AIG, e Fred Smith, CEO da FedEx, ambos ansiosos por uma fatia do bolo do tamanho da China, também eram amigos poderosos do regime nos Estados Unidos.

Smith “tornou-se um mestre no papel de Washington, colocando ex-senadores e ex-congressistas em seu conselho, doando a todos os influenciadores assim como [Greenberg] fez e dando grandes contribuições às campanhas políticas”, escreve Prestowitz.

Em Wall Street, no início da década de 1990, Henry Paulson, então executivo do banco de investimentos Goldman Sachs, encabeçou um plano para ajudar a consolidar as estatais chinesas em grandes empresas e torná-las públicas. As empresas estatais chinesas levantaram centenas de bilhões de dólares em trocas domésticas e internacionais, gerando bilhões de lucros em Wall Street. Paulson tornou-se secretário do Tesouro de George W. Bush e agora dirige o Instituto Paulson, um think tank “dedicado a fomentar um relacionamento entre os Estados Unidos e a China que sirva para manter a ordem global”, diz seu site.

“Paulson escreveu e falou extensivamente como um especialista autodescrito em China”, escreve Prestowitz. “[Ainda] não há evidências de que ele ou qualquer outra pessoa em Wall Street tenha entendido que, longe de privatizar aquele país, eles estavam fortalecendo o governo autoritário do Partido e sua capacidade de projetar seu poder além das fronteiras da China”.

Apple, FedEx e Paulson não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

Fazendo com que as empresas prestem contas

O autor recomenda que a Lei de Registro de Agentes Estrangeiros seja fortalecida para que as empresas e outras organizações que fazem negócios com a China revelem seus vínculos.

“Todos deveriam ser obrigados a revelar integralmente suas doações políticas e ligações com a China ao testemunhar, falar ou escrever para consumo público”, escreve Prestowitz.

Voltando ao CEO da Apple, ele enfatiza que “o público deve saber que quando Cook fala sobre a China, ele é refém de Pequim por causa das extensas operações de produção da Apple lá”.

Incontáveis ​​exemplos de Apple e outras empresas ocidentais estão se submetendo ao regime chinês. Durante o auge dos protestos pró-democracia em Hong Kong em 2019, a Apple removeu um aplicativo de sua App Store que permitia aos manifestantes rastrear a atividade policial. A medida aconteceu um dia depois que a mídia estatal chinesa censurou a empresa por ajudar os manifestantes de Hong Kong ao aprovar o aplicativo “tóxico”. Mas a empresa disse que o aplicativo foi retirado porque representava um risco para a segurança pública.

Naquela época, a empresa de videogame Activision Blizzard também suspendeu um jogador proeminente que expressou apoio aos manifestantes em Hong Kong.

Além de maior transparência, Prestowitz deseja que certas grandes multinacionais registrem uma carta com o governo federal, além da carta registrada em um estado (normalmente Delaware). Essa carta federal estabeleceria padrões mais rígidos para as empresas, por exemplo, como elas podem se comportar politicamente e como operam em outros países, disse ele.

Por exemplo, os Estados Unidos poderiam punir empresas que ajudam governos estrangeiros a reprimir seus cidadãos ou ceder a demandas de potências estrangeiras que colocam em risco a liberdade de expressão ou religião dos americanos, diz o livro.

“Você pode usar o estatuto para realmente disciplinar a empresa e realmente colocar obrigações sobre os CEOs e executivos seniores”, disse Prestowitz.

Siga Cathy no Twitter: @CathyHe_ET

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas