EUA inauguram embaixada em Jerusalém

Trump não participou da cerimônia de abertura, mas enviou uma mensagem gravada em vídeo

Por Ivan Pentchoukov, Epoch Times

A embaixada dos Estados Unidos abriu hoje (14) suas portas em Jerusalém, marcando assim um momento histórico na relação entre os dois países.

Em dezembro do ano passado, o presidente Donald Trump cumpriu sua promessa de campanha de transferir a embaixada de Tel Aviv para Jerusalém, capital oficial de Israel.

“Hoje estamos abrindo a embaixada dos Estados Unidos em Jerusalém, Israel”, disse o embaixador norte-americano para o país, David Friedman, no início da cerimônia de abertura que foi assistida por uma delegação norte-americana vinda de Washington, bem como por líderes israelenses.

Durante décadas os líderes mundiais instalaram suas embaixadas em Tel Aviv para apaziguar os palestinos.

Os palestinos reclamam para si a Jerusalém Oriental como a capital de um Estado que querem estabelecer. Israel considera toda a cidade como a sua “capital eterna e indivisível”, incluindo o setor Oriental anexado durante a “Guerra dos Seis Dias” ocorrida em 1967.

Trump não participou da cerimônia de abertura, mas enviou uma mensagem gravada em vídeo. O secretário do Tesouro Steven Mnuchin e a assessora da Casa Branca, Ivanka Trump, exibiram o brasão de armas dos Estados Unidos durante a celebração.

Fuzileiros navais norte-americanos participam da cerimônia de abertura da nova embaixada dos EUA em Jerusalém, em 14 de maio de 2018 (Ronen Zvulun/Reuters)
Fuzileiros navais norte-americanos participam da cerimônia de abertura da nova embaixada dos EUA em Jerusalém, em 14 de maio de 2018 (Ronen Zvulun/Reuters)

O assessor principal da Casa Branca, Jared Kushner, disse que em qualquer acordo de paz é possível para ambos os lados do conflito ganharem mais do que dão. Kushner é o enviado dos Estados Unidos para o Oriente Médio e também genro do presidente Donald Trump.

“Acreditamos que é possível para ambos os lados ganhar mais do que dão, para que todas as pessoas possam viver em paz, a salvo do perigo, livres do medo e capazes de perseguir seus sonhos”, disse Kushner.

Filha do presidente Donald Trump, Ivanka Trump (dir.), e seu marido, o assessor principal da Casa Branca, Jared Kushner (esq.), chegam à inauguração da embaixada dos EUA em Jerusalém em 14 de maio de 2018 (Menahem Kahana/AFP/Getty Images)
Filha do presidente Donald Trump, Ivanka Trump (dir.), e seu marido, o assessor principal da Casa Branca, Jared Kushner (esq.), chegam à inauguração da embaixada dos EUA em Jerusalém em 14 de maio de 2018 (Menahem Kahana/AFP/Getty Images)

“Jerusalém deve permanecer como uma cidade que reúne pessoas de todas as religiões”, acrescentou Kushner. “Embora os presidentes que o precederam, uma vez que assumiram o cargo tenham voltado atrás em sua promessa de transferir a embaixada dos Estados Unidos, este presidente cumpriu sua promessa. Porque quando o presidente Trump faz uma promessa, ele a cumpre”.

Kushner também mencionou a saída dos Estados Unidos do acordo com o Irã. A multidão ovacionou de pé quando ele abordou o assunto.

“A agressão do Irã ameaça os muitos cidadãos amantes da paz em toda a região e no mundo. Desde Israel até a Jordânia, do Egito à Arábia Saudita e mais além, muitos líderes estão lutando para modernizar seus países e criar melhores condições de vida para seu povo”, disse Kushner.

“Confrontados com ameaças comuns e buscando interesses comuns, começam a surgir oportunidades e alianças antes inimagináveis”, acrescentou.

Colaborou: Agência Reuters

 
Matérias Relacionadas