Estudo sobre hidroxicloroquina é corrigido após mais de 100 cientistas questionarem conclusões

Por Katabella Roberts

A revista médica The Lancet publicou, em 29 de maio, uma correção em um estudo recente que descobriu que os medicamentos antimaláricos Hidroxicloroquina e cloroquina estavam relacionados a um risco aumentado de mortalidade em hospitais e uma frequência aumentada de ritmos cardíacos irregulares.

O estudo, intitulado “Hidroxicloroquina ou cloroquina com ou sem macrolídeo para tratamento de COVID-19: uma análise de registro multinacional”, publicado em 22 de maio, incluiu registros de 96.032 pacientes de 671 hospitais em seis continentes. Os pacientes foram hospitalizados entre 20 de dezembro de 2019 e 14 de abril de 2020.

Os pacientes que receberam os antimaláricos foram divididos em quatro grupos diferentes: cloroquina sozinha, cloroquina com um macrólido, hidroxicloroquina sozinha ou hidroxicloroquina com um macrólido. Pacientes que não receberam nenhum dos tratamentos formaram um grupo controle. Os pesquisadores descobriram que 14.888 pacientes no grupo de tratamento sofreram uma mortalidade mais alta quando comparados ao grupo controle de mais de 80.000.

Veja também:

 

“Não foi possível confirmar um benefício da hidroxicloroquina ou cloroquina, quando usado sozinho ou com um macrólido, nos resultados hospitalares da COVID-19”, escreveram os pesquisadores.

O estudo levou a Organização Mundial da Saúde a suspender temporariamente o emprego da hidroxicloroquina em pacientes com COVID-19 e ao órgão regulador do Reino Unido, MHRA, solicitar a pausa temporária do recrutamento em todos os ensaios com hidroxicloroquina no Reino Unido. A França também mudou sua recomendação nacional do medicamento nos tratamentos com COVID-19 e interrompeu todos os ensaios.

Um técnico de farmácia derrama pílulas de hidroxicloroquina na Rock Canyon Pharmacy em Provo, Utah, em 20 de maio de 2020 (George Frey / AFP via Getty Images)
Um técnico de farmácia derrama pílulas de hidroxicloroquina na Rock Canyon Pharmacy em Provo, Utah, em 20 de maio de 2020 (George Frey / AFP via Getty Images)

No entanto, mais de uma centena de cientistas e profissionais da área médica levantaram questões sobre a integridade dos dados analisados ​​no estudo e, posteriormente, escreveram uma carta aberta aos autores e ao editor do The Lancet, listando 10 grandes preocupações.

Isso incluiu o fato de que “não houve revisão ética” e “variações anormalmente pequenas relatadas nas variáveis ​​de linha de base, intervenções e resultados”, além de “nenhuma menção aos países ou hospitais que contribuíram para a fonte de dados e nenhum reconhecimento aos seus dados e contribuições”. Um pedido aos autores de informações sobre os centros contribuintes foi negado, dizia a carta.

Entre os cientistas, outras preocupações eram que as doses diárias médias de hidroxicloroquina eram mais altas que as quantidades recomendadas pela FDA e que os dados de pacientes australianos não pareciam coincidir com os dados do governo australiano.

“Demasiados casos para apenas cinco hospitais, mais em mortes hospitalares do que ocorreram em todo o país durante o período do estudo”, escreveram eles, observando que a Surgisphere, uma empresa de análise de dados de saúde, afirmou que este foi um erro de classificação de um hospital da Ásia. “Isso indica a necessidade de mais verificação de erros em toda a base de dados”, escreveram eles.

Os cientistas também disseram que os autores “não aderiram às práticas padrão na comunidade de aprendizado de máquina e estatística. Eles não divulgaram seu código ou dados”.

“Os dados da África indicam que quase 25% de todos os casos de COVID-19 e 40% de todas as mortes no continente ocorreram em hospitais associados ao Surgisphere que possuíam sofisticado registro eletrônico de dados de pacientes e monitoramento de pacientes capazes de detectar e registrar ‘ taquicardia ventricular não-sustentada [em pelo menos 6 segundos] ou sustentada ou fibrilação ventricular. ‘Ambos os números de casos e óbitos, e a coleta detalhada de dados, parecem improváveis”.

Um farmacêutico mostra um frasco do medicamento hidroxicloroquina em Oakland, Califórnia, em 6 de abril de 2020 (Ben Margot / AP Photo)
Um farmacêutico mostra um frasco do medicamento hidroxicloroquina em Oakland, Califórnia, em 6 de abril de 2020 (Ben Margot / AP Photo)

O estudo da Lancet foi informado por dados do Surgisphere, dos quais Sapan Desai, presidente e diretor executivo, está listado como um dos quatro autores.

“Descobrimos que um hospital que ingressou no registro do Surgisphere em 1º de abril de 2020 (entre nossos períodos de auditoria trimestrais) se auto-designou como pertencente à designação continental da Australásia. Ao revisar os dados de cada um dos hospitais do registro, observamos que esse hospital deveria ter sido atribuído de forma mais apropriada à designação continental asiática”, afirmou o Surgisphere em um comunicado.

“Este hospital foi reclassificado adequadamente em nosso banco de dados. As conclusões do artigo não são afetadas por esta atualização”, afirmou a empresa.

Na correção emitida na sexta-feira, o The Lancet também mencionou o mesmo hospital.

“O apêndice também foi corrigido. Foi incluída uma tabela incorreta do apêndice S3, originalmente derivada de uma tabela de propensão combinada e ponderada desenvolvida durante uma análise preliminar. Os dados brutos não ajustados do resumo agora estão incluídos”.

O Lancet acrescentou que “não houve alterações nas conclusões do artigo” e que as correções foram feitas na versão on-line e também será feita na versão impressa.

Em resposta à correção emitida em 29 de maio, James Watson, estatístico da Tailândia do Centro de Medicina Tropical e Saúde Global da Universidade de Oxford, que liderou a redação da carta, disse ao BuzzFeed News que os autores do estudo haviam falhado em abordar os outros nove pontos mencionados na carta.

Como o Epoch Times é diferente de outras mídias?

O Epoch Times é a mídia independente que mais cresce na América. Somos diferentes de outras organizações de mídia porque não somos influenciados por nenhum governo, corporação ou partido político. Nosso único objetivo é levar aos leitores informações precisas e sermos responsáveis ​​perante o público. Não seguimos a tendência doentia no ambiente de mídia atual do jornalismo orientado a agendas e, em vez disso, usamos nossos princípios de Verdade e Tradição como nossa luz guia.

Estamos trabalhando dia e noite para cobrir o surto de vírus do PCC para você. Doar tão pouco quanto uma xícara de café ajudará a manter nossa mídia funcionando.

Ajude-nos agora doando um ‘CAFÉ’ para a equipe.

Veja também:

A conexão de Wall Street com a pandemia

 

 

 
Matérias Relacionadas