Especialista afirma que China usou armas de micro-ondas para atacar soldados indianos em conflitos de fronteira

Soldados indianos experimentaram náuseas, vômitos e insônia na noite do suposto ataque

Por Olivia Li

Os militares chineses implantaram armas pulsantes de microondas para recapturar uma região ocupada por soldados indianos durante um confronto de fronteira no Himalaia, de acordo com um acadêmico chinês que pode ter inadvertidamente divulgado informações confidenciais.

Jin Canrong, vice-reitor da Faculdade de Relações Internacionais da Universidade Renmin da China, afirmou em um seminário em 11 de novembro que o Exército de Libertação do Povo (ELP), sem disparar uma única bala, pressionou os soldados com sucesso. Os soldados da Índia se retiraram e assim os chineses recuperaram “dois topos de montanha” ao redor do lago Pangong Tso, na região de Ladakh, no Himalaia, um disputado território fronteiriço entre os dois países.

O vídeo do seminário foi divulgado recentemente nas redes sociais chinesas. No vídeo, Jin disse a seus alunos que em 29 de agosto, que o exército indiano havia enviado cerca de 1.500 “Forças Especiais Tibetanas” para invadir e ocupar o topo de duas montanhas na costa sul do Lago Pangong Tso. Os soldados chineses receberam ordens de retomar o território, mas tiveram que obedecer a um antigo acordo que proíbe o uso de armas de fogo.

“Então, depois de conversar com outras divisões de PLA, eles tiveram uma ideia sofisticada”, disse Jin. “Eles colocaram armas de micro-ondas no sopé das colinas e transformaram o topo das montanhas em dois ‘fornos de micro-ondas’. Cerca de 15 minutos depois, os soldados indianos começaram a vomitar e não conseguiam se levantar. Soldados chineses reivindicaram ambas as áreas depois que as tropas indianas se retiraram”.

As armas de microondas emitem pulsos eletromagnéticos que enfraquecem o alvo com energia altamente concentrada. Os soldados chineses provavelmente miraram no topo das montanhas quando ativaram as armas de micro-ondas no sopé das colinas.

De acordo com a edição chinesa da Radio France Internationale, a mídia indiana descreveu os detalhes do mesmo confronto militar mencionado por Jin e suspeitou que as tropas indianas tenham sido atacadas por sons ou pulsos de micro-ondas.

De acordo com o relatório, os soldados indianos experimentaram náuseas, vômitos e insônia na noite do suposto ataque. Muitos estavam à beira de um colapso mental porque não sabiam o que estava acontecendo com eles. Os comandantes indianos decidiram abandonar os dois topos das montanhas porque todos os soldados estavam incapacitados. Depois de se retirar do terreno elevado, os sintomas desapareceram, de acordo com a mídia indiana.

A China está envolvida na pesquisa e no desenvolvimento de armas de som e de micro-ondas há vários anos. A primeira exibição pública de sua arma de micro-ondas foi no Air Show 2014 na cidade de Zhuhai, província de Guangdong, quando uma arma de micro-ondas de energia dirigida WB-1 estava em exibição direcionando feixes de ondas milimétricas para atingir alvos a oitocentos metros de distância, causando uma dor terrível ao aquecer as moléculas de água sob a pele.

Em setembro de 2019, a Academia Chinesa de Ciências anunciou que havia desenvolvido a primeira arma sônica portátil do mundo, e esse dispositivo semelhante a um rifle logo entraria em produção em massa, destinado à polícia para uso no controle de multidões.

O vídeo do seminário de Jin gerou discussões acaloradas entre os cidadãos chineses, com muitos relembrando os incidentes de “ataques misteriosos” contra diplomatas norte-americanos em Cuba e em Guangzhou, na China.

Entre 2016 e 2018, funcionários do consulado dos EUA e suas famílias na China e em Cuba relataram ter ouvido sons penetrantes e, em seguida, sentir dores de cabeça e náuseas. Ao retornar aos Estados Unidos, alguns sofreram lesões cerebrais. O governo dos Estados Unidos suspeitou que fosse devido a um ataque eletromagnético ou de micro-ondas.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas