Embaixada da China pressiona teatro para cancelar apresentações do Shen Yun na Espanha

Embaixada da China pressiona teatro para cancelar apresentações do Shen Yun na Espanha
2019/01/30

Por Janita Kan

Um funcionário de alto escalão da embaixada chinesa na Espanha admitiu em telefonema recente que fez uma visita pessoal ao gerente-geral do Royal Theatre, em Madri, para pressioná-lo a cancelar as apresentações de uma popular companhia chinesa tradicional de dança e música, de acordo com uma investigação.

O Shen Yun Performing Arts, com sede em Nova York – cuja missão é reviver 5.000 anos de civilização chinesa através da música e da dança, de acordo com seu site – reservou o Royal Theatre em Madri para apresentações em 31 de janeiro e 2 de fevereiro.

As apresentações do Shen Yun incluem peças que retratam a China contemporânea, incluindo a perseguição contínua à prática espiritual do Falun Gong, perseguida pelo regime comunista chinês – um tópico considerado tabu pelo regime.

Apenas algumas semanas antes das apresentações programadas, o teatro cancelou os shows devido a “dificuldades técnicas”. O Royal Theatre confirmou esse raciocínio em uma declaração por e-mail para o Epoch Times.

A filial americana da Organização Mundial para Investigar a Perseguição ao Falun Gong (WOIPFG), uma organização sem fins lucrativos que investiga abusos dos direitos humanos perpetrados contra adeptos do Falun Gong, disse que decidiu realizar uma investigação sobre o cancelamento após ver reportagens sobre o ocorrido na mídia, da possível interferência da embaixada chinesa para pressionar o teatro a cancelar o show.

Como parte de sua investigação secreta, em 22 de janeiro, o WOIPFG fez um telefonema para a embaixada chinesa, fazendo-se passar por alto funcionário do governo chinês. A pessoa que recebeu a ligação identificou-se como o embaixador chinês na Espanha, Lü Fan, de acordo com um comunicado de imprensa emitido pela WOIPFG. A organização lançou uma gravação de áudio do telefonema em seu site em 28 de janeiro.

“A investigação confirmou que o cancelamento do contrato do teatro com os organizadores do Shen Yun foi inteiramente resultado das interferências do Partido Comunista Chinês (PCC)”, disse a WOIPFG em seu comunicado.

“Lü Fan pressionou pessoalmente o teatro para cancelar o contrato com o Shen Yun Performing Arts. Ao usar o controle do PCC sobre o grande mercado chinês como uma sedução, Lü Fan e o diretor do teatro planejaram em conjunto cancelar as apresentações do Shen Yun sob o pretexto de dificuldades técnicas. ”

Durante a ligação, Lü explicou como ele convenceu o gerente geral do Royal Theatre a cancelar o Shen Yun, alertando ao gerente geral que o teatro “não pode perder o mercado chinês por causa disso”.

Lü acrescentou que o gerente geral do teatro, cujo nome não foi identificado na chamada, estava inicialmente relutante em atender ao pedido da embaixada, pois estava preocupado que isso “resultasse em perda de receita” e temia que a reputação do teatro fosse afetada. Na época em que o Shen Yun foi cancelado, cerca de 900 ingressos foram vendidos on-line e o teatro já havia feito uma série de preparativos para as apresentações, de acordo com o relatado por Lü.

Mas depois de uma reunião consigo mesmo, o gerente geral acabou cedendo ao pedido da embaixada.

“Eu disse a ele que não pensasse apenas na renda econômica, mas também na política. Quando você trabalha com a China assinando a “Liga Internacional de Teatros da Rota da Seda”, você tem um grande potencial no mercado chinês “, disse Lü, referindo-se a um acordo que o teatro de Madri assinou com o regime chinês em 2016.

O acordo “Liga Internacional de Teatros da Rota da Seda” é um projeto para promover “o intercâmbio artístico no campo das artes cênicas”, segundo um relatório do jornal estatal China Daily. A liga, por sua vez, faz parte do projeto principal da China para aumentar a influência geopolítica em todo o mundo, a iniciativa One Belt, One Road (Um Cinturão, Um Caminho).

Lü também afirmou no telefonema que ele trabalhou de perto com o gerente geral para inventar uma razão para cancelar o show – que foi posteriormente usado pelo teatro.

“Nós dissemos a eles para usarem razões técnicas [como capa], para dizer que desde que o show foi reservado com pressa, eles não pensaram sobre os problemas técnicos”, disse Lü na chamada, instruindo especificamente o gerente geral a Informar aos apresentadores do Shen Yun que o teatro não conseguiu abrir o palco a tempo para a companhia de artes cênicas.

Quando o Royal Theatre informou aos apresentadores sobre o cancelamento em 7 de janeiro, eles concluíram que a ópera Das Rheingold, que estava tocando no dia anterior e depois do Shen Yun, teria dificuldades em desmontar seus cenários para acomodar as apresentações do Shen Yun. Mas o teatro não parecia ter o mesmo problema com outros shows que aconteciam nas datas do espetáculo da ópera de Das Rheingold.

Depois que as apresentações do Shen Yun foram canceladas em Madri, um político europeu levantou preocupações sobre uma possível pressão do regime chinês.

Entidades chinesas recentemente também tentaram forjar laços mais profundos com o Teatro Real.

O teatro assinou um contrato em maio de 2018 com o Centro Nacional de Artes Cênicas em Pequim – um local presidido por funcionários do Partido – para participar da troca de produções e co-produções de ambos os cinemas, de acordo com um comunicado de imprensa.

Além disso, o embaixador chinês Lü é atualmente membro do “Círculo Diplomático” do Royal Theatre, um grupo de diplomatas que promovem o apelo internacional do teatro, de acordo com o site do teatro.

O Epoch Times também informou recentemente que o gerente geral do teatro estava em uma viagem à China em 14 e 15 de janeiro deste ano, segundo fontes.

Muitas tentativas do PCC de frustrar as apresentações do Shen Yun

Esta não é a primeira vez que o PCC tenta minar as performances do Shen Yun na Espanha usando táticas similares.

De acordo com relatos do El Mundo, o segundo jornal mais distribuído na Espanha, diplomatas chineses atacaram funcionários do Teatro Nacional da Catalunha e funcionários do Ministério das Relações Exteriores espanhol para pressioná-los a cancelar as apresentações do Shen Yun em Barcelona em 2014.

Os representantes do regime foram pessoalmente ao teatro e exigiram que as apresentações fossem canceladas porque “vão contra os interesses do Partido Comunista Chinês”. Ao visitar altos funcionários do Ministério das Relações Exteriores, os representantes chineses advertiram que o fracasso em encerrar o programa cultural a as apresentações “pode comprometer” as relações entre a Espanha e a China. Eles também “apontaram subliminarmente os investimentos da China em nosso país e as exportações de produtos espanhóis”, relatou El Mundo.

Mais recentemente, em 2017, os grupos da frente do PCC protestaram em frente ao Teatro Liceu, em Barcelona, enquanto o Shen Yun se apresentava nele. Cerca de 25 a 30 cidadãos chineses carregavam cartazes e gritavam slogans que difamavam o Shen Yun e o Falun Gong, uma disciplina espiritual chinesa praticada pelos artistas do Shen Yun. Os adeptos do Falun Gong na Espanha lançaram uma ação por difamação contra o grupo do PCC.

O advogado Carlos Iglesias, que representa os demandantes, disse que a conduta do grupo de frente era um discurso de ódio.

O Shen Yun enfrentou desafios devido à interferência chinesa em outras cidades ao redor do mundo, incluindo Holanda, Dinamarca, Coréia do Sul, Austrália e Estados Unidos. Em alguns casos, o regime comunista chegou mesmo a coagir os funcionários do governo a não comparecer às apresentações ou expressar o apoio público à companhia.

Exemplos de tais incidentes ocorreram na República Tcheca. Daniel Herman, o ex-ministro da Cultura da República Tcheca, disse em uma entrevista recente que havia experimentado a pressão do PCC várias vezes, inclusive quando o líder religioso tibetano Dalai Lama foi convidado para a República Tcheca em 2016 e quando o Shen Yun se apresentou em Praga em 2014. Ele disse que a embaixada chinesa entrou em contato com o chefe do Teatro Nacional em Praga, na tentativa de parar as apresentações do Shen Yun, mas no final não tiveram sucesso.

Por que o regime chinês tem como alvo o Shen Yun?

A companhia sediada em Nova York foi fundada por adeptos da prática espiritual do Falun Gong, que foram e continuam sendo severamente perseguidos na China continental. O então líder do PCC, Jiang Zemin, acreditava que a imensa popularidade do Falun Gong – até 100 milhões de adeptos, de acordo com estimativas citadas nos meios de comunicação ocidentais – ameaçariam a autoridade do partido. Assim, ele iniciou uma campanha nacional em julho de 1999 para perseguir, prender, deter e torturar os praticantes do Falun Gong.

O PCC também espalhou estrategicamente a propaganda contra o Falun Gong no país e para além de suas fronteiras – através de mídia chinesa pró-Pequim ou afiliada ao Partido, e grupos de fachada incorporados em comunidades chinesas no exterior.

O Shen Yun se apresentou em mais de 100 cidades ao redor do mundo, vendendo shows em Nova York, Barcelona e outras grandes cidades.

Siga Janita no Twitter: @ EMG_Janita