ELN declara cessar-fogo para eleições presidenciais na Colômbia

O grupo também mostrou a disposição de "retomar as conversas com o governo do presidente que for eleito"

Por Agência EFE 

Os guerrilheiros do Exército de Libertação Nacional (ELN) declararam um cessar-fogo unilateral de 25 de maio a 3 de junho em toda a Colômbia “para que aqueles que desejam votar o façam em paz” no primeiro turno das eleições presidenciais de 29 de maio.

“Antes de saber quem pode ser o candidato vencedor, nos atrevemos a criar um novo momento político, gerando um ambiente melhor para o próximo dia eleitoral, em 29 de maio”, disse o grupo armado em um comunicado publicado em seu site oficial e assinado pela direção nacional.

Um cessar-fogo já foi decretado de forma semelhante para as eleições legislativas de 13 de março, e com ele o ELN se reserva “o direito de se defender em caso de ataque”.

Na mesma carta, ele também mostra sua disposição de “retomar as conversas com o governo do presidente que for eleito nos próximos dias das eleições” para “trabalhar pela paz” e “falar abertamente” sobre o conflito armado no país.

“Agora a paz não é sobre esses compromissos entre a oligarquia, mas sim sobre buscar alternativas para todos os colombianos, abrindo um diálogo onde a maioria seja ouvida”, disse o grupo no comunicado, onde aponta que “um processo de paz com o ELN é a melhor oportunidade para abordar questões prioritárias”, como corrupção ou tráfico de drogas.

Desde o início, o atual governo do presidente Iván Duque condicionou a continuação das negociações de paz com o ELN, iniciadas por seu antecessor, Juan Manuel Santos, para que os guerrilheiros renunciassem a toda atividade criminosa, inclusive sequestro, e libertassem todos os seus cativos.

Em janeiro de 2019, cinco meses após a posse de Duque, as portas ao diálogo foram fechadas depois de um ataque do ELN contra a Escola de Polícia General Santander, em Bogotá, que deixou 22 cadetes mortos, incluindo um equatoriano, e mais de 60 feridos.

As negociações de paz entre o governo de Santos e o ELN começaram em 2017 em Quito, para encerrar décadas de conflito interno com o maior grupo guerrilheiro do país após a desmobilização das FARC, e depois foram transferidas para Havana, onde foram interrompidas.

A Colômbia irá no dia 29 de maio eleger o sucessor de Duque.

A retomada das negociações com o ELN foi um dos pontos mais debatidos durante a campanha. O esquerdista Petro e outros candidatos como o centrista Sergio Fajardo ou o populista Rodolfo Hernández estão abertos a sentar à mesa para conversar.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas