Eixo Alemanha-França ruma em direção ao isolamento

Política e realidade divergem na Europa de Merkel e Macron

Por Príncipe Michael de Liechtenstein, Serviços de Inteligência Geopolítica

Os líderes da Alemanha e da França, a chanceler Angela Merkel e o presidente Emmanuel Macron, respectivamente, defendem uma política para que seus países liderem a Europa juntos. No entanto, embora os dois líderes sejam política e filosoficamente próximos, seus países querem seguir caminhos diferentes.

Um ponto comum é sua crítica ao governo do presidente norte-americano Donald Trump. Eles não gostam do protecionismo e da preferência de Washington por relações bilaterais em vez do multilateralismo.

No entanto, eles não falam sobre como sua própria União Europeia (UE) é mais protecionista do que os Estados Unidos de Trump. Não esqueçamos que a Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP, na sigla em inglês) já estava fadada ao fracasso muito antes da eleição presidencial de 2016 nos EUA, principalmente por causa da oposição europeia.

Os dois líderes concordam em reformar a UE, tornando-a mais centralizada e “harmonizada”. Esta é também a política do presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker. Ao mesmo tempo, os grandes da UE criticam os governos democráticos na união como sendo liberais e autoritários, especialmente os da Europa Central.

Entre as linhas, eles sugerem que as pessoas nesses países elegem governos dos quais Merkel, Macron e Juncker não gostam porque não estão maduros o suficiente para a democracia, uma postura que alguns importantes meios de comunicação europeus também estão adotando em relação aos Estados Unidos. Ambos os líderes também são muito críticos em relação à Rússia e defendem um forte regime de sanções.

Sem consistência

No entanto, as necessidades econômicas não apoiam necessariamente o eixo entre a chanceler Merkel e o presidente Macron e suas filosofias políticas.

Merkel recentemente teve que se desviar de uma política comum devido às realidades econômicas e políticas em seu país. A Alemanha em geral está preocupada com o fato de que uma união mais centralizada com um Ministério da Economia e Finanças comum resultaria numa união de transferência com a continuação dos altos gastos deficitários. Os alemães acham isso inaceitável, enquanto a França e os franceses são a favor.

A Alemanha e a França justificam algumas de suas críticas à Rússia e aos Estados Unidos fingindo serem “democracias liberais”. O sistema, no entanto, pouco tem a ver com o liberalismo clássico e coloca a narrativa política em desacordo com as forças econômicas factuais na União Europeia, alienando o seu parceiro comercial e de defesa mais importante.

O ex-diplomata e consultor britânico Timothy Less explica isso bem em seu ensaio “A aurora da pós-liberalismo“, no qual ele escreve: “O liberalismo [clássico] acredita no livre-mercado e na competição como o meio ideal de promover o crescimento. Procura minimizar o papel do Estado, que existe principalmente para manter as regras do mercado. E apoia o movimento irrestrito de bens, capital e trabalhadores através das fronteiras internacionais.”

O liberalismo contemporâneo, especialmente na União Europeia, “é um amálgama complexo de racionalismo, cosmopolitismo, socialdemocracia, marxismo e autoritarismo burocrático”, escreve ele.

Vemos aqui uma transformação de uma democracia descentralizada para uma burocracia centralizada. A centralização já estabeleceu as bases que levaram ao Brexit (a saída do Reino Unido da União Europeia). Antagonizar a Europa Central como “imatura” e “iliberal” irá distanciá-la ainda mais da UE.

Por um lado, as políticas alemãs favorecem severas sanções à Rússia e, por outro lado, deixam de investir na defesa. Sanções combinadas com uma dissuasão insuficiente não funcionam.

Merkel e Macron são altamente críticos em relação aos Estados Unidos, mas totalmente dependentes da proteção dos Estados Unidos por meio da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN). Eles são críticos da Rússia, mas são cada vez mais dependentes do gás russo.

Sem dúvida, a Alemanha e a França, juntas, formam uma parte essencial necessária para uma Europa forte e competitiva. No momento, porém, esse eixo está fazendo o melhor que pode para prejudicar as relações com os Estados Unidos e a Rússia. Isso também prejudicará a coesão do bloco com muita centralização e a arrogância moral dos burocratas que fingem ser “liberais”.

Príncipe Michael de Liechtenstein é o presidente-executivo da empresa fiduciária Industrie und Finanzkontor e fundador e presidente dos Serviços de Inteligência Geopolítica. Este artigo foi originalmente publicado pelo GIS Reports Online.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

 
Matérias Relacionadas