Doutora que ajudou a descobrir a Ômicron afirma que foi pressionada a não revelar que é leve

'A definição de doença leve da COVID-19 é clara e é uma definição da Organização Mundial da Saúde'

Por Jack Phillips 

A médica que ajudou a descobrir a variante Ômicron da COVID-19 alegou que foi pressionada por vários funcionários do governo para não revelar que era uma cepa mais leve.

Falando ao jornal alemão Welt, a Dra. Angelique Coetzee, que atualmente é chefe da Associação Médica Sul-Africana, relatou que durante discussões com autoridades europeias, ela foi informada para não relatar que os pacientes da Ômicron apresentavam sintomas mais leves do que as variantes anteriores da COVID-19.

“Disseram-me para não declarar publicamente que era uma doença leve. Pediram-me para abster-me de fazer tais declarações e afirmar que trata-se de uma doença grave. Recusei”, relatou ela ao Welt em resposta a uma pergunta sobre suas discussões iniciais quanto a variante Ômicron com autoridades europeias.

Coetzee não deu detalhes sobre quais autoridades teriam dito a ela para ficar em silêncio. Na entrevista, Coetzee afirmou que as autoridades sul-africanas não tentaram pressioná-la, alegando que posteriormente foi criticada por autoridades do Reino Unido e da Holanda.

Ela continuou: “Sou médica e com base no quadro clínico não há indicações de que estamos lidando com uma doença muito grave. O curso é principalmente leve. Não estou afirmando que você não ficará doente se for leve”, de acordo com uma tradução do alemão para o inglês.

“A definição de doença leve da COVID-19 é clara e é uma definição [da Organização Mundial da Saúde]: os pacientes podem ser tratados em casa e não é necessário oxigênio ou hospitalização”, relatou Coetzee, acrescentando: “Uma doença grave é uma em cada que vemos infecções respiratórias pulmonares agudas: as pessoas precisam de oxigênio, talvez até de respiração artificial. Vimos isso com a Delta, mas não com a Ômicron. Então eu afirmei às pessoas: ‘Não posso dizer isso porque não é o que estamos vendo’”.

Durante suas discussões, ela se lembrou do que havia dito aos outros funcionários. “O que eu disse em um ponto – porque eu estava cansada disso – foi: na África do Sul, esta é uma doença leve, mas na Europa, é muito séria. Isso é o que seus políticos queriam ouvir”.

No final de novembro, Coetzee declarou em várias entrevistas, incluindo uma com a CNN, que “a maioria do que estamos apresentando aos profissionais de saúde primários são casos extremamente leves, tão leves a moderados … que não precisam ser hospitalizados por enquanto”.

“Tentamos levar a mensagem ao mundo para dizer escute”, acrescentou ela, “não estamos afirmando que isso não será uma doença que daqui para frente não causará doenças graves; causará doença grave, mas se esta doença puder causar a mais do que a maioria das pessoas, sintomas leves, facilmente tratáveis ​​em casa, sem necessidade de internação, esse é o primeiro prêmio”.

Como a Ômicron foi controversamente nomeada como uma “variante preocupante” pela OMS em novembro de 2021, vários estudos sugeriram que a variante apresenta sintomas mais leves do que a variante Delta. Atualmente, de acordo com dados dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA, a Ômicron representa a grande maioria das infecções atuais pela COVID-19 em todo o país.

Um estudo de um grupo de pesquisadores japoneses e americanos, publicado no final de dezembro, descobriu que a Ômicron causa efeitos menos prejudiciais aos pulmões, garganta e nariz.

O Epoch Times entrou em contato com a Agência Europeia de Medicamentos para comentar as observações de Coetzee.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas