Declínio eleitoral revela batalha entre liberdade e comunismo

Trump confronta o PCC neste momento crítico da história.

Por Conselho Editorial

Quando os fundadores do nosso jornal fugiram de um regime comunista para vir para a América, eles nunca esperaram que esta grande nação um dia se tornasse o ponto central da batalha entre o comunismo e a liberdade.

Muitos americanos acreditam que o comunismo é um conceito abstrato, algo que afeta apenas nações distantes, sem perceber que já chegou à nossa porta.

O comunismo se espalhou na América sob nomes como socialismo, progressismo, liberalismo, neo-marxismo e assim por diante, em um processo lento ao longo de décadas de subversão sistemática pela União Soviética e agora pelo Partido Comunista Chinês (PCC).

Esta é uma batalha cumulativa pelo futuro da América – e com ela, pelo futuro do resto do mundo – que está agora chegando ao ápice nas eleições presidenciais dos EUA.

Este é um conflito que transcende o partidarismo e a filiação partidária.

A crença em Deus sempre foi fundamental para a América. Os primeiros colonos fugiram para os Estados Unidos para que pudessem praticar sua religião livremente. Os Estados Unidos foram fundados na crença de que todos nós somos criados iguais por Deus e dotados pelo Criador de nossos direitos. O lema dos EUA é “Em Deus nós confiamos”.

A crença em Deus e os princípios derivados dessa crença são as razões fundamentais pelas quais os Estados Unidos podem desfrutar de liberdade, democracia e prosperidade, e por que os Estados Unidos se tornaram a nação que são hoje.

Nesta grande tradição, votar é um dever sagrado em que cada cidadão pode assumir a responsabilidade por quem governa. Este ano, um número recorde de americanos votou para escolher seu próximo líder.

Desde então, aprendemos que esse processo foi subvertido. Surgiram várias alegações credíveis de fraude eleitoral, apontando para um esforço sistemático para mudar o resultado da eleição.

A extrema esquerda e o diabo comunista por trás disso – a mesma força que Karl Marx certa vez descreveu como assombrando a Europa – estão usando mentiras, fraude e manipulação na tentativa de privar as pessoas de seus direitos e liberdades.

Um dos dois principais partidos dos EUA, o Partido Democrata, não é mais o partido político que costumava ser. Ao longo das décadas, ele foi gradualmente infiltrado pela mesma ideologia marxista que criou os regimes comunistas mais brutais e repressivos da história.

A ideologia comunista, incluindo o socialismo e suas ideias associadas, não é uma ideologia normal. É a ideologia que causou a morte não natural de pelo menos 100 milhões de pessoas.

A ideologia comunista usa conceitos aparentemente corretos, como “igualdade” e “correção política”, para confundir as pessoas. Sua ideologia se infiltrou em todos os campos de nossa sociedade, incluindo educação, mídia e arte. Ela destrói sem escrúpulos tudo o que é tradicional, incluindo fé, religião, moralidade, cultura, família, arte, educação, lei e assim por diante, e leva as pessoas a cair na depravação moral.

Esta é a ideologia do totalitarismo, que empurra nações outrora prósperas como a Venezuela ao abismo e que foi capaz de destruir 5.000 anos de cultura na China, onde as pessoas passaram da crença no divino à devoção ao Estado.

É a destruição sistemática de tudo o que é bom que a humanidade representa. É diametralmente oposto à bondade, justiça, verdade e compaixão.

Isso não apenas minou o espírito das pessoas e sua fé justa em Deus, mas arrastou o povo americano e toda a humanidade à beira do perigo.

Uma escolha entre o bem e o mal.

Este é um conflito que transcende as linhas partidárias, uma batalha entre se nós, como americanos, podemos permanecer fiéis aos nossos princípios fundamentais e seguir a vontade de Deus, ou se seremos submetidos a forças que procuram controlar e destruir nossos direitos mais fundamentais.

Isso não é algo que dizemos levianamente; porque os fundadores do nosso jornal viveram durante o totalitarismo comunista, eles entendem sua força destrutiva.

Como organização de mídia, somos independentes e não assumimos posições sobre questões políticas ou candidatos, mas defendemos a verdade e a justiça.

A América agora está à beira de cair no abismo comunista.

No centro dessa batalha está agora o presidente Donald Trump, que disse claramente não ao socialismo e ao comunismo e encerrou décadas de apaziguamento do regime chinês ao realizar um esforço nacional para conter sua influência e infiltração.

Trump confrontou o PCC neste momento crítico da história.

Para a China comunista, a trajetória foi clara: Trump é um presidente americano que valoriza a tradição e se opõe ao comunismo e, enquanto liderar, o regime chinês sabe que não terá sucesso em seu objetivo de décadas de derrubar os Estados Unidos e, com isso, o resto do mundo livre.

Temos a China comunista às nossas portas, pronta para assumir o controle. O PCC estudou cuidadosamente o sistema dos EUA ao longo das décadas e agora tem aproveitado com sucesso nossa sociedade aberta e se infiltrado em nosso país.

Internamente, temos grupos de extrema esquerda como Antifa e Black Lives Matter (que se refere à organização, cujos fundadores se descrevem como “marxistas” e têm ligações com grupos pró-PCC, não pessoas que apoiam amplamente a vida negra) organizando protestos e rebeliões . O movimento é semelhante à Revolução Cultural do PCC, que destruiu a herança cultural e as tradições da nação. É um movimento anti-americano, assim como a Revolução Cultural foi anti-chinesa. O núcleo da ideologia do movimento não é diferente daquele do movimento comunista na China e anda de mãos dadas com o PCC, pronto para subverter a América.

O impacto desta eleição é de longo alcance. Deixou claro para as pessoas, governos e organizações em todo o mundo que devem decidir se estão com o diabo comunista ou com a tradição e os valores universais.

Mais e mais pessoas estão percebendo que a eleição de 2020 nos EUA não é uma luta de duas partes, não é uma disputa entre Trump e Joe Biden, mas uma batalha entre a tradição e o socialismo, uma batalha entre o bem e o mal, uma batalha entre o divino e o diabo comunista.

Para saber mais, leia a série editorial especial “Como o espectro do comunismo está governando nosso mundo”.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas