Cuba enfrenta déficit hídrico em meio a crise do vírus do PCC

A escassez de água devido à falta de chuva afeta 469.000 pessoas na região oeste da ilha

Por Agência EFE

Cuba enfrenta um déficit no suprimento de água potável, particularmente em Havana, onde atualmente são afetadas 468.721 pessoas, informou o regime na terça-feira, numa época em que medidas de choque foram implementadas para impedir a propagação do vírus do PCC (Partido Comunista Chinês), comumente conhecido como o novo coronavírus.

A escassez de água devido à falta de chuva afeta 469.000 pessoas na região oeste da ilha, quase toda na capital, cerca de 23.000 na área central e 21.000 no leste, segundo o Instituto Nacional de Recursos Hidráulicos (INRH).

Em Havana, com 2,2 milhões de habitantes, existem 111 fontes de suprimento de água que foram afetadas, 89 parcialmente e outras 22 totalmente, e atualmente apenas uma das cinco bacias que a abastece está abastecida, como explicou o chefe do INRH, Antonio Rodríguez, durante uma aparição na televisão.

O executivo explicou que o déficit é de 2.447 litros de água por segundo até agora em março e, neste momento, 58.500 pessoas são abastecidas por caminhões-tanque.

Os municípios mais afetados de Havana são Arroyo Naranjo, Habana Vieja, La Lisa, Boyeros e Centro Habana.

Por esse motivo, as autoridades hidráulicas pediram medidas extremas no uso da água e, entre elas, ele disse que está planejando regular o consumo, reordenar o fornecimento, habilitar novos poços, reparar uma zona condutora no oeste da cidade e nos arredores e vedar pontos de vazamento de líquidos.

Eles também indicaram que a intensa seca que atinge principalmente Havana e também Santiago de Cuba, a segunda maior cidade do país do Caribe, continuará impactando nos meses de abril e maio.

A crise no abastecimento de água coincide com a presença ainda baixa do vírus do PCC na ilha, na qual as autoridades de saúde até agora diagnosticaram 48 positivos, 29 deles cubanos e 19 estrangeiros, um dos quais morreu e outro foi repatriado.

Apesar disso, o regime decretou na segunda-feira medidas de choque, como o fechamento parcial das fronteiras e a suspensão de classes, entre outras.

O Epoch Times refere-se ao novo coronavírus, que causa a doença COVID-19, como o vírus do PCC porque o encobrimento e a má administração do Partido Comunista Chinês permitiram que o vírus se espalhasse por toda a China e causasse uma pandemia global.

 
Matérias Relacionadas