Coreia do Sul registra 594 novos casos de coronavírus e se aproxima de 3.000 infectados

Por Agência EFE

As autoridades sul-coreanas informaram no sábado que detectaram 594 infecções adicionais pelo coronavírus de Wuhan, o que eleva o número total de casos detectados no país para 2.931, entre os quais 16 mortes.

Dos novos casos, 476 estão localizados na cidade de Daegu, cerca de 300 quilômetros a sudeste de Seul, e outros 60 na província vizinha de North Gyeongsang, áreas onde o foco viral é encontrado, segundo dados do Center for Controle e Prevenção de Doenças Contagiosas da Coreia (KCDC).

Outras províncias e grandes cidades do país também registraram novas infecções, incluindo 12 na capital, Seul, e outras 12 na cidade de Busan.

A Coreia do Sul intensificou seu programa de testes depois de declarar o nível máximo de alerta para o vírus diante do rápido aumento de casos.

As autoridades buscam impedir a disseminação, especialmente em Gyeongsang do Norte e Daegu, onde estão concentrados a maioria dos casos e epicentro do surto no país, cujo foco de infecção é a seita cristã Shincheonji.

Os especialistas esperam que o número de casos confirmados continue a aumentar nos próximos dias, à medida que as autoridades de saúde avaliarem os mais de 210.000 membros Shincheonji, aos quais cerca de 65.000 aprendizes no grupo devem ser adicionados.

O KCDC acredita que a maior parte do contágio em torno da seita se originou em sua sede em Daegu, onde foram realizadas reuniões em massa no início de fevereiro, nas quais um seguidor de 61 anos foi capaz de atuou como um agente “infeccioso”.

A disseminação do coronavírus SARS-CoV-2 na Coreia do Sul levou mais de 70 países a impor restrições mais rigorosas ou procedimentos de quarentena no sábado para pessoas vindas do país por medo de uma maior disseminação global.

 
Matérias Relacionadas